Início » O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade

O poder da Irmandade / Fraternidade Feminina ou Sororidade

O poder das Irmandades Femininas, Fraternidades Femininas ou Sororidades

Revivendo a Irmandade Antiga

Editado de: http://www.azrielreshel.com/ . – https://upliftconnect.com/

O poder curativo das mulheres

No coração de cada mulher bate o desejo de sentar-se com suas irmãs, de se abrir, de se conectar profundamente e compartilhar sua vulnerabilidade, suas alegrias, seus medos e seus sonhos. Nos tempos antigos, a magia irrestrita do sagrado feminino fluía livremente. Sua fertilidade abundante e poder criativo estavam em harmonia com os princípios da natureza e floresceram.

Por milhares de anos, o paradigma dominante em nosso mundo tem sido o ímpeto masculino. Isso causou supressão e ferimento da força feminina em mulheres e homens. Com todos os avanços de hoje, as mulheres ainda são secundárias, na tomada de decisões, na influência e no acesso ao poder. No entanto, as mulheres moldam as gerações futuras, as mulheres têm o tremendo poder criativo para gerar uma nova vida, para curar comunidades, criar paz e muito mais.

Enquanto a irmandade está crescendo e se tornando uma poderosa força de cura, muitas mulheres ainda estão curando suas próprias feridas. Muitas das mulheres, tiveram ferimentos femininos. Muitas vem de herança ancestrais de feminilidade fragmentada e ferida.

O laço primordial entre mãe e filho é fundamental para a integridade e o mistério feminino.

A cura passa pelas irmãs e aprende-se a receber educação feminina e estar presente à própria feminilidade e poder. Iniciar as mulheres em companheirismo e dar-lhes um legado de relacionamentos femininos inteiros e poder feminino. Curar a linha feminina e libertar meus ancestrais tem sido uma iniciação importante para as mulheres. Nos círculos com mulheres ao longo dos anos, compartilha-se vulnerabilidade e abre-se o coração em confiança.

Sozinho podemos fazer tão pouco; juntos podemos fazer muito. – Helen Keller

As mulheres são criadas para estar juntas, colaborar, apoiar umas às outras e ser uma comunidade sagrada. Esses momentos especiais elevam o espírito e dissolvem o coração. E a ciência mostrou que a irmandade também tem benefícios maravilhosos para a saúde das mulheres.

As mulheres são criadas para estar juntas, colaborar, apoiar umas às outras e ser uma comunidade sagrada.
As mulheres são criadas para estar juntas, colaborar, apoiar umas às outras e ser uma comunidade sagrada.

Tradições da Irmandade Antiga

A magia da irmandade preenche o anseio por autenticidade, conexão profunda e a expressão de nossa selvageria que foi expressa tão livremente nos tempos antigos. Em algumas culturas indígenas, essa tradição ainda está viva e está cada vez mais sendo revivida por mulheres em todo o mundo. Tradições como a Tenda Vermelha, honrando ritos de passagem, círculos de cura, rituais de fertilidade e outros negócios de mulheres indígenas nutriam mulheres e mantinham toda a tribo forte.

A Tenda Vermelha fornecia um local para as mulheres recalibrarem, incubarem, sonharem, diminuírem a velocidade e reconectarem-se durante o período da lua. Este ciclo mensal é muito mais do que apenas um ciclo físico, é um ciclo de transmutação, oferecendo o potencial de renascimento a cada mês. É um tempo de renovação e deixar ir.

Professor espiritual, Eckhart Tolle há muito disse que o corpo da dor é mais ativo pouco antes de uma mulher menstruar. Segundo ele, o corpo da dor é uma espécie de reservatório de dor acumulada, um campo de energia negativa. Pode ser pessoal e coletivo e é composto de todos os resíduos energéticos de sua dor desde a infância. O corpo da dor pode estar dormente ou ativo. Quando está ativo, pode levá-lo e se alimentar de dor, o que poderia explicar o blues durante ou imediatamente antes do período menstrual. Se você se aproximar desta vez com consciência, pode ficar presente às emoções que se intensificam e vê-las como uma oportunidade de cura para dissolver o corpo da dor e curar os traumas do passado.

Naquela época da lua, as mulheres recuavam juntas, pois seus ciclos seriam sincronizados e eles se sentariam juntos na tenda, sendo nutridos e cuidados pelas outras mulheres enquanto passavam pelo processo de cura de soltar o útero. Uma mulher é mais psíquica e o véu é fino entre os mundos dependendo de como está seus hormonios . Tomando o tempo para ficar quieta, ela pode facilmente se abrir para uma inspiração e um sonhar mais elevados neste momento.

A Tenda Vermelha fornecia um local para as mulheres recalibrarem, incubarem, sonharem, diminuírem a velocidade e reconectarem-se durante o período da lua. A Tenda Vermelha fornecia um local para as mulheres recalibrarem, incubarem, sonharem, diminuírem a velocidade e reconectarem-se durante o período da lua.

Irmã, abra seu coração, arremesse suas esperanças e coloque seus sonhos no ar. Eu estou aqui para segurar sua mão. – Maya Angelou

Nas velhas tradições espirituais, as mulheres eram as guardiãs da sabedoria antiga. Eles mantinham harmonia e equilíbrio no mundo natural e em suas comunidades. Devido à sua abertura emocional e conexão à sua natureza instintiva, sua visão e capacidade de penetrar na sabedoria superior foi reverenciada e usada para a vantagem de toda a comunidade. Os corpos das mulheres eram vistos como vasos alquímicos sagrados de criação e transformação. E em muitas tradições, as mulheres eram a personificação da Deusa na terra, canais que poderiam unir os mundos com rituais sagrados.

As maneiras tradicionais pelas quais as mulheres mantinham seus laços fortes eram honrando os ritos de passagem na vida de uma mulher, que estavam ligados à sua sexualidade e fertilidade. Na tradição nativa americana e em muitos outros, o início da menstruação em uma jovem foi celebrado com uma cerimônia de enorme significado que a acolheu na condição de mulher. Esses ritos de passagem foram um evento importante e celebrar uma jovem se tornando uma mulher, ou quando uma mulher entrou na maternidade, bem como a passagem de uma mulher para sua sabedoria velha na menopausa, foram compartilhadas com suas irmãs.

Nas velhas tradições espirituais as mulheres eram as guardiãs da sabedoria antiga.Nas velhas tradições espirituais, as mulheres eram as guardiãs da sabedoria antiga.

Nas culturas indígenas, muitas das atividades da vida cotidiana foram compartilhadas. As mulheres juntavam a comida e cozinhavam juntas enquanto cantavam e compartilhavam. As mulheres, como os antigos maias, criavam tecidos, roupas, teciam e teciam juntas, e também eram responsáveis ​​por cuidar dos aspectos espirituais do dia-a-dia. As mulheres indígenas australianas cuidavam das crianças umas das outras, como se fossem suas e as crianças muitas vezes não sabiam qual mulher era sua mãe biológica, pois esses laços eram tão próximos. Na sociedade fragmentada de hoje, algumas mulheres sentem-se alienadas e sozinhas, ansiando por essa conexão com outras mulheres que era uma parte tão natural da vida cotidiana.

As mulheres também se reuniram em círculos na Lua Cheia e Lua Nova para cerimônias e rituais para curar e apoiar um ao outro. Muitas tradições femininas incluíam a honra da terra e da Deusa. Na Europa, antes dos tempos bíblicos e da supressão das mulheres, essas tradições celebravam a fertilidade e o poder do Feminino Divino.

Nos templos da Índia, Egito, Grécia, Roma, Suméria e Europa antiga, as mulheres foram ensinadas a desenvolver seus poderes de percepção, intuição e como refinar a poderosa energia da emoção. Eles aprenderam a despertar a nutrição e a melhorar seus dons femininos. Hoje, as mulheres estão recuperando seu poder espiritual e sabedoria inata, criando comunidade e assumindo a liderança.

Mulheres se reuniram em círculos na Lua Cheia e Lua Nova para cerimônias e rituais para curar e apoiar um ao outro.Mulheres se reuniram em círculos para curar e apoiar um ao outro.

Então, o que é a Irmandade?

A irmandade é um jeito de ser. É uma celebração de tudo que é gloriosa e potentemente feminina. É acima de tudo uma escolha para estar vivo e delicioso em seu mistério feminino, e é um caminho do coração. Há irmandade entre amigos, entre mãe e filha, avó e neta, professora e aluna. A irmandade é um movimento de bondade. Abrange todas as mulheres, independentemente da sua forma, nacionalidade ou crenças. É uma energia que também engloba os homens e está se curando para o planeta.

Ajudar uns aos outros faz parte da religião da irmandade. – Louisa May Alcott

Os arquétipos da sacerdotisa, da velha e da deusa são mulheres, mas estão enterradas abaixo das responsabilidades esmagadoras e das demandas diárias que as mulheres exercem sobre si mesmas, com os ditames da sociedade: ser a mãe perfeita, ou esposa modelo, amante incrível e mulher de carreira. Quando as mulheres se juntam, isso desaparece e elas criam magia, uma atmosfera que é potente e transformadora e um campo que é magnético.

A irmandade é um movimento de bondade.
A irmandade é um movimento de bondade.

Aspectos Sagrados da Verdadeira Sistership

Igualdade

O círculo da vida e o círculo das irmãs representam o valor inato de cada ser. Não há elite, não há divisão, mas uma aceitação calorosa de todas as cores, formas e tamanhos de nossas irmãs. Irmãs são flores diferentes do mesmo jardim. Cada um é único e importante para o todo. À medida que apreciamos e nos apoiamos mutuamente em nossa individualidade, em beleza, forma corporal, sonhos, escolhas de vida ou escolhas parentais, criamos incrível liberdade em nós mesmos e nos outros.

Domínio

A irmandade apóia a expressão de nosso poder total como mulheres. É uma jornada de apoio de domínio sobre a nossa natureza instintiva profunda, nossos pensamentos e nossa fisicalidade. À medida que moldamos nosso mundo interior, descobrimos o poder de manifestar nossos sonhos no mundo ao nosso redor.

O círculo da vida e o círculo das irmãs representam o valor inato de cada ser.
O círculo da vida e o círculo das irmãs representam o valor inato de cada ser.

 

Quietude

O princípio feminino é receptivo. Na quietude nos abrimos para a inspiração, nos conectamos profundamente a nós mesmos, para que possamos manter o espaço mais profundamente para nossas famílias, crianças e comunidades.

Honra

A irmandade é um caminho para honrar nossa sensualidade e nossa beleza como mulheres, de auto-aceitação do que quer que seja essa forma de beleza, e de amar a única expressão divina de nossos corpos e rostos. Temos a responsabilidade de cuidar e amar a nós mesmos. Quando nos honramos dessa maneira, podemos honrar nossas irmãs e famílias de maneira mais profunda. O verdadeiro potencial de nutrir e poder do amor é livre para fluir para todos quando vem de um poço de amor potente e integral para si mesmo.

Quando nos honramos dessa maneira, podemos honrar nossas irmãs e famílias de maneira mais profunda.

Fertilidade

Em cada ventre, reside o potencial criativo do universo. Embora tenhamos a capacidade de gerar vida nova, as mulheres também têm a capacidade de trazer seus sonhos para a vida no mundo. Temos a responsabilidade sagrada de expressar essa criatividade, seja criando uma família, uma comunidade conectada, harmonia, obras de arte, dança, música ou qualquer coisa de beleza. Quando criamos, mantemos nossa energia feminina equilibrada e o fluxo irrestrito de expressão criativa origina a maré de competição, ciúme e comparação com os outros. Isso garante que nossos relacionamentos com nossas irmãs sejam vivos e felizes e que nossos desejos criativos sejam satisfeitos.

Agora, mais do que nunca, esses princípios sagrados são necessários para que as mulheres brilhem e impactem o mundo ao nosso redor.

Nossas próprias árvores genealógicas estão cheias de situações de ensino e com exemplos trágicos que podem ter cegado nossos próprios antepassados ​​para os valores da verdade, como é encontrado no amor. Agora, o destino da totalidade da raça humana recai sobre a Irmandade porque todas as coisas nascem da mulher.

Quando as mulheres não estão mais perdidas, pedindo aos outros que lhes digam o que devem fazer ou como devem viver, haverá grandes mudanças em nosso mundo. Isso não quer dizer que as amizades e vínculos das mulheres não devam ser usadas; pelo contrário, o apoio de outras mulheres que trilharam o mesmo caminho é primordial. – Jami Sams, as treze mães originais do clã

Para o nosso mundo se curar, cada mulher precisa se redescobrir, encontrar sua luz e brilhar no mundo. Precisamos nos guiar para casa e agora é a hora.

Sororidade

É a Relação de irmandade, união, afeto ou amizade entre mulheres, assemelhando-se àquela estabelecida entre irmãs.

Também significa União de mulheres que compartilham os mesmos ideais e propósitos, no brasil comumente de teor feminista, sendo caracterizada pelo apoio mútuo evidenciado entre essas mulheres.  Porém porém tem, na verdade um significado bem mais abrangente, não só político e social, mas humano.

No movimento feminista serve para estimular o apoio entre as mulheres, num movimento do feminino, mais abrangente.

Praticar a sororidade também é parar de sustentar ideias que incitam a rivalidade do gênero feminino e incentivem idéias de união feminina.

Ela reorienta a percepção e atitude de uma mulher perante outra por meio da simpatia, acolhida e colaboração que abarcam desde situações simples do dia a dia até projetos sistemáticos de apoio mútuo entre mulheres.

É um conceito, em construção, sobre empatia, solidariedade e acolhimento entre mulheres, uma empatia de mulheres para outras mulheres.

É difícil precisar a origem histórica do uso desse termo. Um exemplo apontado por Dandara Tinoco é que, em universidades norte-americanas, grupos integrados por moças eram denominados sororities.

Ana Clara Bicalho aponta que naquarta onda do feminismo, que surgiu, por volta de 2012, vinculada ao uso das redes sociais, as novas modalidades de interação por meios digitais possibilitaram a formação de comunidades virtuais de mulheres, com trocas de ideias, conceitos, desabafos, denúncias, tratamentos alternativos, mensagens de encorajamento, enfim, o fortalecimento de laços e trocas de experiências sobre o ser mulher. Nesse contexto, a sororidade tornou-se uma importante forma de praticar o feminismo e o feminino propagar suas bandeiras.

A palavra sororidade não está presente, ainda, em todos os dicionários clássicos da língua portuguesa. É a correspondente feminina da palavra fraternidade, também derivada do latim, que significa solidariedade entre irmãos (frater).

Dicionário Priberam define sororidade como: “Relação de união, de afeição ou de amizade entre mulheres, semelhante à que idealmente haveria entre irmãs. União de mulheres com o mesmo fim, geralmente de cariz feminista”.

Dicionário Online de Português apresenta como significado de sororidade: “Relação de irmandade, união, afeto ou amizade entre mulheres, assemelhando-se àquela estabelecida entre irmãs. [Por Extensão] União de mulheres que compartilham os mesmos ideais e propósitos, normalmente de teor feminista, sendo caracterizada pelo apoio mútuo evidenciado entre essas mulheres”.

Em Etimologia (origem da palavra sororidade): Do latim soror, oris “irmã” + dade. É sinônimo de irmandade de mulheres. Tem um conceito bem simples: “ser fraterna para com outras mulheres”. É a união entre as mulheres.

Assim como fraternidade e irmandandade, Sororidade, carrega a ideia de irmandade feminina

Em países como os EUA, Sorodidade é uma irmandade de mulheres. As irmandades (originalmente chamadas de “fraternidades femininas”) começaram a se desenvolver em 1851 com a formação da Adelphean Society Alpha Delta Pi ,  embora as organizações do tipo fraternidade para mulheres não tenham assumido sua forma atual até o estabelecimento de Pi Beta Phi em 1867 e Kappa Alpha Theta em 1870. O termo “fraternidade” foi usado por um professor de latim na Syracuse University , Dr. Frank Smalley, que sentiu que a palavra “fraternidade” era inadequada para um grupo de senhoras.  A palavra vem do latim soror , que significa “irmã”, “prima, filha do irmão do pai” ou “amiga”. A primeira organização a usar o termo “fraternidade” foi Gamma Phi Beta , fundada em 1874.

O desenvolvimento de “fraternidades para mulheres” durante este tempo foi uma grande conquista no caminho dos direitos e igualdade das mulheres. Pela mera existência, essas organizações estavam desafiando as probabilidades; as mulheres fundadoras foram capazes de promover suas organizações, apesar de muitos fatores trabalhando contra elas. As primeiras “Fraternidades Femininas” não só tiveram que superar “costumes sociais restritivos, status desigual perante a lei e a presunção subjacente de que eram menos capazes do que os homens”,  mas, ao mesmo tempo, tiveram que lidar com os mesmos desafios que fraternidades com administrações de colégio. Hoje, as irmandades sociais e multiculturais estão presentes em mais de 650 campi universitários nos Estados Unidos e Canadá. A Conferência Nacional Pan-helênica(NPC) serve como a “organização guarda-chuva” para 26 irmandades (inter) nacionais. Fundada em 1902, a NPC é uma das maiores e mais antigas organizações femininas, representando mais de 4 milhões de mulheres em 655 campi de faculdades / universidades e 4.500 capítulos de ex-alunas nos Estados Unidos e Canadá.