Início » Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico

Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico

< em desenvolvimento>

Astros de tônicas femininas para encontrá-los e entender o feminino no seu mapa astrológico

Principais Asteroides – Cinturão de Asteroides – e Planetas Anões – entre Marte e Jupter e Objetos trans-netunianos (ou além de Plutão):

# Asteroides e Planetas Anões do Cinturão de Asteroides – entre Marte e Jupter

> Ceres

(1) – ( Ceres symbol.svg) / planeta anão do circulo de asteroides entre marte e jupiter / é o menor planeta anão identificado  no Sistema Solar, mas é significativamente o maior objeto no cinturão de asteróides . Foi descoberto em 1 de janeiro de 1801 por Giuseppe Piazzi, e é nomeado após Ceres, a deusa romana do cultivo de plantas, a colheita e do amor maternal. Foi o primeiro asteróide descoberto, ocupando cerca de um terço de toda a massa do seu cinturão de asteróides.   O debate de 2006 em torno de Plutão e do que constitui um  planeta  levou Ceres a ser considerado para reclassificação como um planeta, mas no final Ceres e Plutão foram classificados como os primeiros membros da nova  categoria de planeta anão . Ceres passa pelo zodíaco a cada 4 anos e 7 meses, passando por pouco mais de 2½ sinais todos os anos.

Na mitologia, Ceres é o equivalente romano da deusa grega Deméter e é a deusa da agricultura. A deusa (e metaforicamente o planeta) também está associada às questões reprodutivas de uma mulher adulta, bem como a gravidez e outras grandes transições na vida de uma mulher, incluindo os nove meses de gestação, laços familiares e relacionamentos. Na opinião de idade, Ceres é o planeta regente de  Virgem  , Mas como mais conhecimento sobre o caráter do planeta foi revelado, maioria da opinião modernos astrólogos, denotam Ceres ser o governante de  Taurus , no entanto, Ceres é exaltado em  Virgem .   Em uma revisão atualizada, Taurus também é governado por Quíron  com o mesmo planeta anão tendo um caráter independente e astrológico sendo co-regente de Virgem e exaltado em  Sagitário .   Embora seja uma mãe, Ceres é também o arquétipo de uma deusa virgem. Ceres sintetiza mulheres independentes que muitas vezes são solteiras (desde que, segundo o mito, Ceres é uma deusa solteira que escolheu se tornar mãe sem marido ou parceira). Enquanto a lua representa nosso ideal de “maternidade”, Ceres representaria como nossa verdadeira e a natureza maternidade deveria ser. [44]

Ceres, como a Deusa que tem controle sobre os recursos e ciclos da natureza, pode astrologicamente ser considerada o planeta do Meio Ambiente. Voltando a mitologia, um vilão ambiental precoce é a figura de  Erysichthon , o tearer-se da terra, que cortar as árvores em um bosque sagrado para Ceres-Deméter, para o qual ele foi punido pela deusa com fome medo. Neste sentido, Ceres tornou-se um arquétipo emergente na consciência das recentes  mudanças climáticas e está entrando em nossa consciência coletiva como uma necessidade de cuidar de nossos recursos naturais e insubstituíveis no século XXI. Ceres representa um salto em direção a um futuro de responsabilidade ecológica e conhecimento. Como um indicador de ativismo ambiental ou comunitário, Ceres representaria para alguns astrólogos a onda do futuro. 

Ceres foi o primeiro asteróide descoberto e agora é rotulado como um planeta anão, ocupando cerca de 1/3 da massa total do cinturão de asteróides.  (Na astrologia, para obter uma compreensão da natureza de um planeta, os astrólogos podem estudar as características e posições de planetas conhecidos no momento da descoberta, observar a tendência de eventos significativos na época e avaliar com o tempo o que o O corpo celestial recém-descoberto tende a se relacionar com os mapas das pessoas vivas.). Na mitologia, Ceres era o equivalente romano da deusa grega  Deméter . Ela era a deusa da agricultura e quando sua filha  Perséfone  foi seqüestrada por  Plutão em uma tentativa de forçá-la a se casar com ele, Deméter ficou tão perturbada procurando por sua filha que ela negligenciou a Terra que se tornou fria e a maioria das plantas morreu. Esta foi a primeira temporada de outono e inverno, que voltou todos os anos, mesmo depois de Persephone ter sido salva por Hermes, porque ela havia comido uma romã que a fez esposa de Plutão para sempre, e ele exigiu que ela retornasse a ele uma vez por ano. Esses mitos, incluindo o fato de Ceres ser o asteroide mais redondo (assemelha-se à Lua) significam que na astrologia a colocação de Ceres em um mapa de nascimento mostra o que o nativo precisa para se sentir amado e nutrido. 

Ainda temos que descobrir o papel real de Ceres em nosso mapa natal, sendo um dos planetas anões circulando o Sol, assim como Plutão. Embora tenha havido sugestões para torná-lo um governante moderno de Virgem, seu impacto feminino ainda não foi determinado e ainda precisa de pesquisas astrológicas extensas e detalhadas para que possamos destacar seu papel com clareza. Sendo o menor de todos os planetas anões, ele não foi observado na Astrologia tanto quanto se poderia presumir, e ainda tem um longo caminho a percorrer até que verdadeiramente entremos em contato com os significados de que fala sua posição no mapa natal. Para começar, deveríamos considerá-lo uma figura materna e terrena, uma entidade feminina que fornece produtos de nosso trabalho árduo e nos faz trabalhar ainda mais com modéstia, para que possamos alimentar a boca faminta das pessoas à nossa volta.

Na mitologia, Ceres era a deusa romana da agricultura, culturas de grãos, fertilidade e relações maternais. O principal festival de Ceres foi realizado em abril, e foi chamado Cerealia, lembrando-nos de nossa rotina diária governada pelo signo de  Virgem  em um jogo de palavras aparentemente insignificante que aponta para sua possível regra.

As leis de Ceres determinavam o curso da vida legal e civilizada, e os crimes contra os campos e a colheita eram considerados crimes contra o povo. Se tentarmos encontrar mais uma conexão com o signo de  Virgem , veremos que é um dos raros sinais humanos justos e inteligentes. É muitas vezes ligado a Astraea, a deusa da inocência e da pureza que desistiu dos seres humanos quando eles se tornaram “quebrados” e “contaminados”, deixando o mundo terrestre para medir Almas no outro mundo (simbolicamente falando da transição de Virgem para o signo de  Libra). Não é de admirar que Virgem busque constantemente a pureza, a limpeza e o celibato, sempre voltando-se para o papel feminino, inteligente e feminino que carregamos dentro de nós. Opondo-se à magia de Peixes, Ceres pode ser considerado um dos governantes simbólicos de Virgem mais uma vez, se considerarmos o fato de que as antigas leis de Ceres proibiam o encanto mágico das plantações e invocavam a pena de morte para a remoção ilícita de limites de campo.

O fato mais interessante, porém, esconde-se no simbolismo de sua contraparte na mitologia grega – Deméter. Deméter era a mãe de Perséfone, uma filha perdida ligada ao papel de Vênus. Estranhamente, a queda de Vênus no signo de Virgem não fez uma conexão deste signo a Ceres, embora seja bastante óbvio que coincide com o arquétipo básico do planeta anão, ou pelo menos com sua contraparte na mitologia grega.

Se observarmos a posição de Ceres em nosso mapa, vamos encontrá-lo representando o ponto de fertilidade e formas de prover nossa existência física. Se um planeta pessoal ou nosso Ascendente entrar em contato com ele, ele mostrará um forte papel feminino importante em nossas vidas, como uma natureza prática que nos ajuda a colocar comida na mesa. Com largura suficiente e quando Ceres estiver nos signos do governo de Júpiter ou em contato com Júpiter, veremos o caminho para o trabalho humanitário, suprindo as necessidades físicas dos menos afortunados, mostrando uma tendência de salvar crianças, vidas daqueles que perderam tudo e toda a humanidade com convicções que vão além do indivíduo.

Ceres é o último sacrifício, carregando a energia de todos os sacrifícios já feitos em nome da colheita, e como você pode imaginar – este é um grande número de vidas. Quando a segunda cúspide da casa, seu regente, Vênus ou a Lua está em contato com Ceres, o vegetarianismo é uma boa escolha para circular a energia das vidas tiradas uma vez. A sensibilidade de uma pessoa nesses casos muitas vezes transcende a necessidade de ingestão de carne e, embora esses indivíduos possam não sentir compaixão pelos animais serem mortos por causa da racionalização excessiva de seus papéis, todo o seu corpo emocional vibrará com mais clareza assim que limpar e definir livre da energia da matança.

O papel mais lamentável de Ceres em nosso gráfico se manifesta através da perda de uma filha ou de uma irmã mais nova do “Submundo”, para um “homem mau” (assim como Perséfone se apaixonou pelo próprio demônio), passando a vida em busca pela beleza que representava. A natureza oculta de Vênus e sua queda serão difíceis de entender, e a satisfação será difícil de alcançar nesta vida, como uma cenoura que perseguimos todos os dias, apenas para encontrá-la no submundo mais escuro e em tudo o que tememos. Este simbolismo fala da “malfigurada” necessidade de Ceres de nos enfrentar com nossas sombras e nossos medos mais profundos, a perda de amor e beleza em nossas vidas, só para que possamos florescer e nos libertar, abraçando todos os tabus e lados escuros de nossa personalidade. .

Ceres , o maior dos quatro asteróides menores usados, está associado à deusa mitológica dos grãos e da colheita. Simboliza a constituição física e a fertilidade. Era também conhecida como Deméter e, segundo o astrólogo Zipporah Dobyns, estava associada ao simbolismo da maternidade, de maneiras menos emotivas e mais físicas que a Lua. Ceres é designado como governante de Virgem. Está em exaltação em Gêmeos, em detrimento em Peixes e em Queda em Sagitário.

Contendo 1/3 da massa do cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter, Ceres foi descoberta em 1801. Ela foi classificada como um asteroide até 2006, quando se juntou a Plutão e Eris como os primeiros planetas anões.

Nomeado para a deusa romana da agricultura e fertilidade (recebemos a palavra “cereal” do nome das deusas). Ceres foi creditado com a descoberta do trigo, o jugo de bois, semeadura e aragem, proteção e nutrição da semente jovem, e o dom da agricultura para a humanidade. Ela também está ligada à fertilidade humana e à maternidade e foi a patrona do protetor das leis plebéias (civis).

Ceres é a contraparte romana da deusa grega Demeter. A história mais famosa diz respeito ao seqüestro de sua filha por Hades. Ela parou todo o crescimento de planetas até que sua filha fosse libertada. Mas Proserpina tinha comido enquanto no reino de Hades, então ela passa 6 meses do ano acima do solo e 6 meses abaixo.

Ceres foi o primeiro asteróide já descoberto, no dia de Ano Novo em 1801! Ela é o corpo mais massivo do cinturão de asteróides e agora é definida como um planeta anão junto com Plutão e Eris. Porque Ceres é acreditado para conter um oceano líquido, ela é um alvo principal para a pesquisa da vida extraterrestre.

Como deusa da colheita e do processo natural de fertilidade e renovação, Ceres representa o processo de criação e maternidade no mapa de um indivíduo, e foi atribuído ao signo de Câncer como co-regente da Lua.

Em um gráfico, um Ceres afetado pelo aspecto planetário pode indicar problemas em ser capaz de nutrir, ou ser nutrido por outros, talvez se manifestando em complexos alimentares, ou um sentimento de rejeição por figuras parentais. Quando fortemente colocado, simboliza a capacidade de assumir responsabilidades parentais, especialmente em um assunto feminino, e também pode indicar alguém que tenha uma relação próxima com a terra, como jardineiro ou produtor de alimentos. Também a posição de Ceres pela casa e signo, e suas conexões planetárias, é provável que indique a maneira pela qual a maternidade (ou paternidade) se manifesta na vida de alguém.

Ceres foi o primeiro a ser descoberto no cinturão de asteróides. Desde então, foi reclassificado como um planeta anão, o que tornaria Ceres pelo menos tão importante quanto Plutão no mapa astrológico, já que ambos são planetas anões.

Ceres era a irmã de Zeus (Júpiter). Ela é a Mãe da Terra por excelência e governa sobre comida, culinária e nutrição. Onde quer que ela apareça no seu mapa, ela mostra como você se sente melhor. Esta é também a área onde você pode facilmente fornecer amor e conforto.

Seu signo Ceres influencia a maternidade, trabalho duro, pais e jardinagem também. Isso mostrará quão bem nós vamos com o fluxo … o universal, isto é. Esta é a unificação de dar e receber através de nós mesmos como uma troca de energia. Ceres está associado com a fertilidade, o útero e o estômago. Em seu lado negativo, ela influencia o luto, problemas de trabalho, distúrbios alimentares, problemas de custódia e sequestro. Ela pode influenciar baixa auto-estima, medo da abundância, sentimentos de abandono ou indignidade, excesso de apego, possessividade, complexos pais-filhos e esterilidade.

Ceres é o maior e mais redondo asteróide, lembrando a Lua, e seu posicionamento no mapa de nascimento indica o que você precisa para se sentir amado e nutrido. Na mitologia, Ceres era o equivalente romano da deusa grega Deméter, deusa da agricultura.

Ceres - a grande mãe CERES – A Grande Mãe – Ceres foi o primeiro asteróide descoberto, e apropriadamente seu número de asteroides é 1. Ceres, como Plutão, é tecnicamente um planeta anão por classificação astronômica, mas também é considerado um asteróide; Ceres é o maior dos asteróides. Em 1801, um padre e astrônomo italiano chamado Giuseppe Piazzi avistou o que inicialmente pensava ser um cometa, mas que mais tarde se revelou um asteróide. Piazzi viveu em Palermo e escolheu nomear sua descoberta depois de Ceres, a deusa romana da agricultura, que se pensava ter origem na Sicília.

Astrologicamente, o asteróide Ceres tem uma grande semelhança com o equivalente da Deusa. Ceres, ou Deméter na mitologia grega, era a deusa da agricultura que entregava o presente de grãos à humanidade e era comumente representada com trigo na mão. Ceres é mais famosa por sua história atemporal de amor, perda e redenção envolvendo sua amada filha Perséfone.

O asteróide Ceres tem laços particulares na interpretação astrológica de complexos alimentares, quer isso resulte em autonegação ou em auto-indulgência; ambas as polaridades podem ser uma maneira de suprimir uma falta percebida de nutrição. Como uma das grandes mães da mitologia, o asteróide Ceres também pode ajudar a descrever a natureza de nossa relação com nossa mãe ou figura materna, e também como essa relação se manifesta psicologicamente: recebemos o carinho de que precisávamos? Podemos contar com nossa figura materna para entender e atender a essas necessidades?

Um posicionamento proeminente do asteróide Ceres pode fazer com que se descubra como cuidar, cuidar e atentar para as necessidades dos outros; ocasionalmente, isso transborda para o padrão da mãe sufocante ou “devoradora” (Ceres teve um grande esforço para deixar sua filha Perséfone). Aspectos desafiadores para Ceres podem criar problemas de baixa auto-estima e dificuldade em superar o impacto psicológico da nossa experiência maternal.

O símbolo do asteróide Ceres é uma foice ou foice, enfatizando a conexão de Ceres com a alimentação e a agricultura.

Ceres Temas:  complexos alimentares (transtornos alimentares, dismorfia corporal), estilo de cuidar, parto, vínculo mãe-filho ou falta dele, autoestima ou falta dele, separação ou perda de filhos, lições de deixar ir, ciclo de nascimento morte e renascimento.

Ceres asteróide

O glifo de Ceres é uma foice evocativa da colheita. Também pode sugerir uma cruz encimada por um semicírculo, o primeiro simbolizando a matéria e o segundo, a alma.

Na mitologia romana, Ceres é o equivalente da deusa grega Demeter. Em outras palavras, a deusa da colheita. Ela personifica a fertilidade, já que seu culto era celebrado no verão. A filha de Saturno (que não é surpreendente porque a beleza de Ceres é do tipo austera) e de Rhea, Ceres protege os solos cultivados em todos os sentidos. Ela era frequentemente retratada como uma mulher alta e bonita, com um olhar distante nos olhos e cabelos compridos tão loiros quanto um campo de trigo. Com tal físico, é lógico que ela tenha gostado de Júpiter, de quem ele teve uma filha, Proserpina. Quando adolescente, Proserpina foi raptado por Plutão, o deus do submundo, que cobiçava ela. Devastada, Ceres defendeu seu caso para Júpiter, que ordenou que Proserpina permanecesse no submundo no inverno e com sua mãe nos meses de verão.

Ceres representa a necessidade de ser mãe e de ser cuidada. Por extensão, é o princípio de nutrição que é destacado. Ceres tenta cuidar de seu corpo físico e também está disposta a se dedicar às pessoas.

O sinal em que Ceres é colocado indica o tipo de comida que o dono do quadro precisa para se sentir amado, assim como ele reage a esse presente e como ele é mãe. Deve-se ressaltar que o papel de Ceres é diferente daquele da Lua, que é todo o arquétipo do princípio materno. Quanto a Ceres, ela deve estar relacionada com o elemento Terra ou com o significado do signo de Virgem. É a faceta prática e razoável da mãe que deve ser lembrada. A história ressalta o momento da educação quando a filha está se libertando da proteção de sua mãe, sendo raptada por Plutão. Algumas analogias devem ser observadas em relação à ligação com Plutão, uma vez que Ceres foi para o subterrâneo negociar com Plutão o destino de sua filha. Portanto, o papel de Ceres é também sobre o alimento da alma e da mente, porque ela está em contato com o mundo invisível. O acordo alcançado com Plutão ilustra o conceito de afeto-desapego.

Em suma, Ceres significa produtividade, método e análise concreta, amor materno e senso de educação, capacidade de se desprender, mas também falta de confiança, abandono, amargura e baixa autoestima.

NB: em uma tabela masculina, sempre que Ceres é fortalecida, seja por uma luminária, por um ângulo ou por aspectos, ela indica um homem que terá que assumir o papel tradicionalmente atribuído às mães: alimentação, lavagem, criação. Ceres também pode descrever um pai solteiro.

 

> Palas (2) –

Palas asteróides
Asteroide do cinturão
A mitologia de Pallas

Pallas é o Athena ou o antigo Minerva. Portanto, ela está associada à sabedoria e inteligência criativa. Ela é a filha favorita de Júpiter e tornou-se famosa por seus numerosos talentos, desde artesanato até artes. Uma guerreira astuta, ela também significa vitória, que ela conseguiu sem brutalidade, ao contrário de Marte. Ela é mais tática do que outras pessoas e pode manobrar com muito sucesso para conseguir o que deseja. Nesse sentido, ela é invencível. Na verdade, em um episódio mitológico, ela aconselhou os deuses quando eles travaram uma guerra contra os gigantes.

Interpretação astrológica de Pallas

Pallas incorpora a faceta de luta do dono da carta. Ela também indica nossas qualidades de percepção, nossas visões e nossos flashes de genialidade. Ela pede para se tornar social e profissionalmente realizada. Além disso, ela pode ser considerada um agente que promove o empoderamento das mulheres. Ela inclui aspectos masculinos e femininos, buscando equilíbrio e harmonia.

As mulheres influenciadas por Pallas são combativas e relutam em se comprometer. Enquanto de seu lado masculino, Pallas dá um lado feminino muito desenvolvido.

> Vesta (4) –

Vesta orbita o Sol entre Marte e Júpiter, dentro do cinturão de asteróides , com um período de 3,6 anos terrestres, [5] especificamente no cinturão interno de asteróides, dentro do intervalo de Kirkwood a 2,50 UA. Sua órbita é moderadamente inclinada ( i = 7,1 °, em comparação com 7 ° para Mercúrio e 17 ° para Plutão ) e moderadamente excêntrica ( e = 0,09, aproximadamente a mesma de Marte). [5]– encorajando a nutrir, honrar e cuidar de nossas chamas interiores, queimando no Templo Sagrado do Corpo – Sua influência (A Sacerdotisa, O Guardião da Chama Sagrada) também é senti neste alinhamento.

Vesta asteróideVesta representa um vaso no qual uma chama está queimando. A forma em V do vaso pode ser considerada um símbolo de vitória após a purificação pelo fogo, que promove nossa evolução. O princípio da chama é também reativar memórias de encarnações passadas.

A mitologia de Vesta

Vesta é uma deusa romana que pertence à geração dos doze grandes deuses do Olimpo. Ela também é a mais bela divindade romana, muitas vezes retratada com um véu. Ela é a irmã mais velha de Júpiter. Ela se recusou a casar com Apollo, não menos! Ela preferiu o papel da deusa do fogo da Terra, tornando-se assim o arquétipo do guardião do lar e, por extensão, do município e da nação. Na Antiguidade, um altar com um fogo sagrado foi colocado em todas as casas e até mesmo no centro da cidade.

Vesta tornou-se a pessoa que detém as chaves da cidade e da luz divina que ela tem a responsabilidade de manter viva. Este conceito de Vesta deu origem às vestais, as sacerdotisas da Roma antiga.

Interpretação astrológica de Vesta

Em um mapa natal, Vesta representa a dedicação a um ideal, bem como a uma causa ou a uma religião. Quando este asteróide é destacado em um gráfico, pode indicar um gosto pelo esoterismo (o fogo sagrado).

Vesta incorpora a necessidade de pureza e distância também. Ela é uma concentração de uma energia muito concentrada que encoraja inúmeros sacrifícios pessoais em benefício de uma coletividade (para ser interpretada de acordo com o signo, a Casa e todos os aspectos envolvidos).

No lado negativo, o Vesta pode trazer um comportamento às vezes inflexível ou abstrato. Especialistas acham que as pessoas influenciadas por este asteróide seriam aconselhadas a fazer retiros para simbolicamente queimar qualquer dívida cármica que permaneça neles (para os interessados ​​em astrologia kármica).

> Juno (3) – 

Juno orbita o Sol entre Marte e Júpiter, dentro do cinturão de asteróides.

Juno é um personagem complexo para analisar – Enquanto a astrologia a chama de Deusa do Asteróide do Casamento e da Alma-Gêmea – eu a vejo como muito mais do que isso. Eu vou estar fazendo um post sobre ela separadamente. Eu a vejo representando a essência da Outra Metade Cósmica – O Feminino Divino em equilíbrio com o Masculino.  re-enquadraria como o princípio da energia feminina buscando a conclusão, que é uma exposição mais sutil sobre o modo como ela é comumente entendida – Intuitivamente, parece mais preciso analisá-la e interpretá-la dessa maneira. Ela é uma deusa complexa demais para ser incluída em uma única categoria de “casamento e alma gêmea”.

Juno asteróide

Juno é representado por um cetro real. Tem um importante eixo vertical que evoca retidão e grandeza. Ele liga a cruz da matéria com a parte superior formada por duas cruzes de 45 ° uma em relação à outra, o que resulta em uma rosa bússola, sinônima de harmonia.

A mitologia de Juno

Juno é irmã e esposa de Júpiter ao mesmo tempo. A mitologia antiga não prestou muita atenção a preconceitos ou moralidade. Juno gosta de jóias, ornamentos e trajes finos. Júpiter ficou impressionado; ele a seqüestrou e a estuprou. Então, para evitar a vergonha, ele aceitou se casar com ela. Para os gregos e romanos, Hera / Juno tornou-se a deusa do casamento e preside todas as atividades das mulheres. Ela é a dama por excelência, não desprovida de algum grau de vaidade.

Interpretação astrológica de Juno

Em um mapa natal, este asteróide fornece informações adicionais sobre o casamento da pessoa. Indica a propensão a aceitar relações conjugais de mão dupla. Juno também diz respeito à vida associativa. Em outras palavras, a posição forte de Juno leva a experimentar as lições da 7ª Casa ao longo da vida.

Juno, em primeiro lugar, lida com relacionamentos, com a preocupação de descobrir como afirmar seus direitos. No entanto, em relação à vida profissional, o asteróide também pode apontar para ocupações no campo da beleza. Se Juno é excessivamente proeminente, ela pode dar prioridade ao casal, mesmo em detrimento da carreira.

Os especialistas em Synastry notam que nos mapas de casais, Juno é frequentemente sobreposto ao signo solar do parceiro. No entanto, esta não é uma regra testada e verdadeira para o momento.

> Cibele (65) – ok

Cibele ( s ɪ ə i / SIB -ə-Lee menor designação planeta : 65 Cibele ) é um dos maiores asteroides do sistema solar e está localizado no exterior da correia asteróide . Ele dá o nome ao grupo de asteróides Cybele [4] que orbitam para fora do Sol a partir da ressonância orbital 2: 1 com Júpiter . O asteróide do tipo X tem um período de rotação relativamente curto de 6,0814 horas. Foi descoberto porWilhelm Tempel em 1861, e nomeado após Cybele , a deusa da terra.

 

orbita o Sol entre Marte e Júpiter, dentro do cinturão de asteróides. Cibele, uma deusa mãe de Roma, estava no centro de um culto frígio, e às vezes era conhecida como Magna Mater , ou “grande deusa”. Como parte de sua adoração, os sacerdotes realizavam ritos misteriosos em sua homenagem.

  • Graças à história da ressurreição de Attis, Cybele passou a ser associado ao interminável ciclo de vida, morte e renascimento.
  • Os seguidores de Cibele trabalharam em frenesi orgiásticos e depois castraram-se ritualmente.
  • Hoje, Cybele tornou-se a divindade honrada por um número de membros da comunidade transgênero e um ícone para muitas feministas pagãs.
Culto Antecipado de Cibele
Representação de Cibele em um altar romano.
Print Collector / Getty Images / Getty Images

De particular interesse foi o sacrifício de um touro realizado como parte de uma iniciação ao culto de Cibele. Esse ritual era conhecido como taurobolia e, durante o rito, um candidato à iniciação estava em um buraco sob um piso com uma grade de madeira. O touro foi sacrificado acima da grade e o sangue atravessou buracos na madeira, inundando o iniciado. Esta foi uma forma de purificação ritual e renascimento. Para uma idéia de como isso provavelmente se parece, há uma cena incrível na série da HBO, Roma, em que o personagem Atia faz um sacrifício a Cybele para proteger seu filho Otaviano, que mais tarde se torna o imperador Augusto.

Amante de Cibele era Attis , e seu ciúme fez com que ele se casasse e se matasse. Seu sangue foi a fonte das primeiras violetas, e a intervenção divina permitiu que Attis fosse ressuscitado por Cibele, com alguma ajuda de Zeus. Graças a essa história de ressurreição, Cybele passou a ser associado ao interminável ciclo de vida, morte e renascimento. Em algumas áreas, ainda há uma celebração anual de três dias do renascimento de Attis e do poder de Cibele ao redor do tempo do equinócio da primavera , chamado de Hilaria .

O Culto de Cibele no Mundo Antigo
Preview antes da abertura da exposição 'Hidden Aghanistan'
Michel Porro / Getty Images

Como Attis, diz-se que os seguidores de Cibele se transformariam em frenesi orgiásticos e depois se casariam ritualmente. Depois disso, esses sacerdotes vestiram roupas femininas e assumiram identidades femininas. Eles ficaram conhecidos como os Gallai . Em algumas regiões, as sacerdotisas femininas lideravam os dedicados de Cibele em rituais que envolviam música extática, bateria e dança. Sob a liderança de Augusto César, Cybele tornou-se extremamente popular. Augusto ergueu um templo gigante em sua honra no Monte Palatino, e a estátua de Cibele que está no templo traz a face da esposa de Augusto, Livia.

Durante uma escavação de um templo em Çatalhöyük, na Turquia moderna, uma estátua de uma Cibele muito grávida foi desenterrada no que antes era um celeiro, o que indica sua importância como uma divindade de fertilidade e fecundidade. Quando o Império Romano se espalhou, divindades de outras culturas se viram absorvidas pela religião romana. No caso de Cibele, mais tarde ela assumiu muitos aspectos da deusa egípcia Ísis .

Donald Wasson da Enciclopédia da História Antiga diz que o culto de Cibele era muito mais atraente para as mulheres romanas do que para os homens, em parte devido à sua natureza agrícola. Cibele foi responsável por todos os aspectos da vida, desde a gravidez até o nascimento até a morte. Além de ser uma curadora, ela era uma deusa da fertilidade e proteção, particularmente em tempos de guerra. Wasson diz:

“Ela era a amante da natureza selvagem, simbolizada por seu companheiro constante, o leão … [Ela] oferecia [imortalidade] para seus adeptos. Ela é representada em estátuas ou em uma carruagem puxada por leões ou entronada carregando uma tigela e tambor, usando uma coroa mural, ladeada por leões. Seguidores de seu culto se transformariam em um frenesi emocional e auto-mutilar, simbolizando a auto-castração de seu amante. “

A mãe de todos os deuses: a cibele frígia

Deusa dos mistérios reprodutivos extáticos e ctônicos, Cibele era a principal deusa-mãe da antiga Anatólia e a única deusa conhecida da Frígia até agora. Ela era uma “Senhora dos Animais”, “Grande Mãe” e “Mãe da Montanha” e parece que Cibele foi adotada pelos gregos na Ásia Menor (atual Turquia), e depois adaptada à medida que ela se expandiu para a Grécia continental , seguido por Roma.

Na Frígia, não há registros sobre seu culto e adoração, embora existam inúmeras estátuas de mulheres com excesso de peso e sentadas que os arqueólogos acreditam representar Cybele. Muitas vezes ela também é retratada dando à luz, indicativa de seu status de Deusa Mãe.

Estatueta de uma Deusa Mãe sentada, ladeada por duas leoas encontradas em Çatalhöyük

Estatueta de uma Deusa Mãe sentada, ladeada por duas leoas encontradas em Çatalhöyük (cerca de 6000-5500 aC), Museu das Civilizações da Anatólia, em Ancara. ( CC BY SA 2.5 ) Muitos dizem que esta é uma das primeiras representações de Cibele.

Mãe da montanha

Evidência frígia para Cybele é composta de dados arqueológicos na forma de gravuras rupestres e provas escavadas de seu principal local de culto em Pessinus na moderna província de Eskişehir, na Turquia. Um tal entalhe acreditado para referir Cybele chama-lhe a “mãe da montanha”, um nome que revela suas verdadeiras origens da Anatólia, como deusas na Anatólia foram frequentemente associadas com montanhas específicas. Mais tarde, os gregos e romanos mantiveram melhor documentação de seu culto, embora muito dela ainda permaneça um mistério.

A estátua de pedra erodida de "Mãe dos Deuses" (ver texto) no Monte Sipylus.

A estátua de pedra erodida de “Mãe dos Deuses” (ver texto) no Monte Sipylus. ( Domínio Público )

Cibele tem componentes de várias deusas-mães na Grécia antiga: Gaia, Rhea e Deméter, cada uma notável em seus próprios aspectos. Gaia é a antiga deusa mãe grega, responsável pelo nascimento dos deuses e vários aspectos do cosmos com Urano. Rhea desempenha um papel semelhante no universo como a mãe dos atletas olímpicos com raízes antigas nas tradições minóica e micênica. E Deméter é a deusa mãe entre os olimpianos, que é diretamente responsável pela mudança das estações e, portanto, pela fertilidade da Terra.

Seu consorte é o pastor frígio chamado Attis, e seu relacionamento foi reconhecido na Grécia e Roma antigas, embora haja provavelmente raízes frígias em seu caráter também. Acredita-se que Attis seja seu companheiro mais novo, muitas vezes considerado uma divindade, embora sob a deusa. É altamente debatido se Attis chegou com Cibele ou depois dela, seguido pelos seguidores gregos e romanos posteriores.

Durante o Império Romano, o mito circulou que Attis castrou um rei e foi assim castrado por sua vez, e deixado para morrer debaixo de um pinheiro. Seus seguidores o enterraram e depois se castraram em sua honra. Esses seguidores desenvolveram o culto de sacerdotes de Cibele, chamado de Galli.

Roman Imperial Attis usando um boné frígio e realizando uma dança de culto.

Roman Imperial Attis usando um boné frígio e realizando uma dança de culto.

A natureza exata de Attis é tão questionável quanto seu status em relação a Cibele. De acordo com o estudioso Roller, “Attis” era um nome bastante comum na Anatólia e associado a atividades sacerdotais. Portanto, também é provável que Attis tenha obtido status divino apenas entre os gregos, e que ele fosse um mero pastor na religião da Anatólia. Também é possível que Attis não seja um consorte de Cybele, mas seu assistente ou um mendicante (como sugerido por seu nome e status inferior).

Cibele e Attis (sentados à direita, com o gorro frígio e o vira-latas de pastor) em uma carruagem puxada por quatro leões, cercada por Corybantes (detalhe da placa de Parabiago).

Cibele e Attis (sentados à direita, com o gorro frígio e o vira-latas de pastor) em uma carruagem puxada por quatro leões, cercados por danças Corybantes (detalhe da placa de Parabiago.)

Magna Mater

Cibele entronizada, com leão, cornucópia e coroa mural. Mármore romano.A contraparte romana de Cibele era mais freqüentemente referida como Magna Mater, ou “A Grande Mãe”. Roma adotou Cibele durante a Segunda Guerra Púnica, provavelmente influenciada pelas péssimas condições que a guerra deveria ter sobre Roma. Foi a conselho do oráculo sibilino que Roma reconheceu oficialmente Cibele como uma de suas deusas estrangeiras. Quando os romanos empilharam Cartago, a República, evidentemente, viu sua adoção como um movimento muito bom.

Cibele entronizada, com leão, cornucópia e coroa mural. Mármore romano. 

Por que ela é importante : Então esta, do começo ao fim, é um indicador de um retorno aos velhos hábitos. Onde quer que você tenha um grupo tentando impor sua visão sobre o mundo e trazer outros para seus sistemas de crenças, você tem os adeptos do velho deus que externamente professam ser dos novos caminhos, mas em particular se ater ao que sempre fizeram. A mãe é paciente, lembra ela. Ela vai durar mais que tudo, e ela abraça o tempo, como está do lado dela. Há uma selvageria para ela e ela é indomável. Eu desafio um homem a tentar. O feminino puro e não acorrentado está à vista com Cybele. Ela é um ponto poderoso no gráfico, como um cruzamento entre Lilith e Ceres. Ela é a energia primordial da mulher e, portanto, de toda a criação. Ela é o caos, e ela não ficará mais em silêncio.

> Metis (9) -ok

orbita o Sol entre Marte e Júpiter, dentro do cinturão de asteróides.

Metis ( designação do planeta menor : 9 Metis ) é um dos asteróides maiores da cintura principal . É composto de silicatos e níquel – ferro metálico , e pode ser o remanescente do núcleo de um grande asteróide que foi destruído por uma colisão antiga. [7] Estima-se que Metis contenha pouco menos de meio por cento da massa total do cinturão de asteróides. [8]

Descoberta e nomeação 

Os primeiros 10 asteróides perfilados contra a Lua da Terra . 9 Metis é o segundo da direita.

Metis foi descoberto por Andrew Graham em 25 de abril de 1848, no Observatório Markree, na Irlanda; foi sua única descoberta de asteróide. [9] Também foi o único asteróide a ser descoberto como resultado de observações da Irlanda até 7 de outubro de 2008, quando, 160 anos depois, Dave McDonald, do observatório J65, descobriu (281507) 2008 TM 9 . [10] Seu nome vem da mitológica Metis , uma titã e oceânica , filha de Tethys e Oceanus . [11] O nome Thetis também foi considerado e rejeitado (passaria mais tarde a17 Thetis ).

 

Metis, filha de Oceanus e Tethys, é mais velha que Zeus.

A partir de 2017, nem o Asteroid curva de luz Data Base nem Johnston  arquivo s considerar Cybele ser um asteróide binário .[8] [26]

Esta deusa antiga combina a Sabedoria de Aquário com a astúcia e sutileza de Peixes. Esta senhora dá um soco onde quer que esteja, é uma das deusas primordiais que não podem ser ignoradas. Deusa da astúcia sabedoria

“Zeus estava com Metis, mas imediatamente temeu as consequências. Foi profetizado que Metis teria filhos extremamente poderosos: o primeiro, Athena e o segundo, um filho mais poderoso que o próprio Zeus, que acabaria por derrubar Zeus. ”

Segundo a lenda, Zeus convenceu Metis a se transformar em uma mosca e a engoliu; ela então criou um útero dentro da cabeça dele para sua filha Athena. Cheio de dores agonizantes, Zeus fez Hefesto abrir a cabeça com um machado, dando à luz Athena.

Metis no mapa natal nos conecta à sabedoria espiritual de nossos pais divinos, dando-nos entendimento do propósito dos eventos da vida de uma perspectiva espiritual. Metis representa a oração da serenidade, ela nos dá a sabedoria de saber a diferença entre o que pode ser mudado e o entendimento para enfrentar o que não pode ser mudado.

> Temis (24) – ok

Themis ( THEE-məs ; designação menor do planeta : 24 Themis ) é um dos maiores asteróides do cinturão de asteróides . É também o maior membro da família Themis . Foi descoberta por Annibale de Gasparis em 5 de abril de 1853. Tem o nome de Themis , a personificação da lei natural e da ordem divina na mitologia grega .

Não deve ser confundido com 269 ​​Justitia , nomeada para Justitia , o nome romano de Themis.

Descoberta e observações 

24 Themis foi descoberta em 5 de abril de 1853 por Annibale de Gasparis, de Nápoles , embora tenha sido nomeado pelo colega astrônomo italiano Angelo Secchi . O asteróide recebeu o nome de Themis , a deusa da lei grega. [5] Perturbações gravitacionais na órbita de Themis foram usadas para calcular a massa de Júpiter já em 1875. [6]

Em 24 de dezembro de 1975, 24 Themis teve um encontro próximo com 2296 Kugultinov, com uma distância mínima de 0,016 UA (2,4 × 10 6  km). Ao analisar a perturbação da órbita de Kugultinov devido à atração gravitacional de Themis, a massa de Themis foi determinada como sendo aproximadamente2,89 × 10 -11 massas solares [7] (9,62 × 10 −6 massas terrestres). Themis é um asteróide super legal.

Órbita e rotação 

Themis está em uma órbita elíptica ao redor do Sol com uma excentricidade de 0,1306 e uma inclinação de 0,76 °. [8] Tem um período orbital de 5,54 anos. A distância entre Themis e o Sol varia de 2,71  UA no periélio e 3,55 AU no afélio , [9] com uma distância média de 3,1302 UA. [8] Themis faz parte da família de asteróides Themis , localizada na parte externa do cinturão principal.. A família consiste em um núcleo de objetos grandes cercados por uma nuvem de objetos menores; 24 Themis é um membro do núcleo. [9]

é um grande asteroide do cinturão principal, com um diâmetro de 198 km. Foi descoberto por Annibale de Gasparis em 5 de abril de 1853 e recebeu o nome de Têmis, a deusa grega da lei.[1][5] Orbita o Sol a uma distância média de 3,132 UA em 5,54 anos, com uma inclinação de 0,7591° e uma excentricidade de 0,1298.[1] É o maior e principal membro da família Themis, que se situa na parte externa do cinturão de asteroides. Themis é membro da parte central dessa família.[2]

Em 7 de outubro de 2009, a presença de gelo de água na superfície de Themis foi confirmada pelo Infrared Telescope Facility da NASA. A superfície do asteroide parece ser completamente coberta por gelo. Como esta camada de gelo está sublimada, o gelo deve estar sendo reposto de alguma forma. Compostos orgânicos também foram detectados.[6][7]

Themis

na mitologia grega, era uma titânide, filha de Urano e de Gaia,[1]. Era a deusa-guardiã dos juramentos dos homens e da lei, sendo costumeiro invocá-la nos julgamentos perante os magistrados. Por isso, foi por vezes tida como deusa da justiça, título atribuído na realidade a Dice cuja equivalente romana é a deusa Justiça.

Têmis empunha a balança, com que equilibra a razão com o julgamento, e/ou uma cornucópia; mas não é representada segurando uma espada. Seu nome significa “aquela que é posta, colocada”.

Gaia havia sido gerada do Caos, e Urano foi gerado de Gaia.[2] Com Urano, Gaia gerou os 12 titãs: Oceano, Ceos, Crio, Hiperião, Jápeto, Teia, Reia, Têmis, Mnemosine, a coroada de ouro Febe e a amada Tétis; por fim nasceu Cronos, o mais novo e mais terrível dos seus filhos, que odiava a luxúria do seu pai.[1]

Quando ainda criança, foi entregue por Gaia aos cuidados de Nix, que acabara de gerar Nêmesis. O objetivo de Gaia, era proteger Têmis do enlouquecimento de Urano. Porém Nix estava cansada, pois gerara incessantemente seus filhos. Então Nix entrega sua filha Nêmesis, e a sobrinha Têmis aos cuidados de suas mais velhas filhas, as moiras (Cloto, Laquésis e Átropos).

As Moiras criam as duas deusas infantes e lhes ensinam tudo sobre a ordem cósmica e natural das coisas; e a importância de zelar pelo equilíbrio. As Moiras são as deusas do destino, tanto dos homens, quanto dos deuses e suas decisões não podem ser transgredidas por ninguém. Desta criação, vimos a origem das semelhanças das duas lindas e poderosas deusas criadas como irmãs: Têmis, a deusa da justiça, e Nêmesis, a deusa da retribuição.

Há uma versão errada, segundo a qual as Moiras seriam filhas de Têmis. O que pode ter gerado tal equívoco possivelmente foi confundi-las com as horas (ciclos presentes na natureza, estações, clima, vegetação, etc), que também agem nas energias cíclicas da natureza, assim como as Moiras (ciclos vitais da vida, nascer, crescer, etc). Têmis, na mitologia grega, é a deusa dos juramentos, mãe de Dice, deusa da justiça, a protetora dos oprimidos.

A primeira esposa de Zeus foi Métis que, depois de colocá-la em seu ventre,[3] Zeus casou-se com Têmis.[4] Zeus era filho de Cronos e Reia,[5] irmãos de Têmis.[1]

Sentava-se ao lado de seu trono, pois era sua conselheira. Considerada para a mitologia a personificação da ordem e do direito divinos, ratificados pelo costume e pela lei.

Zeus e Têmis foram os pais das horas, de Eunômia, Dice, Irene; numa versão considerada errônea, são a eles atribuídas também as três moiras (Cloto, Láquesis e Átropos), consideradas normalmente como anteriores a Têmis.[4])

Oráculos

Têmis não representa a matéria em si, como sua mãe Gaia, mas uma qualidade da terra, ou seja, sua estabilidade, solidez e imobilidade. Ela é uma deusa que falava com os homens através dos oráculos. O mais famoso de todos os templos oraculares da Grécia Antiga, Delfos, pertencia originalmente a Gaia, que o passou a filha Têmis. Depois disso, ele foi de Febe e só no fim foi habitado por Apolo. Há pesquisadores que afirmam, no entanto, que Têmis é o próprio princípio oracular, de modo que, em vez de ter havido quatro estágios de ocupação do oráculo de Delfos, foram só três: Gaia-Têmis, Febe-Têmis e Apolo-Têmis. Portanto, Têmis tinha máxima ligação com a questão das previsões oraculares e, no fundo, representa a boca oracular da terra, a própria voz da Terra, ou seja, Têmis é a terra falando.

Quando o titã Prometeu foi acorrentado ao Cáucaso, Têmis profetizou que ele seria libertado. Sua profecia se concretizou quando Héracles (ou Hércules na mitologia romana), salvou-o do seu castigo. Foi Têmis quem alertou Zeus que o filho de Métis seria uma ameça à seu pai.

Ajudou Deucalião e Pirra a formar a humanidade após o dilúvio enviado como castigo por Zeus, profetizando que ambos deveriam “jogar os ossos de sua mãe para trás das costas”. Pirra ficou temerosa de cometer algum sacrilégio ao profanar os ossos de sua mãe, não captando o sentido da profecia. Deucalião, porém, entendeu tratar-se de pedras os ossos da deusa-Terra, mãe de todos os seres. Assim ele atirou pedras para trás e delas surgiram homens.

Os oráculos dados por Têmis, não profetizavam só o futuro, mas eram ainda, mandamentos das leis da natureza às quais os homens deveriam obedecer. A deusa nos fala de uma ordem e de uma lei naturais que precedem as noções culturalmente condicionadas da organização e das regras derivadas das necessidades de uma sociedade.

Alguns pensadores crêem ser Têmis uma abstração das noções humanas de uma justiça de uma cultura específica, presumivelmente matrifocal. Uma visão arquetípica, sustentaria que Têmis não é o produto da organização social, mas o pressuposto para tanto. Sua existência psicológica precede-o e subjaz ao entendimento humano do que ela quer dizer ou ensinará. A visão arquetípica localizaria sua origem na natureza psíquica, no inconsciente coletivo, ao invés de localizá-la na cultura e na consciência coletiva. Ela não é secundária, e sim fundamental.

Entretanto, nos cultos à Têmis eram celebrados os “mistérios” ou “orgias”, emprestando-lhe a visão que ela era uma deusa genuína, e não uma simples personificação da ideia abstrata de legalidade. Têmis é a deusa oracular da Terra, ela defende e fala em nome da Terra, do enraizamento da humanidade em uma inabalável ordem natural.

Olimpo

Um dos atributos de Têmis é sua grande beleza, além do poder de atração de sua dignidade. Sua atratividade física é confirmada pelo mito em que Zeus a persegue com seu estilo desenfreado e, finalmente, a desposa. Em outra versão após Zeus devorar Métis grávida, as moiras levam Têmis até Zeus para se tornar a segunda esposa de Zeus, e as moiras profetizam que Zeus precisa e tem muito a aprender com Têmis, que é tão sábia quanto Métis.

Seu mais ardente adversário no Olimpo foi Ares, o deus da guerra cujo apetite por violência e sede de sangue não conhecia limites. Não porque Têmis fosse contra a guerra, mas agia com motivos de ordem ambiental, pois a guerra reduziria a população humana. Na qualidade de mãe das Horas (e pai Zeus), Têmis está também por trás da progressão ordenada do tempo na natureza. As horas representavam a ordenação natural do cosmo: inverno e depois primavera, dia depois a noite, uma hora após a outra.

Sua outra filha com Zeus, Astreia, deusa virgem protetora da humanidade e que simboliza a pureza e a inocência, também era uma deusa da justiça. Conta-se que ela deixou a Terra no fim da Idade do Ouro para não presenciar as aflições e sofrimentos da humanidade durante as idades do Bronze e do Ferro. No céu ela tornou-se a constelação de Virgem. Também a balança de Têmis, que Astreia carregava foi transformada em uma constelação, Libra.

As horas ou estações (filhas de Zeus e Têmis) são: Irene (paz), Dice (justiça) e Eunômia (disciplina); estas são as horas mais velhas e estão ligadas a legislação e ordem natural, sendo uma extensão dos atributos de Têmis. Esta última está relacionada com a representação da divindade da justiça. Têmis e Dice elucidam o lado ético do instinto, a voz miúda e calma no seio do impulso. Dice para a humanidade é a função de base institucional muito sintônica com o que chama de instinto para reflexão.

Existem mais três horas que são guardiãs da ordem natural, do ciclo anual de crescimento da vegetação e das estações climáticas anuais. (Talo, Carpo e Auxo)

Ao presidir as reuniões de cunho político do Olimpo, Têmis manifesta o teor organizacional de sua dignidade e justiça. Têmis congregava às reuniões com seriedade moral e obrigava os grandes e poderosos a ouvir, de modo consciencioso, as objeções e contribuições dos irmãos e irmãs menos proeminentes. A deusa opunha-se à dominação de um sobre muitos e apoiava a unidade mais que a multiplicidade, a totalidade mais do que a fragmentação, a integração mais do que a repressão. Nessa atividade de contenção e vinculação, Têmis revela o princípio operado pela consciência feminina: a lei do amor.

Têmis era a deusa da consciência coletiva e da ordem social, da lei espiritual divina, paz, ajuste de divergências, justiça divina, encontros sociais, juramentos, sabedoria, profecia, ordem, nascimentos, cortes e juízes. Foi também inventora das artes.

Zeus e Têmis: Têmis foi a segunda esposa de Zeus, depois de Métis e antes de Hera. É ela que temperou o poder de Zeus com muita sabedoria e com seu profundo respeito pelas leis naturais. Sendo uma titânide, suas raízes são instintivas e pré-olímpicas e estende-se à frente, para incluir uma visão cósmica das operações finais e essenciais do universo inteiro.

Além de esposa e conselheira, Têmis é também mentora de Zeus. Em um mito ela aparece como ama de leite de Zeus bebê, ensinando-o a respeitar a justiça. No casamento de Zeus e Têmis vemos duas forças, uma solar e outra lunar, trabalharem coligadas com poucos conflitos à serem observados. Zeus era o rei todo-poderoso, absoluto, um padrão arquetípico que governa a consciência coletiva, que tanto cria como mantém uma coletividade. Mas é Têmis, que movimentando-se dentro de vários outros padrões arquetípicos, desestabiliza o absolutismo e as certezas de Zeus. Ela movimentava-se em uma direção contrária, nunca deixando de incluir o máximo possível. Têmis exercia portanto, um efeito de abrandamento.

Entretanto, o casamento do dois não foi de total doce harmonia, pois embora transitasse sabedoria entre eles, os ditames de um e do outro, sempre tinham um preço muito elevado, pois nada possui solução definitiva.

Na imagem de Zeus consultando Têmis, podemos aceitar uma boa dose de troca. Zeus é quem rege e decide, enquanto Têmis assume uma atitude mais suave e dá seu toque relativizador que procede de perspectivas mais abrangentes.

> Freya (76) -ok

 >Hestia (46) – ok 

> Diana (78) – ok 

> Arthemis (105) – ok

> Circe (34) – ok

> Rhea (577)– belt

Rhea ( designação de planeta menor : 577 Rhea ) é um planeta menor que orbita o sol .

Resultado de imagem para rhea asteroid"

577 Rhea é um objeto do cinturão de asteróide principal que orbita o sol

 

> Eva (164) – ok 

> Isis (42)  –  ok –

Isis é uma deusa egípcia da magia, fertilidade e maternidade. Ela também simboliza a lealdade e devoção. O ASTEROIDE ISIS #42 (não é a estrela fixa de mesmo nome em câncer) tem um período orbital de 3 anos 299 dias e tem pouco menos de 75 km de diâmetro. O Isis é um dos asteroides mais complexos para se entender na astrologia. Sua história e arquétipo são fáceis o suficiente de compreender, é o seu significado pessoal que é mais difícil de sintetizar.

Ísis foi uma das principais deusas da vida egípcia. Ela foi adorada por muito tempo e venerada pelos seus poderes e maravilha. Filha de geb, o Deus da terra e noz, a deusa da noite, ela era uma feeler profunda. Irmã e esposa de Osíris, ela sofreu o trauma do assassinato dele nas mãos de seu irmão, set. Incapaz de aceitar esta perda, ela começou a recuperar as 14 partes desmembrado e espalhadas de seu marido e começou a tecer um feitiço de magia sexual poderosa para ressuscitar-lo. No entanto, Ísis foi incapaz de recuperar o falo de seu marido, mas com a ajuda encontrou-o finalmente e foi capaz de ressuscitar seu marido para formados o ato de amor fazendo onde ela concebeu seu filho, Hórus. Por falar em ficar ao lado do seu homem. Isis era a lealdade personificada

O Isis teve um grande papel na adoração e crença egípcia. Ela era uma das deusas mais reverenciado e foi procurado por orientação por um grande público. Governante dos mortos e do submundo, ela era conhecida como a deusa original da lua. A matéria negra está fortemente associada a ela, já que ela era a força que permeada toda a criação e carregava essa informação universal que todos sentimos mas raramente pensamos através de cada célula. Ela era a invisível, mas toda poderosa.

Kundalini Energy é uma grande parte desta maquiagem de deusas. Kundalini é uma força feminina, ela alcança a partir do chakra raiz e avança para cima à medida que aprendemos e crescemos no entendimento espiritual e nos tornamos iluminados. Esta energia continua a subir através de cada chakra até chegar ao chakra da coroa, e nisto está a verdadeira iluminação. A auto aceitação é uma parte necessária deste processo. A realização de uma só medida cria o ambiente adequado ao espírito. O contacto próximo com o espírito é a iluminação. Estar em um com si mesmo implica fundir o eu sombra com o eu conscientemente aceito. Na verdade, ajuntar-se de novo. Isis estava desesperada para reunir seu marido para que ela pudesse revisitar-lo e criar algo bonito. Ela estava em paz na sua decisão e feliz com o seu filho. Juntar-nos a nós mesmos em um ato de auto aceitação e amor próprio é uma grande parte deste conto. Lealdade e devoção, unificar outro e a nós mesmos é realmente o verdadeiro significado de Isis. Fé, coragem e compromisso com outro, nós mesmos ou uma questão é
Também mostrado por Isis. Isis no gráfico de nascimento é muito sobre um eu mesmo, apesar de o mito ser essencialmente sobre o outro. Como a gente lida com o nosso sentimento por outro é visto pela colocação do Isis. Como nós auxiliar os outros e mostrar a nossa fé e compromisso é visto por aspectos e colocação da casa deste asteróide. Como podemos juntar as nossas próprias partes fragmentadas e ajudar os outros a fazê-lo é visto. Onde estamos quebrados, como podemos nos refazer em algo melhor. Como podemos dar uma nova vida a um projeto ou pessoa. Encontrando a totalidade através da união amorosa com outro. Alguns negativos associados a este asteróide são a obsessão, a co-dependência, a incapacidade de deixar ir, tornando-se fanático por outro. Em Synastry, o Isis mostra compromisso e devoção, fé e esperanças. Onde vamos lutar pelo outro, onde a magia do sexo se encontra entre vocês. Os contactos do Isis com a lua e os asteróides karma, kaali e osiris são muito poderosos. Os contatos do Isis em synastry têm uma sensação sexual distinta.

> Proserpina (26) – ok

> Amphitrite (29) -ok

> Minerva (93) – ok

> Hera (103) – ok

> Hekate (100) – ok

> Frigga (77) – ok

> Persefone (399) belt –

é um asteróide do cinturão principal descoberto por Max Wolf em 23 de fevereiro de 1895. Perséfone leva cerca de cinco anos para orbitar o Sol, gastando de 3 a 4 meses em cada signo, dependente de órbita e retrógrada.

MITOLOGIA

Na Grécia antiga,  a mitologia de Perséfone  é uma história bem conhecida. Ela estava colhendo flores, Hades se levantou do submundo, a pegou e a levou para casa. Sua mãe Deméter então percorreu a Terra em busca dela. As plantações pereceram, o clima estremeceu e foi só em seu retorno que o mundo natural começou a prosperar mais uma vez.

Em seu retorno ao mundo terrestre, Hades levou Perséfone a comer sementes de romã, que a amarraram ao submundo por seis meses do ano. Na versão grega desse mito, Perséfone não estava totalmente fora de controle de seu domínio. Eventualmente, houve amor compartilhado com seu parceiro Hades e, dentre os numerosos contos de infidelidade, esses dois estavam bastante comprometidos um com o outro. Exceto por aquela vez, onde Hades gostava de Minthe, então Perséfone a transformou, sim, na planta Mint! Além disso, existem numerosos retratos de que ela gosta de seu papel como a Rainha dos Mortos. Como sua mãe, no culto, ela era classificada como uma deusa da natureza, mas não do mundo terrestre.

Perséfone guardou os segredos da vida após a morte e ouviu as histórias do falecido. Ela era conhecida como a Rainha de Ferro e há apenas uma história documentada de que qualquer um dos pedidos falecidos resultou em um retorno ao mundo terrestre. Isso estava relacionado a Orfeu e sua bela música, que era tão triste que ela cedeu e permitiu que sua esposa Eurydice fosse libertada do submundo.

ASTROLOGIA

Para localizar o asteróide 399 Perséfone no seu mapa natal, vá para astro.com e digite o número 399 no campo de objetos adicionais. Mantenha seus aspectos principais – conjunção, quadrado, oposição e suas esferas, em um grau.

Em seu mapa natal, o asteróide Perséfone indica uma atração natural pela síndrome do ‘menino mau / menina má’. Aqui, há uma tendência para o lado sombrio da natureza figurar com destaque nas atrações, especialmente romanticamente. As relações de amor são disputadas com soluços, desde o envolvimento dos pais até um compromisso amoroso unilateral. Também se pode afirmar que Perséfone no mapa natal indica um compromisso de relacionamento que se afasta muito das expectativas familiares e culturais.

Há conflito indicado até que o entendimento e a aceitação sejam alcançados. Mesmo que não seja alcançado, o indivíduo Perséfone seguirá sua atração além dos conselhos e opiniões que são dados no início. Existe o elemento de engano e trapaça dentro da conexão em algum nível, e é aí que o indivíduo Perséfone deve passar para outros aspectos de sua influência quando continua a trazer amantes negativos para a equação.

No entanto, nem tudo é triste e sombrio para o indivíduo e o romance de Perséfone, longe disso. O amor verdadeiro É encontrado, um amor profundo e comprometido, mas somente onde as preocupações e atitudes maiores sobre a vida são compartilhadas. Em certo sentido, o amor formado com o indivíduo Perséfone é um amor sombrio, onde há elementos de perigo / temperamento / possessividade ligados a ele, mas é uma união real e crua. Essa não é uma conexão leve e fofa, e que poucas pessoas do lado de fora realmente entenderiam.

Como a Rainha dos Mortos, os aspectos de Perséfone indicam maior capacidade intuitiva, possivelmente até meio navio até certo ponto. O indivíduo Perséfone pode se sentir atraído por uma expressão sombria das “artes” e se sentirá naturalmente familiarizado com o mundo da reencarnação, as possibilidades cármicas e todas as facetas da vida após a morte.

No nível social, aqueles com aspectos de Perséfone experimentariam momentos de alta atividade social em suas vidas e momentos de isolamento social. Pode haver casos em que o indivíduo Perséfone enfrenta formas duras de expulsão social, geralmente nas mãos de brincadeiras enganosas de outros. Em geral, porém, o balanço interativo entre social e isolamento é por escolha. O indivíduo Perséfone está comprometido com sua conexão amorosa e encontra mais consolo no final, uma a uma interação que eles compartilham com seu cônjuge, em vez de preencher seu calendário social.

Em relação à materna, há separação e perda. O indivíduo Perséfone se desconecta do maternal, por qualquer motivo, em tenra idade e substitui esse vazio por suas conexões de amor. Essa influência se transfere facilmente, com maturidade, para um foco direcionado ao reino espiritual, que é uma progressão natural com esse posicionamento.

Se você se aprofundar na mitologia de Perséfone, verá que há muito mais na influência dela do que mera matéria superficial. Para começar, existe o nome dela e talvez o desejo individual, talvez mal-entendido, sobre sua influência tenha sido confuso. Este artigo inteiro é uma leitura obrigatória, onde os conceitos básicos da linguagem acrescentam uma nova profundidade à sua possibilidade.

Em trânsito , Perséfone indica um momento de atrações difíceis e uma desconexão do papel materno / materno. os relacionamentos assumem um tom possessivo ou existe um forte desejo de solidão social. Também é indicado um fluxo intuitivo elevado e a possibilidade de alguma forma de momento ‘cármico’ ser trazida à vanguarda para avaliação e fechamento. Pode-se também afirmar que conhecer pessoas ou enfrentar novas oportunidades com um trânsito de Perséfone tem a sensação de estar “varrida” anexada a ele. A chave é sintonizar a vibe da intenção e ver se é algo com o qual você está preparado para trabalhar a longo prazo. Também seria sensato considerar informações de trânsito relevantes de Hades e Demeter.

> Demeter (1108)- ok

> Medusa – (149) – ok – 

> Lilith (1181) – ok

> Gaea (asteróide 1184) – ok

> Astarte (672) – ok –

Astarte é a versão helenizada de Ishtar (7088), a divindade suméria da fertilidade, amor, beleza e guerra. Tanto Astarte quanto Ishtar são comparados a Vênus, pois ambos eram divindades baseadas na aparência do planeta Vênus no céu.

Em um gráfico, tanto Astarte quanto Ishtar funcionam de maneira semelhante a Vênus, no entanto, é importante notar que Astarte / Ishtar também é sobre WAR, então quando eu encontrei isso fortemente colocado em um gráfico, os indivíduos podem ser um pouco Lillith. tipo de vibe, ou um tema de criação / destruição de Kali Ma.

> 343 Ostara – belt

> 453 Tea – belt –

> 450 Brigitta – belt

> 251 Sophia- ok

> 168 Sibylla – ok

> Walkure (asteroide 877) – ok

> 580 Selene – ok – Deusa da Lua, Luna

> 638 Moira – ok

> 16 Psique – ok

> 1388 Afrodite – ok –

Afrodite era a deusa grega do amor, da beleza, do prazer e da procriação. Vênus é o equivalente romano. De vez em quando encontro alguém que tem uma Vênus seriamente perturbada, mas eles têm um ótimo casamento, conta bancária gorda e boa aparência. O que da? Afrodite, meus amigos. Pode ser bom checar novamente seu asteróide Afrodite contra Vênus, sendo que eles são uma e a mesma divindade.  Afrodite domina muitos domínios semelhantes como Vênus: sexo, amor, beleza, romance, conexão, amizades, feminilidade, beleza, lar, arte, bens.

> 3497 Innanen – ok

Inanna é a mais antiga da deusa do amor da região mesopotâmica. Ela é uma deusa suméria do amor e da guerra. Seu nome significa “Senhora do Céu” e seus significados incluem amor, beleza, sexo, fertilidade e guerra. Inanna era conhecida por ser cortante, exigente, caprichosa e até mesmo tratando seus amantes muito mal. Em sua jornada infame para o submundo, ela escolhe seu marido Dumuzi como seu substituto no inferno para que ela possa retornar ao mundo dos vivos. Ao contrário de uma divindade feminina mais amaciada como Vênus, Inanna é intensa e fogosa.

Em um gráfico, Innanen pode mostrar relacionamentos intensos, mulheres de mente forte e ‘jornadas para o submundo’.

> Astarte (672) – ok –

Ashtart ou Astarte é uma deusa semítica do amor sexual, maternidade e fertilidade. Ela também é uma deusa da guerra e está associada a leopardos ou leões. ok

> Freia (76)– ok  –

Freya é a deusa nórdica do amor, beleza, fertilidade, guerra, riqueza, adivinhação e magia.

> Parvati (2847)

> Kaali (4227)

> Tara (5863)

> Aditi (4401)

> Samadhi (12472)

> Vibhuti (25290)

Tétis (17)

Na mitologia grega, Tétis, fila de Úrano e Gaia era uma titânide arcaica e uma deusa aquática marinha, invocada muitas vezes na poesia grega clássica, mas sem culto.

Personificava o mar e a fertilidade das águas.

Mitologia

Tétis era tanto irmã quanto esposa de Oceano. Tétis e Oceano aparecem como um par em Calímaco (hino 4.17) e em Apolónio (Argonauta 3.244). Em Catulo 88, nem mesmo Tétis e Oceano conseguem “lavar “as manchas de incesto” de Gelli. S.J. Harrison aponta a alusão irónica de Catulo, do casal irmão neste contexto. Tétis era a mãe dos principais rios do mundo conhecido pelos gregos, como o Nili, o Alfeu, o Meandro, e de  de três mil filhas, as Oceanides, assim como de três mil rios, como filhos.
É considerada como uma encarnação das águas do mundo, também pode ser vista como uma contraparte de Talassa, a personificação do mar.

Origem

Embora os vestígios sejam indicadores de que tenha tido um forte papel nos tempos antigos, Tétis não tem praticamente nenhuma presença nos textos literários gregos, ou registos históricos de culto. Walter Burket afirma que “Tétis não é de forma alguma uma figura ativa na mitologia grega”, mas nota a presença da divindade aquática no episódio da Iliada XIV, chamado “o Engano de Zeus”, onde Hera, para enganar Zeus, diz que quer ir a Oceano “a origem dos deuses” e Tétis “a mãe”. Burket vê no nome uma transformação do acadiano Tiamtu ou Tâmtu, “o mar”, que é reconhecido em Tiamat.
Como alternativa, o nome pode simplesmente derivar do grego antigo têthe, que significa “mulher velha”, “avó”, sendo que, muitas vezes, é mostrada como um ser extremamente antigo.

Outros mitos relacionados com Tétis

Durante a guerra contra os titâs, Tétis criou e educou Hera como sua enteada. Hera foi levada por Reia a Tétis, mas não existem registos de cultos ativos em tempos históricos. Como reconhecimento pelos cuidados que Tétis lhe deu, Hera reconciliou a titanide com Oceano quando o casal se desentendeu.
Um mito em que é indicado o poder de Tétis, é o que relata que a proeminente deusa do Olimpo, Hera, não estando satisfeita com as posições de Calisto e Arcas no céu, como as constelações da Ursa Maior e Ursa Menor, pediu ajuda a Tétis. Esta, uma deusa marinha, fez com que as constelações circulassem no céu para sempre e nunca descessem abaixo do horizonte.
Passeia pelo mundo numa concha de marfim, puxada por cavalos brancos.
O nome Tétis é o mesmo, em português, que sua neta, a nereida Tétis, filha de Dóris (uma das oceânides) e mãe de Aquiles; porém em grego os nomes são diferentes: a titânide se escreve Τηθύς (tethys) e a nereida Θέτις (thetis).

#  Asteroides que não pertence ao cinturão

> 3199 Nefertiti –  perto da terra –  nao eh do cinturao

> 2340 Hathor – Hathor é uma antiga deusa egípcia que personificava os princípios da alegria, do amor feminino e da maternidade. Nao e do cinturao.

Primeiramente, vale ressaltar que os Deuses do Antigo Egito possuem três formas de serem representados, sendo uma totalmente na forma animal, no caso de Hathor, uma vaca com um disco solar sobre os chifres, sob a forma humana, sendo ela uma mulher jovem com um disco solar também e no ultimo e mais comum sendo o corpo de uma jovem mulher e a cabeça de uma vaca.

A deusa Hathor, que em egípcio antigo significa “Recinto” ou “Casa de Hórus”, seria uma das que tinha o culto mais difundido e popular, tanto entre os nobres quanto as classes mais baixas. Personificava o os princípios do amor, beleza, música, maternidade, fecundidade feminina e alegria. Era conhecida por auxiliar as mulheres durante o parto, assim como era padroeira de terras estrangeiras, música e dança. Seu ritual é tão antigo que não se pode determinar uma data exata do começo, mass suas representações mais exatas datam da Quarta Dinastia. Também conhecida como Deusa Celestial, onde o Deus Sol Horus faria sua morada. Ela possuía um Menat (Colar que simbolizava a alegria) e era associada as pedras preciosas, muitos espelhos de ouro eram entalhados com imagens da deusa.

Além dessas atribuições, tinha certa ligação com ritos fúnebres. Diziam que os mortos eram condenados por Osiris, e tinha ou o coração devorado por Amitt (Criatura que devorava o coração dos condenados) ou para a vida eterna, então os mortos se tornavam parte de Osíris, posteriormente os do sexo feminino ficaram como parte de Hathor e os masculinos como Osíris.
Essa Deusa era sempre associada com Rá (O Deus criador, Primeiro Deus Faraó), no começo eravista como seu “olho” (Uma especie de serva ou guerreira que atendia por seu nome), nesse relato ela teria tido outro forma, a da Deusa Sekhmet (A deusa Leoa), que ficara louco por matar a todos e o Deus Rá a enganou fazendo com que tomasse uma lagoa de cerveja com coloração vermelha dizendo que era sangue de inimigos, embriagada e derrotada, assumiu a forma de Hathor. Outros dizem que Rá avisou a Deusa, que planejavam assassina-la o que despertou sua fúria, se transformando na Leoa, e o fim era o mesmo em ser embriaga e voltar a forma de Vaca.
Após Horus assumir o trono dos Deuses, os mitos relatam que ela teria sido a mãe do Deus Falcão, que era também associado como uma das formas de Rá, então ela ficava representada hora com mãe, ora como filha de Rá/Horus. Esse relato está no livro: “O Livro da Vaca Celestial”.
Devido a extrema confusão que se fazia sobre sua relação com Rá. fizeram com que ele tivesse outra esposa, e Hathor seria sua mãe, casada com Thot (O deus do conhecimento). Sua forma terrena era conhecida como Hesat (“Leite” ou “Vaca Leiteira”), diziam que o leite era a cerveja de Hesat, conhecida como a ama de leite dos Deuses.

> 7088 Ishtar  – perto da terra nao cinturao – Ishtar é a deusa assíria e babilônica do amor, procriação e guerra.

> 5381 Sekhmet – terra e sol, fora do cinturao

# Estrelas e Constelações:

> Pleiades – Alcione (Touro) – 

> Algol (Perseus) –

> Tres Marias (de orion) – Estrelas Mintaka, Alnilan e Alnitak.

> Sirius – estrela binaria

> Cruzeiro do Sul – Acrux –

> Ursa Maior –

> Alnasl – gamasagitario/centro galactico – “cabeça de seta”

 

 # TNO – Objetos Trans-netunianos – Alguns considerados planetas anões

> Haumea –

Planeta Anão trans-Neptuniano.


Haumea
Haumea spacepedia
Nome do planeta anão 136108 Haumea
Número de satélites 2
Descoberto por Mike Brown
Posição no Sistema Solar Localizado no cinturão de Kuiper
Artistas-impressão-do-anão-planeta-haumea

Cor Haumea.

Haumea (ou 917563838) é um planeta anão. É conhecida por sua forma estranha, porque gira tão rápido em seu eixo que se achata em uma forma elipsóide. Foi descoberto em 28 de dezembro de 2004. Possui duas luas conhecidas como Hi’iaka e Namaka .

Haumea é uma divindade primitiva do Havaí, deusa do nascimento e da fertilidade. Geralmente é identificada com Papa, uma antiga deusa mãe. Haumea pôde renascer constantemente, pelo que teve muitos filhos com seus próprios rebentos e descendentes. Também estava

relacionada com os frutais sagrados, que produziam frutas segundo a sua vontade. E com sua varinha mágica ela povoava as águas que rodeiam as ilhas havaianas com grandes cardumes de peixes.

Deusa havaiana dos nascimentos e da fertilidade e poderosa feiticeira, Haumea se renovava nascendo e renascendo constantemente. Era tão habilidosa com partos, que seus filhos nasciam de várias partes de seu corpo. Foi mãe de Pele, Kapo e Namaka, entre outras divindades. Acredita-se que Haumea ensinou à humanidade o parto natural, pois antes eram realizadas formas primitivas de cesárea que matavam a maioria das mulheres.

Dizia-se que tinha um pomar com várias árvores que davam diferentes criaturas, como porcos e peixes, além de frutas. Sempre gentil e calma, costumava utilizar sua varinha mágica para povoar as águas com cardumes de peixes.

Representada pelo elemento “pedra”, é relacionada com Papa, antiga deusa Mãe-Terra, podendo ser uma versão dela. É também o nome de um planeta-anão de nosso sistema solar.

A descoberta de Haumea foi anunciada em meados de 2005, e o objecto foi inicialmente nomeado com a designação temporária de 2003 EL61. É um objecto bizarro com uma forma de charuto inchado. O seu diâmetro é aproximadamente o mesmo que o do planeta anão Plutão; no entanto, a sua estranha forma implica que é muito mais fino. Sabe-se também que roda muito depressa, completando uma volta em torno de si próprio a cada 4 horas. Há até quem tenha sugerido que esta rápida rotação possa ser a razão por que Haumea veio a ser como é – o plutóide foi alongado pelo seu movimento de rotação.

Haumea situa-se entre os objectos trans-Neptunianos, um vasto anel distante de corpos rochosos e gelados no Sistema Solar exterior. Neste momento encontra-se a aproximadamente 50 vezes a distância entre a Terra e o Sol, mas no periélio (a sua distância mais próxima do Sol) a órbita elíptica de Haumea transporta-o até cerca de 35 UA.

Haumea é o nome da deusa do nascimento e da fertilidade na mitologia Hawaiiana. O nome é particulamente apto, pois a deusa Haumea também representa o elemento pedra e observações deste plutóide apontam para que, invulgarmente, o planeta anão seja composto quase na sua totalidade por rocha com uma crosta de gelo puro.

A mitologia Hawaiiana diz que os filhos da deusa Haumea nasceram de diferentes partes do seu corpo. O planeta anão Haumea tem uma história semelhante, pois encontra-se rodeado na sua órbita por dois satélites que se pensa terem sido criados por impactos no seu passado. Durante estes impactos, partes da superfície gelada de Haumea foram libertadas. Os detritos destes impactos pensam-se então que tenham formado as duas luas.

Depois da sua descoberta, em 2005, as luas também ganharam designações temporárias, mas agora já têm nomes dados pelos dois grupos de trabalho da União Astronómica Internacional. A primeira e maior lua será chamada Hi’iaka, a deusa Hawaiiana que se diz ter nascido da boca de Haumea e a deusa protectora da ilha de Hawai’i. A segunda lua de Haumea tem o nome de Namaka, um espírito de água que se diz ter nascido do corpo da Haumea.

> Eris – 

Planeta anão trans-Neptuniano

Deusa do conflito e da discórdia
Eris Antikensammlung Berlin F1775.jpg

Eris em uma placa do sótão, ca. 575-525 aC
Símbolo Maçã Dourada da Discórdia
Informação pessoal
Crianças Dysnomia , comeu , Lethe , Limos , Algos , Hysminai , Makhai , fonos , Androktasiai , neikea , Pseudea, Logos, anfilogias , Horkos
Pais Nyx (sozinho) ou com Erebus , ou Zeus e Hera
Irmãos Aeacus , Angelos , Afrodite , Apolo , Ares , Ártemis , Atena , Dionísio , Eileithyia , Enyo , Ersa , Hebe , Helena de Troia , Heracles , Hermes , Hermes , Minos , Pandia , Perséfone , Perseu , Perseu , Rhadamanthus , As Graças , as Horae , os Litae as musas , asMoirai , ou Thanatos , Hypnos , os Keres , Hemera , Éter , Moros , Apate , Fúrias , Oneiroi , Nêmesis , Geras , Eleos , Filotes , Oizys , Momus .
Equivalente romano Discordia

Eris ( ɪər ɪ s , ɛr ɪ s / ; grega : Ἔρις , “Strife”) é o grego deusa da luta e discórdia. Seu equivalente romano é Discordia , que significa “discórdia”. O oposto grego de Eris é Harmonia , cujo equivalente romano é Concordia . [1] Homer a equiparou à deusa da guerra Enyo , cujo equivalente romano é Bellona . O planeta anão Eris tem o nome da deusa.Ela não tinha templos na Grécia antiga (Concordia tinha um em Roma) e funciona essencialmente como uma personificação , como aparece em Homero e em muitos trabalhos posteriores.

Etimologia

Eris é de etimologia incerta; conexões com o verbo ὀρίνειν orinein , “para elevar, agitar, excitar”, e o nome próprio Ἐρινύες Erínias foram sugeridas. O RSP Beekes rejeita essas derivações e sugere uma origem pré-grega . [2]

Características na mitologia grega 

El Juicio de Paris por Enrique Simonet , 1904

Maçã dourada da discórdia de Jakob Jordaens , 1633

Das Urteil des Paris, de Anton Raphael Mengs , c. 1757

Em Hesíodo ‘s trabalhos e os dias 11-24, duas deusas diferentes nomeado Eris destacam-se:

Então, afinal, não havia um tipo de conflito sozinho, mas em todo o mundo existem dois. Quanto ao primeiro, um homem a louvaria quando chegasse a entendê-la; mas o outro é culpável: e eles são totalmente diferentes na natureza. Pois alguém promove guerra e batalha más, sendo cruel: ela ninguém ama; mas, forçosamente, pela vontade dos deuses imortais, os homens pagam a Strife por sua honra.

Mas a outra é a filha mais velha da noite escura ( Nyx ), e o filho de Cronus [ie Zeus ], que se senta acima e mora no éter, coloque-a nas raízes da terra: e ela é muito mais gentil com os homens. Ela desperta até os que não têm a quem trabalhar; pois um homem fica ansioso para trabalhar quando considera seu vizinho, um homem rico que se apressa em arar, plantar e arrumar sua casa; e o vizinho disputa com o vizinho enquanto ele se apressa atrás da riqueza. Este conflito é saudável para os homens. E oleiro se irrita com oleiro, e artesão com artesão e mendigo tem ciúmes de mendigo e menestrel de menestrel.

Na Teogonia de Hesíodo (226-232), Strife, a filha de Nix, Night, é menos gentil quando se fala em trazer outras personificações como seus filhos:

E odiosa Eris teve dolorosa Ponos (“Dificuldade”),
Lethe (“Esquecimento”) e Limos (“Fome”) e a algea chorosa (“Dores”),
Hysminai (“batalhas”), Makhai (“guerras”), Phonoi (“assassinatos”) e Androktasiai (” manslaughters “);
Neikea (“Brigas”), Pseudea (“Mentiras”), Logoi (“Histórias”), Amphillogiai (“Disputas”)
Disnomia (“Anarquia”) e Ate (“Ruína”), próximas uma da outra,
e Horkos (“Juramento”), que mais aflige os homens na terra,
Então, a vontade faz um juramento falso. [3]

O outro Strife é, presumivelmente, ela que aparece em Homer ‘s Ilíada Livro IV; equiparou Enyo como irmã de Ares e, presumivelmente, filha de Zeus e Hera :

Conflito cuja ira é implacável, ela é irmã e companheira de Ares assassino, ela que é apenas uma coisinha a princípio, mas depois cresce até que ela caminha pela terra com a cabeça atingindo o céu. Ela então jogou a amargura igualmente entre os dois lados enquanto caminhava pelo ataque, tornando a dor dos homens mais pesada. Ela também tem um filho a quem ela chamou Strife .

Enyo é mencionado no Livro 5, e Zeus envia Strife para despertar os Acaus no Livro 11, do mesmo trabalho.

A história mais famosa de Eris relata o início da Guerra de Troia, causando o Julgamento de Paris . As deusas Hera , Atena e Afrodite foram convidadas junto com o restante do Olimpo para o casamento forçado de Peleu e Tétis , que se tornariam os pais de Aquiles , mas Eris fora desprezada por causa de suas inclinações problemáticas.

Ela, portanto, (como mencionado no Kypria de acordo com Proclus como parte de um plano elaborado por Zeus e Themis ) jogou na festa a Maçã da Discórdia , uma maçã dourada inscrita no grego antigo : τῇ καλλίστῃ , romanizada :  tē (i) kallistē (i )  – “Para o mais bonito”, ou “Para o mais justo” – provocando as deusas a começarem a brigar sobre o destinatário apropriado. A infeliz Paris , príncipe de Tróia , foi nomeada por Zeus como a mais justa . As deusas se despiram para tentar ganhar a decisão de Paris e também tentaram suborná-lo.Hera ofereceu poder político; Atena prometeu infinita sabedoria; e Afrodite o tentou com a mulher mais bonita do mundo: Helen , esposa de Menelau de Esparta . Enquanto a cultura grega colocava uma ênfase maior nas proezas e no poder, Paris escolheu atribuir a maçã a Afrodite, condenando assim sua cidade, que foi destruída na guerra que se seguiu.

Em Nonnus ‘s Dionysiaca , 2.356, quando Typhon se prepara para a batalha com Zeus:

Eris (“Strife”) foi a escolta de Typhon no corpo a corpo; Nike (“Victory”) levou Zeus à batalha.

Outra história de Eris inclui Hera, e o amor de Polytekhnos e Aedon . Eles alegaram se amar mais do que Hera e Zeus estavam apaixonados. Isso irritou Hera, então ela enviou Eris para causar discórdia sobre eles. Polytekhnos estava terminando uma prancha de carruagem e Aedon, uma teia que ela estava tecendo. Eris disse a eles: “Quem terminar sua tarefa por último terá de apresentar a outra com uma serva!” Aedon venceu. Mas Polytekhnos não ficou feliz com sua derrota, então ele foi até Khelidon, irmã de Aedon, e a estuprou. Ele então a disfarçou de escrava, apresentando-a a Aedon. Quando Aedon descobriu que realmente era sua irmã, ela cortou o filho de Polytekhnos e o alimentou com Polytekhnos. Os deuses não ficaram satisfeitos, então eles transformaram todos em pássaros.

Outro 

O clássico conto de fadas A Bela Adormecida é parcialmente inspirado pelo papel de Eris no casamento de Peleus e Thetis . Como Eris, uma fada malévola amaldiçoa uma princesa depois de não ter sido convidada para o batizado da princesa . [9] [10]

As deusas Hera, Atena e Afrodite fizeram presença, assim como o restante do Olimpo, para o casamento forçado de Peleu (Grande Rei e guerreiro) e Tétis ( A mais bela entre as nereidas, ninfas do mar), que viriam a ser os pais de Aquiles, mas Éris fora desdenhada por conta de seu temperamento problemático – a discórdia, naturalmente, não era bem-vinda ao casamento. Mesmo assim, compareceu a celebração e lançou no meio dos presentes o Pomo da Discórdia, uma maçã dourada com a inscrição καλλίστη (kallisti, ou “à mais bela”), fazendo com que as deusas discutissem entre si acerca da destinatária. O incauto Páris, um pastor de rebanhos, príncipe de Troia, foi designado por Zeus para escolher a mais bela. Cada uma das três deusas presentes imediatamente procurou suborná-lo: Hera ofereceu-lhe poder político; Atena, habilidade na batalha; e Afrodite, a atual mulher mais bela mulher do mundo, Helena, esposa de Menelau de Esparta. Páris elegeu Afrodite para receber o Pomo, condenando sua cidade, que foi destruída na guerra que se seguiu.

Eris ( designação de planeta menor 136199 Eris ) é o planeta anão mais massivo e o segundo maior (em volume) (e plutóide ) conhecido no Sistema Solar . Eris foi descoberta em janeiro de 2005 por uma equipe do Observatório de Palomar , liderada por Mike Brown , e sua descoberta foi verificada no final daquele ano. Em setembro de 2006, recebeu o nome de Eris , a deusa grega dos conflitos e discórdias. Eris é o nono objeto mais maciço que orbita diretamente o Sol , e o 16º mais maciço no geral, porque sete luas são mais massivos que os conhecidos planetas anões. É também o maior que ainda não foi visitado por uma espaçonave . Eris foi medido para ter 2.326 ± 12 quilômetros (1.445,3 ± 7,5 milhas) de diâmetro. [8] A massa de Eris é cerca de 0,27% da massa da Terra , [10] [16] cerca de 27% a mais que o planeta anão Plutão , embora Plutão seja um pouco maior em volume. [17]

Eris é um objeto trans-netuniano (TNO) e um membro de uma população de alta excentricidade conhecida como disco disperso . Tem uma lua conhecida , Disnomia . Em fevereiro de 2016 , sua distância do Sol era de 96,3 unidades astronômicas (1.441 × 10 10  km; 8,95 × 10 9  mi), [13] aproximadamente três vezes a de Plutão. Com exceção de alguns cometas de longo período , até 2018 o VG 18 foi descoberto em 17 de dezembro de 2018, Eris e Dysnomia eram os objetos naturais conhecidos mais distantes do Sistema Solar. [13]

Escolhendo um nome oficial 

Segundo o escritor científico Govert Schilling , Brown inicialmente quis chamar o objeto ” Lila “, após um conceito na mitologia hindu que descrevia o cosmos como o resultado de um jogo jogado por Brahman . O nome era muito parecido com “Lilah”, o nome da filha recém-nascida de Brown. Brown estava consciente de não tornar seu nome público antes que ele fosse oficialmente aceito. Ele o fizera com Sedna um ano antes e havia sido fortemente criticado. No entanto, nenhuma objeção foi levantada ao nome de Sedna além da quebra de protocolo e nenhum nome concorrente foi sugerido para Sedna. [32]

Ele listou o endereço de sua página pessoal anunciando a descoberta como / mbrown / planetlila e, no caos após a controvérsia sobre a descoberta de Haumea , esqueceu de mudá-la. Em vez de irritar desnecessariamente mais seus colegas astrônomos, ele simplesmente disse que a página tinha o nome de sua filha e ignorou “Lila”. [33]

Brown também especulou que Perséfone , a esposa do deus Plutão , seria um bom nome para o objeto. [2] O nome havia sido utilizado várias vezes na ficção científica , [34] e foi popular com o público, tendo com folga ganhou uma pesquisa conduzida pelo New Scientist revista ( “Xena”, apesar de ter apenas um apelido, ficou em quarto lugar). [35] Isso não foi possível uma vez que o objeto foi classificado como um planeta anão, porque já existe um asteróide com esse nome, 399 Perséfone . [2]

Com a disputa resolvida, a equipe de descoberta propôs Eris em 6 de setembro de 2006. Em 13 de setembro de 2006, esse nome foi aceito como o nome oficial pela IAU. [36] [37] Brown decidiu que, porque o objeto havia sido considerado um planeta por tanto tempo, merecia um nome da mitologia grega ou romana , como os outros planetas. Os asteróides tinham tomado a grande maioria dos nomes greco-romanos. Eris , a quem Brown descreveu como sua deusa favorita, felizmente escapou da inclusão. [31] O nome em parte reflete a discórdia na comunidade astronômica causada pelo debate sobre a classificação do objeto (e de Plutão).

Eris: -http://www.teiadethea.org – …Na mitologia grega Eris é a deusa das disputas e combates que desperta ciúmes, raiva, agressão e competição entre os homens, como foi demonstrado pelo tumulto e os ânimos feridos na reunião de IAU em Praga. Dysnomia era a sua filha, deusa da discórdia, regente dos assuntos ilegais, amorais e imorais.

Do ponto de vista astronômico Eris é o corpo celeste do sistema solar mais distante do Sol, três vezes mais longínquo do que Plutão, com uma órbita ainda mais excêntrica do que a dele. Por isso, enquanto Plutão leva 248 anos para percorrer sua órbita, Eris demora 556 anos, fato que dificulta o estudo astrológico da suas características. Em 1928, Eris entrou no signo de Áries, atualmente no grau 20, passando para o grau 21 em 2008. Os aspectos que Eris faz com um planeta nos mapas coletivos ou individuais dura alguns anos, prolongando assim seus efeitos.

Para compreender esses efeitos precisa ser conhecido o seu mito. No panteão grego existiam duas deusas com o mesmo nome, mas com personalidades diferentes, podendo ser vistas como aspectos de uma só deusa. Uma delas era filha de Zeus e Hera, irmã de Ares (Marte), temida e detestada por todos por ser cruel e sanguinária, incitando guerras e carnificinas. Nos períodos de paz provocava discórdias e conflitos entre amigos, familiares e casais. A outra apresentação de Eris era como filha de Nyx, (a noite) e Chronos (o tempo), sendo a regente da competição correta e sadia, honrada pelos atletas antes dos jogos olímpicos.

Com o passar do tempo e à medida que as histórias eram reinterpretadas, a separação entre as duas deusas tornou-se mais tênue, as suas características se mesclaram resultando um só arquétipo. Assim, a deusa Eris ficou conhecida pelos seus traços agressivos e seus filhos, os Kakodaimones, como espíritos malignos e portadores de desgraça. Eles foram libertados com a abertura da caixa de Pandora, nela permanecendo apenas a filha luminosa, Elpis, a esperança, que é encontrada apenas por aqueles que nela acreditam e a procuram.

Na astrologia Eris representa o principio da percepção ativa da desordem, do conflito e da confusão. No mapa natal seus efeitos podem ser vistos como um amálgama das influências de Marte, Mercúrio e Netuno, em relação principalmente à sétima casa, dos relacionamentos.

> Sedna – 90377

Sedna ( Inuktitut : ᓴᓐᓇ , Sanna ) é a deusa do mar e dos animais marinhos da mitologia inuit , também conhecida como a Mãe do Mar ou Senhora do Mar. Sedna também é conhecida como Arnakuagsak ou Arnaqquassaaq ( Groenlândia ) e Sassuma Arnaa (“Mãe das Profundezas”, Groenlândia Ocidental ) e Nerrivik (“Tabela”, norte da Groenlândia) ou Nuliajuk ( Distrito de Keewatin , Territórios do Noroeste, Canadá). Às vezes, ela é conhecida por outros nomes por diferentes grupos inuítes, como Arnapkapfaaluk (“Grande Mulher Má”) do Inuit de Cobre da Área do Golfo de Coroação [1] e Takánakapsâluk ou Takannaaluk ( Igloolik ). A história de Sedna, que é um mito da criação, descreve como ela chegou a dominar Adlivun , o submundo Inuit .

Mito 

Existe mais de uma versão da lenda Sedna. Em uma lenda, Sedna é um gigante, filha do deus criador Anguta , com uma grande fome que a faz atacar seus pais. Irritado, Anguta a leva para o mar e a joga ao lado de seu caiaque . Enquanto ela se agarra aos lados, ele corta seus dedos e ela afunda no submundo, tornando-se o governante dos monstros das profundezas. Seus dedos enormes se tornam focas , morsas e baleias caçadas pelos inuítes.

Em outra versão da lenda, ela está insatisfeita com os homens encontrados por ela pelo pai e, assim, casa com um cachorro. O pai dela está tão bravo com isso que ele a joga no mar e, quando ela tenta subir de volta para o barco, ele corta os dedos dela. Seus dedos se tornam os primeiros selos e ela se torna uma poderosa deusa do mar . Quando ela fica com raiva, o xamã viaja para lavar e pentear os cabelos, depois disso ela é aplacada e libera os animais para os caçadores.

Na região de Netsilik, a história afirma que Nuliayuk era um órfão maltratado. Um dia as pessoas tentaram se livrar dela tentando afogá-la cortando as pontas dos dedos. Mas as pontas dos dedos se transformavam em focas e morsas. Eventualmente, Nuliayuk se casa com um esculpido e vive no mar, controlando todos os mamíferos marinhos.

Outras versões da lenda retratam Sedna como uma bela donzela que rejeita propostas de casamento dos caçadores de sua aldeia. Quando um caçador desconhecido aparece, o pai de Sedna concorda em entregá-la como esposa em troca de peixes. O pai de Sedna dá a Sedna uma poção para dormir e a entrega ao caçador que a leva a um grande ninho em um penhasco, revelando sua verdadeira forma: um grande espírito de pássaro (descrito como corvo , fulmar ou Kokksaut / petrel)-espírito). Ela acorda cercada por pássaros. Seu pai tenta resgatá-la, mas o espírito do pássaro fica irritado, causando uma grande tempestade. Desesperado, o pai de Sedna a joga no mar revolto. Tentando se agarrar ao caiaque, suas mãos congelam e seus dedos caem tornando-se as criaturas do mar. Ela cai no fundo do mar e cresce um rabo de peixe.

Sedna é sequestrada por uma criatura de pássaro diferente em outra versão. Seu pai então parte em seu caiaque para resgatá-la da ilha de gelo flutuante, onde ela é presa enquanto a criatura do pássaro está fora. A criatura, enfurecida por seu desaparecimento, chama um espírito do mar para ajudá-lo. O espírito do mar localiza o caiaque com os dois humanos a bordo e cria ondas enormes para matá-los. Seu pai joga Sedna ao mar, na esperança de que isso apaziguar o deus irado. Sedna se agarra ao caiaque, mas seu pai pega um machado e corta três dedos antes de bater na cabeça dela. Os três dedos se tornam uma espécie diferente de foca. O golpe na cabeça envia Sedna para o fundo do oceano onde ela reside, comandando os animais do mar.

As diferentes lendas dão razões diferentes para a morte de Sedna. No entanto, em cada versão, seu pai a leva para o mar em seu caiaque, cortando seus dedos. [2] Em cada versão ela afunda no fundo do mar, adorada por caçadores que dependem de sua boa vontade para fornecer comida. Ela é geralmente considerada uma deusa vingativa, e os caçadores devem aplacar e rezar para que ela libere os animais marinhos das profundezas do oceano para sua caça. [3]

Em astronomia 

90377 Sedna , um objeto trans-netuniano descoberto por Michael Brown ( Caltech ), Chad Trujillo ( Observatório de Gemini ) e David Rabinowitz ( Universidade de Yale ) em 14 de novembro de 2003, recebeu seu nome.

 

> Salacia – 120347

Salacia , designação provisória 2004 SB 60 , é um objeto trans-netuniano no cinturão de Kuiper , com aproximadamente 850 quilômetros de diâmetro. A partir de 2018, ele está localizado a cerca de 44,8 unidades astronômicas do Sol, e atinge magnitude aparente 20,7 na oposição .A salácia foi descoberta em 22 de setembro de 2004 pelos astrônomos americanos Henry Roe , Michael Brown e Kristina Barkume no Observatório Palomar, na Califórnia, Estados Unidos. Foi observado 124 vezes, com imagens de pré – descoberta em 25 de julho de 1982. [2] A salácia orbita o Sol a uma distância média ligeiramente superior à de Plutão . Foi nomeado após a deusa romana Salacia e tem uma única lua conhecida, Actaea .

Brown estimou que Salacia é provavelmente um planeta anão . [7] No entanto, Grundy et al. argumentam que objectos, tais como Salacia, na gama de tamanho de 400-1000 Km, com albedos menos do que ≈0.2 e densidades de ≈1.2 g / cm 3 ou menos, provavelmente nunca prensados em corpos completamente sólidos, quanto mais diferenciado, e por isso é altamente improvável que sejam planetas anões. [8]

Orbit 

A órbita de Salacia é semelhante a Plutão , exceto por uma longitude quase oposta do nó ascendente . Sua posição atual é próxima da posição mais ao norte, acima da eclíptica.

A salácia é um objeto não ressonante com excentricidade moderada (0,110) e grande inclinação (23,9 °), tornando-o um objeto estendido na classificação do Deep Ecliptic Survey e um clássico quente no sistema de classificação de Gladman et al. , [9] que pode ser uma distinção se fizerem parte de uma única população formada durante a migração externa de Netuno . [6] A órbita da Salacia está dentro do espaço paramétrico da família colisional de Haumea , mas a Salacia não faz parte dela, porque não possui as fortes bandas de absorção de água e gelo típicas de seus membros. [6]

2002 MS4 orbit 2018.png

As características físicas 

A massa total do sistema Salacia-Actaea é de (4,38 ± 0,16) × 10 20  kg , dos quais cerca de 96% devem estar na própria Salacia, a partir dos diâmetros relativos. A salácia é grande o suficiente para ser improvável que tenha uma porosidade significativa e provavelmente é diferenciada. Um núcleo rochoso (com uma densidade de 2,77 a 3,66 g / cm 3 ) pode ter 0,4 a 0,65 do diâmetro total de Salacia se o manto de água-gelo for não poroso e 0,45 a 0,7 do seu diâmetro total se o manto tiver 10 % porosidade.

A salácia tem o menor albedo e densidade conhecida de qualquer grande objeto trans-netuniano conhecido . [6] O espectro infravermelho da salácia é quase inexistente, indicando uma abundância de gelo d’água abaixo de 5% na superfície. [5] [10] Sua amplitude da curva de luz é de apenas 3%. [6]

O site de Mike Brown lista Salacia como quase certamente um planeta anão , [7] mas a IAU não o reconheceu formalmente como tal. [11] [12]

Satélite natural 

Modelo artístico da órbita circular próxima de Salacia e Actaea vista em ângulo

Salacia tem um satélite natural , Actaea , que orbita sua principal a cada5,493 80 ± 0,000 16  d a uma distância de5619 ± 89 km e com uma excentricidade de0,0084 ± 0,0076 . Foi descoberta em 21 de julho de 2006 por Keith Noll, Harold Levison , Denise Stephens e William Grundy com o Telescópio Espacial Hubble . [13]

Actaea é Magnitudes 2,3372 ± 0,060 mais fracas que a Salacia, [5] implicando uma razão de diâmetro de 2,98 para albedos iguais. [6] Portanto, assumindo albedos iguais, tem um diâmetro de286 ± 24 km [5] Actaea tem a mesma cor que Salacia (V − I =0,89 ± 0,02 e0,87 ± 0,01 , respectivamente), apoiando a suposição de albedos iguais. [6]

Foi calculado que o sistema Salacia deveria ter sofrido evolução das marés suficiente para circularizar suas órbitas, o que é consistente com a baixa excentricidade medida, mas que o principal não precisa estar travado por maré . [6] A razão entre o eixo semi-maior e o raio de Hill do seu primário é 0,0023, o binário trans-netuniano mais rígido com uma órbita conhecida. [6] Salacia e Actaea se ocultarão em 2067. [6]

Nome 

Este planeta menor foi nomeado após Salacia ( æ l eɪ ʃ ə / ), a deusa da água salgada e a esposa de Netuno . [2] A citação de nomeação foi publicada em 18 de fevereiro de 2011 ( MPC 73984 ). [14]

O nome da lua, Actaea æ t ə / , foi atribuído na mesma data. Actaea é uma nereida ou ninfa do mar.

> Plant Nine

Imagem relacionada
Anexo:
Sobre  Cinto Kuiper e os Objetos Trans-Netunianos
Ilustração artística do Cinturão de Kuiper e da hipotética nuvem de Oort mais distante .

cinturão de Kuiper (pronunciado / ˈkaɪpɚ / , rima com “víbora”) é uma zona do sistema solar que se estende da órbita de Netuno (a 30 unidades astronômicas (AU) a 50 UA do Sol . Os objetos no cinturão de Kuiper, juntamente com os membros do disco espalhado que se estendem além, são coletivamente referidos como trans-netunianos, juntamente com qualquer nuvem hipotética de Hills e objetos de nuvem de Oort .

Juntamente com o cinturão de asteróides , que é a fonte dos meteoritos , os objetos do cinturão de Kuiper fornecem pistas importantes sobre a distribuição de materiais e a história da evolução do Sistema Solar através de suas características e composições orbitais. Os objetos do cinturão de Kuiper que vêm como cometas e poeiras são um presente para a humanidade voltar no tempo e estudar o estágio inicial do Sistema Solar.

Origens

Os discos de detritos ao redor dessas duas estrelas remotas parecem equivalentes ao cinturão de Kuiper do nosso próprio sistema solar. A imagem da esquerda é uma “vista de cima” e a imagem da direita é uma “vista de borda”. O círculo central preto é produzido pelo coronagraph da câmera, que oculta a estrela central para permitir a visualização de discos muito mais fracos. Observado com o Telescópio Espacial Hubble.

Simulações modernas de computador mostram que o cinturão de Kuiper foi fortemente influenciado por Júpiter e Netuno . Durante o período inicial do Sistema Solar , acredita-se que a órbita de Netuno tenha migrado para fora do Sol devido a interações com órgãos menores. No processo, Netuno varreu, ou ejetou gravitacionalmente todos os corpos mais próximos do Sol do que cerca de 40 UA (a borda interna da região ocupada por cubewanos, objetos no principal cinturão de Kuiper), além daqueles que por sorte estavam em um : 3 ressonância orbital. Esses corpos ressonantes formaram os plutinos. Pensa-se que os atuais membros do Cinturão de Kuiper tenham se formado amplamente em sua posição atual, embora uma fração significativa possa ter se originado nas proximidades de Júpiter e ter sido ejetada por ele para as regiões distantes do sistema solar.

Hipótese

Os primeiros astrônomos a sugerir a existência desse cinturão foram Frederick C. Leonard em 1930 e Kenneth E. Edgeworth em 1943. Em 1951, Gerard Kuiper sugeriu que o cinturão era a fonte de cometas de curto período (aqueles com período orbital inferior a 200 anos). Conjecturas mais detalhadas sobre objetos no cinto foram feitas por Al GW Cameron em 1962, Fred L. Whipple em 1964 e Julio Fernandez em 1980. O cinto e os objetos nele foram nomeados após Kuiper após a descoberta de (15760) 1992 QB 1 .

Nome

Um nome alternativo, cinto Edgeworth-Kuiper, é usado para dar crédito a Edgeworth. O termo Objeto Trans-Neptuniano (TNO) é recomendado para objetos no cinturão por vários grupos científicos, porque o termo é menos controverso que todos os outros – porém, não é sinônimo, pois os TNOs incluem todos os objetos que orbitam o Sol na borda externa do o sistema solar, não apenas os do cinturão de Kuiper.

File: Extreme trans-Neptunian objects excentricity vs perihelion.svg

Close-up de órbitas extremas de objetos e planetas trans-netunianos

Órbitas de objetos trans-netunianos extremos e o Planeta Nove

Lista de objetos por raio

Maior que 400 km 

Era esperado que qualquer corpo gelado com mais de aproximadamente 200 km de raio estivesse em equilíbrio hidrostático (HE). [5] No entanto, Rhea é o menor corpo em que foram feitas medidas detalhadas e são consistentes com o equilíbrio hidrostático, [6] enquanto Jápeto é o maior determinado a não estar em equilíbrio hidrostático, [7] com um raio de 750 km.

Por questões de simplicidade e de comparação, os valores são calculados manualmente, assumindo uma esfericidade de 1. O tamanho dos corpos sólidos não inclui a atmosfera de um objeto. Por exemplo, Titan parece maior que Ganimedes, mas seu corpo sólido é menor. Para os planetas gigantes , o “raio” é definido como a distância do centro em que a atmosfera atinge 1 bar de pressão atmosférica. [8] O raio dos anéis principais de Saturno é 136.775 km.

Corpo [nota 1] Imagem Raio [nota 2] Volume Massa Densidade Gravidade [nota 3] Tipo Forma #
[nota 4]
Descoberta
( km ) ( R  ) ( 10 9  km 3 )  ) ( 10 21  kg) ( M  ) (g / cm 3 ) (m / s 2 ) ( ⊕ )
Dom
Sun in February.jpg
696 342 ± 65 [9] 109,3 1.414.300.000 1.305.700 1.988.550.000 333.000 1,408 274,0 27,94 Estrela redondo (HE) 1
Júpiter
Jupiter and its shrunken Great Red Spot.jpg
69 911 ± 6 10,97 1.431.280 1.321 1.898.600 317,83 1,326 24,79 2.528 planeta ( gigante de gás ); tem anéis redondo (HE) 2
Saturno
Ringworld Waiting.jpg
58 232 ± 6
( sem anéis)
9.140 827.130 764 568.460 95.162 0,687 10,445 1.065 planeta ( gigante de gás ); tem anéis redondo (HE) 3
Urano
Uranus2.jpg
25 362 ± 7 3.981 68.340 63,1 86.832 14.536 1,27 8.69 0,886 planeta ( gigante de gelo ); tem anéis redondo (HE) 4 1781
Netuno
Neptune - Voyager 2 (29347980845) flatten crop.jpg
24 622 ± 19 3.865 62.540 57,7 102.430 17.147 1.638 11.15 1.137 planeta ( gigante de gelo ); tem anéis redondo (HE) 5 1846
Terra
Africa and Europe from a Million Miles Away.png
6 371 .0 ± 0,01 1 1.083,21 1 5.973,6 1 5.514 9.80665 1 planeta ( terrestre ) redondo (HE) 6
Vênus
Venus-real color.jpg
6 051, 8 ± 1,0
(sem gás)
0,9499 928,43 0.857 4.868,5 0.815 5.243 8,872 0,905 planeta ( terrestre ) redondo (HE) 7
Marte
OSIRIS Mars true color.jpg
3 389 0,5 ± 0,2 0,5320 163,18 0,151 641,85 0,107 3.9335 ± 0.0004 3.721 0,379 planeta ( terrestre ) redondo (HE) 8
Ganimedes
Júpiter III
Ganymede g1 true-edit1.jpg
2 634 .1 ± 0,3 0,4135 76,30 0,0704 148,2 0,0248 1.936 1.428 0,146 lua de Júpiter redondo (HE) 9 1610
Titan
Saturn VI
Titan in true color.jpg
2 574 0,73 ± 0,09
(w / o gás) [a]
0,4037 [a] 71,50 0,0658 134,5 0,0225 1,8798 ± 0,0044 1,354 0,138 lua de Saturno redondo (HE) 10 1655
Mercúrio
Mercury in color - Prockter07-edit1.jpg
2 439 0,7 ± 1,0 0,3829 60,83 0,0562 330,2 0,0553 5.427 3.7 0,377 planeta ( terrestre ) redondo (HE) 11
Calisto
Júpiter IV
Callisto.jpg
2 410 .3 ± 1,5 0,3783 58,65 0,0541 107,6 0,018 1,8344 ± 0,0034 1,23603 0,126 lua de Júpiter redondo (HE) 12 1610
Io
Júpiter I
Io highest resolution true color.jpg
1 821 0,6 ± 0,5 0,2859 25,32 0,0234 89,3 0,015 3,528 ± 0,006 1,797 0,183 lua de Júpiter redondo (HE) 13 1610
Lua
Terra I
FullMoon2010.jpg
1 737 .1 0,2727 21.958 0,0203 73,5 0,0123 3,3464 1.625 0,166 lua da terra redondo (não em HE) [10] 14
Europa
Jupiter II
Europa-moon.jpg
1 560 0,8 ± 0,5 0,2450 15,93 0,0147 48. 0,008035 3,013 ± 0,005 1.316 0,134 lua de Júpiter redondo (HE) 15 1610
Triton
Netuno I
Triton Voyager 2.jpg
1 353 .4 ± 0,9 [a] 0,2124 [a] 10,38 0,0096 21,5 0,003599 2.061 0,782 0,0797 lua de Netuno redondo (HE) 16 1846
Plutão
134340
Pluto in True Color - High-Res.jpg
1 188 0,3 ± 1,6 [11] 0,186 7.057 0,00651 13.105 0,0022 1,87 ± 0,02 0,62 0,063 planeta anão ; plutino ; múltiplo redondo (HE) 17 1930
Eris
136199
Eris and dysnomia2.jpg
1 163 ± 6 [b] [12] 0,1825 [b] 6,59 0,0061 16,7 [13] 0,0028 2,52 ± 0,05 0.824 0,084 planeta anão ; SDO ; binário redondo (HE) 18 2003
Haumea
136108
Haumea Hubble.png
798 ± 6 a816 [14] [b] 2,36 [c] 0,0022 4,006 [15] 0,00066 1,8-1,9 0,401 0,0409 planeta anão ;
KBO ressonante (7:12);
trinário ; tem anéis
redondo
( elipsóide escaleno )
19 2004
Titânia
Urano III
Titania (moon) color, edited.jpg
788,4 ± 0,6 [d] 0,1237 [d] 2.06 0,0019 3.526 0,00059 1,711 ± 0,005 0,378 0,0385 lua de urano volta 20 1787
Rhea
Saturn V
PIA07763 Rhea full globe5.jpg
763,8 ± 1,0 [d] 0,1199 [d] 1,87 0,0017 2.3166 0,00039 1,236 ± 0,005 0,26 0,027 lua de Saturno rodada
(HE, disputada )
21 1672
Oberon
Uranus IV
Voyager 2 picture of Oberon.jpg
761,4 ± 2,6 [a] 0,1195 [a] 1,85 0,0017 3.014 0,0005 1,63 ± 0,05 0,347 0,035 lua de urano volta 22 1787
Jápeto
Saturno VIII
Iapetus as seen by the Cassini probe - 20071008.jpg
734,5 ± 2,8 0,1113 1,66 0,0015 1,9739 0,00033 1,088 ± 0,013 0,223 0,0227 lua de Saturno redondo (não em HE) 23 1671
Makemake
136472
Makemake moon Hubble image with legend (cropped).jpg
715 +19
−11
 [16]
0,112 1,53 0,0014 4.4. 0.000737 2,3 ± 0,9 0,57 0,0581 planeta anão ; cubewano volta 24 2005
2007 OR 10
225088
2007 OR10 and its moon.png
615 ± 25 [17] 0,0983 1.03 0,0009 1,75 0,00029 1,72 ± 0,16 0,3 0,0306 KBO ressonante (3:10) desconhecido 25 2007
Caronte
Plutão I
Charon in True Color - High-Res.jpg
606 ± 3 0,0951 0,932 0,0009 1,52 0,00025 1,702 ± 0,021 0,288 0,0294 lua de Plutão volta 26 1978
Umbriel
Urano II
PIA00040 Umbrielx2.47.jpg
584,7 ± 2,8 0,0918 0,84 0,0008 1.2 0,00020 1,39 ± 0,16 0,234 0,024 lua de urano volta 27 1851
Ariel
Urano I
Ariel (moon).jpg
578,9 ± 0,6 0,0909 0,81 0,0007 1,35 0.000226 1,66 ± 0,15 0,269 0,027 lua de urano volta 28. 1851
Dione
Saturn IV
Dione in natural light.jpg
561,4 ± 0,4 0,0881 0,73 0,0007 1.096 0.000183 1.478 ± 0,003 0,232 0,0237 lua de Saturno redondo (não em HE) 29 1684
Quaoar
50000
Quaoar PRC2002-17e.jpg
555 ± 2,5 0,0871 0,716 0,0007 1,4 ± 0,1 0,0002 2,2 ± 0,4 [18] 0,3 0,0306 cubewano ; binário desconhecido 30 2002
Tétis
Saturno III
PIA18317-SaturnMoon-Tethys-Cassini-20150411.jpg
531,1 ± 0,6 0,0834 0,624 0,0006 0,6173 0.000103 0,984 ± 0,003 [19] 0,145 0,015 lua de Saturno redondo (não em HE) 31 1684
Sedna
90377
Sedna PRC2004-14d.jpg
497,5 ± 40 0,0785 0,516 0,0005 sednoide ; objeto desanexado desconhecido 32. 2003
Ceres
1
Ceres - RC3 - Haulani Crater (22381131691) (cropped).jpg
473 [20] 0,0742 0,433 0,0004 0,939 [21] 0.000157 2,17 0,28 0,029 planeta anão ; asteróide do cinto redondo (HE) 33 1801
2002 MS 4
307261
2002MS4 Hubble.png
467 ± 24 0,0733 0,427 0,0004 cubewano [22] desconhecido 34 2002
Orcus
90482
Orcus-vanth hst2.jpg
458 ± 13 0,0719 0,404 0,0004 0,641 ± 0,19 0,0001 2,47 [23] 0,2 0,0204 plutino ; binário desconhecido 35 2004
Salacia
120347
Salacia Hubble.png
425 ± 23 0,0667 0,3261 0,0003 0,438 ± 0,016 [24] 0,000073 1,16 +0,59
−0,36[25]
0,162 0,0165 cubewano ; binário desconhecido 36. 2004

De 200 a 399 km 

Todas as luas geladas da imagem, exceto Proteus com raios maiores que 200 km, são claramente redondas, embora aquelas abaixo de 400 km que tiveram suas formas cuidadosamente medidas não estejam em equilíbrio hidrostático. [6] A maioria dos asteróides é mais rochosa e tem menor probabilidade de ser redonda; por exemplo, 10 Hygiea não é, enquanto 2 Pallas e 4 Vesta são limítrofes. citação necessária ]

Corpo [nota 1] Imagem Raio [nota 2]
( km )
Massa
(10 20  kg)
Densidade
(g / cm 3 )
Digite [nota 5] Observações – forma [nota 5] Refs [nota 6]
 · M
2002 AW 197
55565
55565-2002aw197 hst.jpg
384 +20
−18
cubewano [26]  · [26]
2013 FY 27
532037
2013 FY27 small.png
370 +45
−43
objeto desanexado ; binário [27]  · M
Varda
174567
Varda-ilmare hst.jpg
358,3 ± 2,4 2,664 ± 0,064 1,24 +0,5
−0,35
cubewano; binário [28]  · [26]
2003 AZ 84
208996
2003AZ84 Hubble small.png
353 ± 12 0,87 ± 0,01 plutino ; binário possível elipsóide escaleno [29] [29]  · M
Dysnomia
Eris I
Eris and dysnomia2.jpg
350 ± 58 lua de Eris [30]  · M
2004 GV 9
90568
2004-gv9 hst.jpg
340 ± 17 cubewano [31]  · M
2005 RN 43
145452
2005-rn43 hst.jpg
339,5 +27,5
−36,5
cubewano [31]  · M
2015 RR 245
523794
≈ 335 KBO ressonante  (2: 9) [32]  · M
Varuna
20000
20000-varuna hst.jpg
334 +77
−43
3.7 0,99 cubewano elipsóide escaleno [33]  · [34]
2002 UX 25
55637
20131105 2002 UX25 hst.png
332,5 ± 14,5 1,25 ± 0,03 0,82 ± 0,11 cubewano; binário [18]  · [35]
2014 UZ 224 ≈ 321,5 SDO [5]  · M
Gǃkúnǁʼhòmdímà
229762
2007 UK126 Hubble (crop).png
319 +12
−6
1,361 ± 0,033 1,04 ± 0,17 SDO; binário provável não esférico [36] [36]  · [37]
2010 RF 43 318 SDO [38]  · M
Ixion
28978
28978-ixion hst.jpg
308,5 +9,5
−10
plutino [39]  · M
Chaos
19521
307,5 cubewano [5]  · M
2014 EZ 51
523692
≈ 307,5 SDO [5]  · M
2007 JJ 43
278361
305 +85
−70
cubewano [40]  · M
2006 QS 181
2006qh181 hst.jpg
≈ 303,5 SDO [22]  · M
2002 TC 302
84522
84522-2002tc302 hst.jpg
295,5 KBO ressonante  (2: 5) [5]  · M
2002 XW 93
78799
293,5 outro TNO [5]  · M
2010 KZ 39 ≈ 287 desapegado [5]  · M
2010 JO 179 ≈ 287 SDO [5]  · M
2014 WK 509
523759
≈ 287 SDO [5]  · M
2010 RE 64
523639
≈ 280,5 SDO [5]  · M
2014 AN 55 ≈ 280,5 SDO [5]  · M
2013 FZ 27
523671
≈ 280,5 SDO [5]  · M
2004 XR 190
2004-xr190 hst.jpg
≈ 280 SDO [5]  · M
2002 XV 93 274,6 +10,85
−11,5
plutino [41]  · M
2008 ST 291
528381
≈ 274,5 SDO [5]  · M
2004 XA 192
230965
≈ 274,5 SDO [5]  · M
2010 FX 86 ≈ 274,5 cubewano [5]  · M
2003 VS 2
84922
84922-2003vs2 hst.jpg
274,15 +14,75
−22,3
plutino [42]  · M
2003 UZ 413
455502
≈ 268 plutino provável elipsóide escaleno [43] [5]  · M
2014 YA 50 ≈ 268 plutino [5]  · M
2014 FC 69 266,5 SDO [22]  · M
2017 DE 69 ≈ 266,5 plutino [22]  · M
2001 UR 163
42301
42301-2001ur163 hst.jpg
265,7 KBO ressonante  (4: 9) [44]  · M
Vesta
4
Vesta full mosaic.jpg
262,7 ± 0,1 2,59 3,46 asteróide tipo correia V formerly round (not in hydrostatic equilibrium: frozen-in ellipsoidal shape and large impact basins)[45][46] [47] · [47]
2005 RM43
145451
≈ 262 SDO [5] · M
Pallas
2
Potw1749a Pallas crop.png
256±3 2.11±0.26 3.0±0.5 belt asteroid type B irregular[48], borderline [48] · [49]
2004 TY364
120348
256+18.5
−20
cubewano [39] · M
2010 VK201
523645
252.5 cubewano [50] · M
2003 QX113
2003qx113 hst.jpg
≈ 252.5 SDO [22] · M
2011 FW62 ≈ 251.5 plutino [5] · M
Enceladus
Saturn II
PIA17202-SaturnMoon-Enceladus-ApproachingFlyby-20151028.jpg
252.1±0.2 1.08±0.001 1.609±0.005 moon of Saturn round (not in hydrostatic equilibrium: frozen-in ellipsoidal shape) [51] · [52]
2018 VG18 ≈ 250 SDO [53] · M
2005 UQ513
202421
249+31.5
−37.5
cubewano [26] · M
2004 NT33
444030
241.26 cubewano [54] · M
2014 UM33
472271
≈ 239 cubewano [5] · M
Vanth
Orcus I
Orcus-vanth hst2.jpg
237.5±37.5 ≈ 0.4 ≈ 1.5 moon of 90482 Orcus [23] · [23]
Miranda
Uranus V
PIA18185 Miranda's Icy Face.jpg
235.8±0.7 0.659±0.075 1.2±0.15 moon of Uranus round [55] · [56]
Dziewanna
471143
471143-dziewanna hst.jpg
235+17.5
−5
SDO [57] · M
2015 AM281
495603
≈ 234 resonant KBO (2:5) [22] · M
2005 TB190
145480
145480-2005tb190 hst.jpg
232±31 detached object [30] · M
1999 DE9
26375
230.5±22.5 resonant KBO (2:5) [58]  · M
2003 FY 128
120132
230 ± 10,5 SDO [30]  · M
2002 KX 14
119951
119951-2002kx14 hst.jpg
227,5 ± 27 cubewano [31]  · M
2000 YW 134
82075
≈ 227,5 SDO [22]  · M
2012 VP 113 ≈ 225 sednoid [59]  · M
2002 VR 128
84719
224,25 +24,05
−21,6
plutino [41]  · M
2011 GM 27
471288
≈ 223 cubewano [5]  · M
2010 TJ ≈ 221,5 SDO [22]  · M
Hygiea
10
10 Hygiea 2MASS.jpg
217,83 ± 4,5 1.076 ± 0,047 1,85 ± 0,12 asteróide do cinto tipo C irregular [60]  · [60]
1999 CD 158
469306
210.13 KBO ressonante  (4: 7) [61]  · M
Proteus
Netuno VIII
Proteus (Voyager 2).jpg
210 ± 7 0,44 ≈ 1.3 lua de Netuno irregular, limítrofe [3]  · [3]
2005 QU 182
303775
208 ± 36,5 SDO [30]  · M
2001 QF 298
469372
204,1 +20,1
−22,45
plutino [41]  · M
2004 PF 115
175113
203,15 +48,8
−37,65
plutino [41]  · M
Huya
38628
Huya Hubble.png
203 ± 8 plutino ; binário [18]  · M
2010 VZ 98
445473
200,67 SDO [62]  · M
Lenda:

SDO – objeto de disco disperso
cubewano – objeto clássico de cinto Kuiper
plutino – ressonância orbital 2: 3 com Netuno

De 100 a 199 km 

Esta lista contém uma seleção de objetos estimados entre 100 e 199 km de raio (200 e 399 km de diâmetro). O maior deles pode estar acima do limite do equilíbrio hidrostático, mas a maioria é irregular. A maioria dos objetos trans-netunianos (TNOs) listados com um raio menor que 200 km ” assumiu tamanhos com base em um albedo genérico de 0,09″, uma vez que estão muito longe para medir diretamente seus tamanhos com os instrumentos existentes. Comutadores de massa de 10 21 kg a 10 18 kg (Zg). Asteróides do cinturão principal têm elementos orbitais restritos por (2,0 AU <a <3,2 AU; q> 1,666 AU) de acordo com a JPL Solar System Dynamics (JPLSSD).[63]Muitos TNOs são omitidos nessa lista, pois seus tamanhos são pouco conhecidos. [22]

Corpo [nota 1] Imagem Raio [nota 2]
( km )
Massa
( 10 18  kg )
Tipo Observações – forma Refs [nota 6]
 · M
2004 UX 10
144897
199 ± 19,5 30 plutino [41]  · [64]
Mimas
Saturno I
Mimas Cassini.jpg
198,2 ± 0,4 37,49 ± 0,03 lua de Saturno redondo (menor corpo atualmente conhecido por ter uma forma elipsoidal, mas não em equilíbrio hidrostático) [51]  · [52]
1998 SN 165
35671
196,5 ± 19,5 cubewano [26]  · M
Ilmarë
Varda I
Varda-ilmare hst.jpg
180,5 +24
−19
lua de 174567 Varda [65]  · M
Nereida
Netuno II
Nereid-Voyager2.jpg
170 ± 25 lua de Netuno [3]  · M
1996 TL 66
15874
169,5 ± 10 SDO [30]  · M
2002 WC 19
119979
119979-2002wc19 hst.jpg
≈ 169 77 ± 5,34 KBO ressonante  (1: 2) ; binário [66]  · [66]
TY 53 de 2010 ≈ 164,5 centauro estendido [5]  · M
Hiʻiaka
Haumea I
Haumea Hubble.png
160 17,9 ± 1,1 lua de Haumea [15]  · [15]
Interamnia
704
Interamnia medie.gif
153,157 ± 0,516 32,8 ± 4,5 asteróide tipo correia F [67]  · [68]
Europa
52
52 Europa Lightcurve Inversion.png
151,959 ± 1,751 23,8 ± 5,8 asteróide do cinto tipo C forma irregular [69] [70]  · [68]
2004 EW 95
120216
120216-2004ew95 hst.jpg
145,5 plutino [22]  · M
Davida
511
511 Davida dettaglio.png
145,218 ± 1,136 33,8 ± 10,2 asteróide do cinto tipo C forma irregular [71]  · [68]
1995 SN 55 ≈ 145 Centauro perdido ou TNO transitório [5]  · M
Sylvia
87
CMSylvia.png
143 ± 5,5 14,78 ± 0,06 asteróide do cinto externo tipo X ; trinário forma irregular [69] [72]  · [73]
Actaea
Salacia I
Salacia Hubble.png
143 ± 12 lua de 120347 Salacia [24]  · M
Hyperion
Saturn VII
Hyperion true.jpg
138,6 ± 4 5,62 ± 0,05 lua de Saturno forma irregular [6]  · [6]
Lempo
47171
1999TC36-Trujillo-HST.png
136 +8,5
−9,5
plutino ; trinário [74]  · M
1998 SM 165
26308
1998SM165-Trujillo-HST.jpg
134 ± 14 6,87 ± 1,8 KBO ressonante  (1: 2) forma irregular [75]  · [75]
Euphrosyne
31
A643.M1067.shape.png
133,54 ± 1,305 12,7 ± 6,5 asteróide do cinto tipo C ; binário forma irregular [70]  · [68]
Chariklo
10199
10199 Chariklo Hubble.jpg
130.175 centauro tem anéis [76]  · M
Eunomia
15
15Eunomia (Lightcurve Inversion).png
128,205 ± 1,545 31,4 ± 1,8 asteróide tipo correia S forma irregular [69] [77]  · [68]
2005 RR 43
145453
2005rr43-19831001.gif
126 cubewano ; Família Haumea [78]  · M
Hiisi
Lempo II
125.5+8
−8.5
secondary of 47171 Lempo [74] · M
Hektor
624
624Hektor-LB1-mag15.jpg
125±13 7.9±1.4 Jupiter trojan (L4) type D; binary irregular shape; contact binary [79] · [79]
Sila
79360
124.5+15
−15.5
10.8±0.22 cubewano; binary [80] · M
2007 RW10
309239
123.5±15 quasi-satellite of Neptune [30] · M
Juno
3
Juno from Hooker telescope.jpg
123.298±5.927 27.3±2.9 belt asteroid type S irregular shape[69] [67] · [68]
Altjira
148780
123+19
−70
cubewano; binary [26] · M
Cybele
65
65 Cybele.png
118.63±2.1 13.6±3.1 outer belt asteroid type C irregular shape [81] · [68]
Nunam
79360
118+14
−15
secondary of 79360 Sila [80] · M
2001 QC298 117.5+10.5
−11.5
11.88±0.14 cubewano; binary [26] · [26]
Psyche
16
Psyche asteroid eso crop.jpg
116.667 24.1±3.2 belt asteroid type M irregular shape [82] · [83]
Patientia
451
112.89±2.282 10.9±5.3 belt asteroid type C irregular shape [67] · [68]
2014 NW65
523727
≈ 112.5 centaur [5] · M
Ceto
65489
Ceto-phorcys hst.jpg
111.5±5 5.4±0.4 extended centaur; binary [30] · [84]
2001 FP185
82158
111.295 SDO [85] · M
Herculina
532
532Herculina (Lightcurve Inversion).png
111.195±2.4 asteróide tipo correia S forma irregular [69] [81]  · M
S / 2007 (148780) 1
Altjira I
110,5 +17
−62,5
secundário de 148780 Altjira [26]  · M
Bamberga
324
Potw1749a Bamberga crop.png
110,346 ± 0,721 10,3 ± 1 asteróide do cinto tipo C forma irregular [67]  · [68]
Doris
48
A570.M936.shape.png
108,237 ± 2,379 6,12 ± 2,96 asteróide do cinto tipo C forma irregular [67]  · [68]
Quíron
2060 ou 95P
2060 Chiron Hubble.jpg
107,8 ± 4,95 centauro tem anéis [18]  · M
Egeria
13
13Egeria (Lightcurve Inversion).png
107,365 ± 5,765 8,82 ± 4,25 asteróide tipo correia G forma irregular [68]  · [68]
Íris
7
Iris asteroid eso.jpg
107 ± 2,5 13,75 ± 1,3 asteróide tipo correia S forma irregular [86]  · [86]
Phoebe
Saturn IX
Phoebe cassini.jpg
106,56 ± 0,76 8,292 ± 0,01 lua de Saturno anteriormente redonda [87] [6]  · [6]
S / 2012 (38628) 1
Huya I
Huya Hubble.png
106,5 ± 15 lua de 38628 Huya [18]  · M
Deucalion
53311
≈ 106 cubewano [22]  · M
2015 TH 367 ≈ 105,5 centauro [5]  · M
Camilla
107
107Camilla (Lightcurve Inversion).png
105,185 ± 4,163 11,2 ± 0,3 asteróide do cinto externo tipo C ; trinário forma irregular [88] [67]  · [68]
Fortuna
19
103,45 ± 3,245 8,6 ± 1,46 asteróide tipo correia G forma irregular [68]  · [68]
Thisbe
88
88Thisbe (Lightcurve Inversion).png
102,2 ± 4,56 15,3 ± 3,1 asteróide do cinto tipo B forma irregular [88] [68]  · [68]
Eugenia
45
101,164 ± 1,084 5,63 ± 0,0003 asteróide do cinto tipo F ; trinário forma irregular [69] [67]  · [89]
Lenda:

centauro – asteróides que orbitam entre os planetas exteriores
Trojan Jupiter – asteróides localizados nos pontos Lagrange L 4 e L 5 de Júpiter

De 50 a 99 km 

Esta lista contém uma seleção de objetos com raio de 50 e 99 km (diâmetro médio de 100 km a 199 km). Os objetos listados atualmente incluem a maioria dos objetos no cinturão de asteróides e luas dos planetas gigantes nessa faixa de tamanho, mas muitos objetos recém-descobertos no Sistema Solar externo estão ausentes, como os incluídos na referência a seguir. [22] Os tipos espectrais de asteróides são principalmente roubados, mas alguns podem ser SMASS.

Corpo [nota 1] Imagem Raio [nota 2]
( km )
Massa
( 10 18  kg )
Tipo – notas Refs [nota 6]
 · M
Chicago
334
99,385 ± 2,799 5,06 ± 5,63 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Bienor
54598
99 +3
−3,5
centauro [90]  · M
Themis
24
A609.M1006.shape.png
97,759 ± 2,179 5,89 ± 1,91 asteróide do cinto tipo C ; Família Themis [67]  · [68]
Larissa
Netuno VII
Larissa 1.jpg
97 ± 5,4 ≈ 4.2 lua de Netuno [91]  · [e]
Ursula
375
375Ursula-LB1.jpg
96,815 ± 1,26 8,45 ± 5,26 asteróide do cinto tipo C [77]  · [68]
S / 2002 (2001 QC 298 ) 1
2001 QC 298 I
96 +9
−10
secundário de 2001 QC 298 [26]  · M
S / 2018 (532037) 1
2013 AF 27 I
2013 FY27 small.png
95 lua de (532037) 2013 FY 27 [27]  · M
Anfitrito
29
Potw1749a Amphitrite crop.png
94,779 ± 0,565 12,9 ± 2 asteróide tipo correia S [67]  · [68]
Daphne
41
94,5 ± 0,5 6,31 ± 0,11 asteróide do cinto tipo C ; binário [93]  · [68]
Aurora
94
94Aurora (Lightcurve Inversion).png
93,75 ± 3,628 6,23 ± 3,64 asteróide do cinto tipo C [71]  · [68]
Hermione
121
121Hermione (Lightcurve Inversion).png
93,5 ± 3 4,97 ± 0,33 asteróide do cinto externo tipo C ; binário [94]  · [68]
Bertha
154
93,425 ± 0,915 9,19 ± 5,2 asteróide do cinto tipo C [68]  · [68]
Hebe
6
6hebe.png
92,59 ± 1,45 13,9 ± 1 asteróide tipo correia S [81]  · [68]
Metis
9
9Metis (Lightcurve Inversion).png
91.506 8,39 ± 1,67 asteróide tipo correia S [67]  · [68]
Elektra
130
130Elektra (Lightcurve Inversion).png
90,326 ± 1,349 6,6 ± 0,4 asteróide do cinto tipo G ; trinário [67]  · [95]
Loreley
165
165Loreley (Lightcurve Inversion).png
90,042 ± 1,032 ≈ 19,1 ± 1,9 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Janus
Saturn X
PIA12714 Janus crop.jpg
89,5 ± 1,4 1,889 ± 0,001 lua de Saturno [6]  · [6]
Teharonhiawako
88611
Teharonhiawako-sawiskera hst.jpg
89 +16
−18
2,44 ± 0,032 cubewano ; binário [26]  · [96]
Nemesis
128
88,97 ± 1,035 5,97 ± 2,56 asteróide do cinto tipo C [77]  · [68]
Aegle
96
88,887 ± 0,772 6,48 ± 6,26 asteróide tipo correia T [67]  · [68]
Diotima
423
423Diotima (Lightcurve Inversion).png
87,929 ± 31,927 6,91 ± 1,93 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
S / 2015 (136472) 1
Makemake I
Makemake with moon.JPG
.5 87,5 lua de Makemake [97]  · M
Galatea
Netuno VI
Galatea moon.jpg
87,4 ± 4,9 2,12 ± 0,08 lua de Netuno [91]  · [98]
Aletheia
259
87,159 ± 0,527 7,79 ± 0,43 asteróide tipo cinto CP / tipo X [67]  · [68]
Phorcys
Ceto I
Ceto-phorcys hst.jpg
87 +8
−9
1,67 secundário de 65489 Ceto [84]  · [84]
Palma
372
372Palma (Lightcurve Inversion).png
86,821 ± 1,42 5,15 ± 0,64 asteróide do cinto tipo B [70]  · [68]
Alauda
702
702Ala-mag13-occult.jpg
86,145 ± 27,69 6,057 ± 0,36 asteróide do cinto tipo C ; binário [70]  · [99]
Winchester
747
747Winchester (Lightcurve Inversion).png
85,855 ± 1,55 3,81 ± 2,22 asteróide do cinto tipo C [81]  · [68]
Aspasia
409
409Aspasia (Lightcurve Inversion).png
85,506 ± 0,578 11,8 ± 2,3 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Hilda
153
Hilda-LB1-mag14.jpg
85,315 ± 1,65 asteróide do cinturão externo; Hildas [81]  · M
Pretória
790
85,185 ± 1,3 4,58 ± 0,28 asteróide do cinto externo tipo P ; Cibele asteróide [81]  · [68]
Himalia
Jupiter VI
Cassini-Huygens Image of Himalia.png
85 4,2 ± 0,6 lua de Júpiter [3]  · [100]
Namaka
Haumea II
Haumea Hubble.png
≈ 85 1,79 ± 1,48 lua de Haumea [15]  · [15]
Weywot
Quaoar I
Quaoar-weywot hst.jpg
≈ 85 lua de 50000 Quaoar
Germania
241
84,45 ± 1,55 ≈ 0,86 ± 5 asteróide tipo cinturão CP / tipo B [81]  · [68]
Freia
76
76Freia (Lightcurve Inversion).png
84,18 ± 0,975 1,97 ± 4,2 asteróide do cinto externo tipo P / tipo X ; Cibele asteróide [77]  · [68]
Rhadamanthus
38083
≈ 84 objeto trans-netuniano [22]  · M
Kalliope
22
83,768 ± 1,527 8,16 ± 0,26 asteróide do cinto tipo M ;binary [67]  · [101]
Stereoskopia
566
83,691 ± 1,747 asteróide do cinto externo tipo C ; Cibele asteróide [67]  · M
Amalteia
Júpiter V
Amalthea (moon).png
83.5±2 2.08±0.15 moon of Jupiter [102] · [103]
Agamemnon
911
83.33±1.95 Jupiter trojan (L4) type D [81] · M
Elpis
59
82.559±2.253 3±0.5 belt asteroid type CP/type B [67] · [68]
Siegena
386
386Siegena (Lightcurve Inversion).png
82.505±1.35 8.14±1.58 belt asteroid type C [81] · [68]
Sycorax
Uranus XVII
Sycorax.jpg
82.5+18
−21
moon of Uranus [39] · M
Puck
Uranus XV
Puck.png
81±2 moon of Uranus [104] · M
Prokne
194
80.834±0.626 2.68±0.29 belt asteroid type C [67] · [68]
Eunike
185
80.232±1.008 3.56±2.61 belt asteroid type C [67] · [68]
Manwë
385446
Manwe-thorondor hst.jpg
80+12
−22
1.94±0.036 resonant KBO (4:7); binary [105] · [105]
Gyptis
444
79.666±0.245 10.6±2.8 belt asteroid type C [67] · [68]
Despina
Neptune V
Despina.jpg
78±4.7 moon of Neptune [91] · M
Hypatia
238
77.829±0.376 4.9±1.7 belt asteroid type C [67] · [68]
Merapi
536
77.585±1.765 ≈ 26.1±4.7 belt asteroid type X [68] · [68]
Lachesis
120
77.566±0.567 belt asteroid type C [67] · M
Io
85
85Io (Lightcurve Inversion).png
77.395±1.9 2.57±1.48 belt asteroid type FC/type B [81] · [68]
Bononia
361
77.167±1.345 belt asteroid type D [67] · M
Minerva
93
93Minerva (Lightcurve Inversion).png
77.078±0.649 3.5±0.4 belt asteroid type C; trinary [67] · [68]
Alexandra
54
54Alexandra (Lightcurve Inversion).png
77.069±0.318 6.16±3.5 belt asteroid type C [67] · [68]
Laetitia
39
76.9±2.07 4.72±1.14 belt asteroid type S [68] · [68]
2004 TT357 76.25±5[f] resonant KBO (2:5); contact binary [106] · M
Berbericia
776
776Berbericia (Lightcurve Inversion).png
75,855 ± 0,439 2,2 ±2.71 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Juewa
139
139Juewa 20130831 (Multichord Occultation).jpg
75,558 ± 0,798 5,54 ±2.2 asteróide tipo cinto CP / tipo X [67]  · [68]
Parthenope
11
75,24 ± 1,03 5,91 ± 0,45 asteróide tipo correia S [77]  · [68]
Pales
49
74,9 4,22 ± 2,15 asteróide do cinto tipo C [81]  · [68]
Adeona
145
74,75 ± 2,725 2,08 ± 0,57 asteróide do cinto; Família Adeona [68]  · [68]
Eleonora
354
354Eleonora (Lightcurve Inversion).png
74,485 ± 0,213 7,18 ± 2,57 asteróide tipo correia S [67]  · [68]
Comacina
489
74,064 ± 1,94 asteróide tipo correia S [81]  · M
1998 WW 31
2000 (1998 WW31) 1.jpg
≈ 74 2,66 ± 0,02 cubewano ; binário [107]  · [107]
Arethusa
95
95Arethusa (Lightcurve Inversion).png
73,962 ± 2,446 asteróide do cinto tipo C [71]  · M
Flora
8
8Flora (Lightcurve Inversion).png
73,746 ± 0,513 ≈ 9,17 ± 1,75 asteróide do cinto tipo S ; Família Flora [67]  · [68]
Pulcova
762
762Pulcova-SwRI.gif
73,672 ± 0,409 1,4 ± 0,1 asteróide do cinto tipo F ; binário [67]  · [108]
Hispania
804
73,505 ± 0,965 5 ± 1,78 asteróide tipo correia P [77]  · [68]
Lomia
117
73,39 6,08 ± 0,63 asteróide tipo cinturão X [68]  · [68]
Dione
106
73,295 ± 1,4 3,06 ± 1,54 asteróide tipo correia G [81]  · [68]
Julia
89
Potw1749a Julia crop.png
72,742 ± 0,633 6,71 ± 1,82 asteróide tipo correia S [67]  · [68]
Sibylla
168
72,683 ± 1,609 3,92 ± 1,8 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Philomela
196
196Philomela (Lightcurve Inversion).png
72,313 ± 2,043 4 ± 1,53 asteróide tipo correia S [67]  · [68]
Irene
14
14Irene (Lightcurve Inversion).png
72,045 ± 0,97 2,91 ± 1,88 asteróide tipo correia S [77]  · [68]
Meliboea
137
71,885 ± 1,255 7,27 ± 3,07 asteróide do cinto tipo C [77]  · [68]
Aglaja
47
70,95 ± 4,36 3,25 ± 1,68 asteróide do cinto tipo C [68]  · [68]
Vibilia
144
70,67 ± 1,38 5,3 ± 1,2 asteróide do cinto tipo C [81]  · [68]
Isolda
211
70,563 ± 1,243 4,49 ± 2,43 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Adorea
268
70,294 ± 1,591 3,25 ± 2,26 tipo de asteróide do cinto FC [71]  · [68]
Pátroclo
617
617 Patroclus Hubble.jpg
70,181 ± 0,434 1,36 ± 0,11 Trojan de Júpiter ( L 5 ) tipo P ; binário [67]  · [68]
Dido
209
70,175 ± 5,06 4,59 ± 7,42 asteróide do cinto tipo C [68]  · [68]
Dembowska
349
349Dembowska (Lightcurve Inversion).png
69,715 ± 2,15 3,58 ±1.03 asteróide tipo correia R [81]  · [68]
Princetonia
508
69,845 ± 1,155 2,99 ± 0,65 asteróide do cinto tipo C [77]  · [68]
Melpomene
18
A601.M993.shape.png
69,797 ± 1,226 3 asteróide tipo correia S [67]  · [49]
Bertholda
420
69,349 ± 1,723 ≈ 14,8 ± 0,9 asteróide do cinto externo tipo P [67]  · [68]
Hedwig
476
69.247±0.488 belt asteroid type P [67] · M
Nemausa
51
51Nemausa 20160903 (OccultationAndInversion).jpg
69.079±0.483 2.48±0.86 belt asteroid type G [67] · [68]
Hesperia
69
69Hesperia (Lightcurve Inversion).png
69.065±2.35 5.86±1.18 belt asteroid type M [81] · [68]
Typhon
42355
Typhon-echidna hst.jpg
69±4.5 0.87±0.03 SDO; resonant KBO (7:10); extended centaur; binary [90] · [109]
Liguria
356
68.28±0.94 ≈ 7.83±1.5 belt asteroid type C [77] · [68]
Medea
212
68.06±1.25 ≈ 13.2±1 belt asteroid type DCX [81] · [68]
Massalia
20
A112.M119.shape.png
67.84±1.837 5±1.04 belt asteroid type S [70] · [68]
Portia
Uranus XII
Uranus-Portia-Cressida-Ophelia-NASA.gif
67,6 ± 4 lua de urano [3]  · M
Wratislávia
690
690Wratislavia (Lightcurve Inversion).png
67,325 ± 1,9 ≈ 12,8 ±0.3 tipo de asteróide de cinto CPF [81]  · [68]
Eukrate
247
247Eukrate 20180512 (OccultationAndInversion).png
67,215 ± 1,25 asteróide tipo correia CP / tipo Xc [81]  · M
Papagena
471
471Papagena (Lightcurve Inversion).png
67,095 ± 2,6 3,05 ± 1,73 asteróide tipo correia S [77]  · [68]
Protogeneia
147
147Protogeneia (Lightcurve Inversion).png
66,465 ± 2,55 ≈ 12,3 ± 0,5 asteróide do cinto tipo C [81]  · [68]
Emma
283
283Emma (Lightcurve Inversion).png
66,193 ± 0,129 1,38 ± 0,03 asteróide do cinto tipo X ; binário [67]  · [68]
Erminia
705
66,131 ± 0,589 asteróide tipo cinturão X [67]  · M
Lumen
141
66,08 ± 0,755 ≈ 8,25 ± 5,77 asteróide do cinto tipo C [77]  · [68]
Paha
Lempo II
1999TC36-Trujillo-HST.png
66 +4
−4,5
0,746 ± 0,001 lua de 47171 Lempo [74]  · [110]
Lucina
146
146Lucina (Lightcurve Inversion).png
65.947 asteróide do cinto tipo C [111]  · M
Sawiskera Teharonhiawako
I
Teharonhiawako-sawiskera hst.jpg
65,5 +12
−13
secundário de 88611 Teharonhiawako [26]  · M
Kleopatra
216
Kleopatra.jpg
65,333 4,64 ± 0,02 asteróide do cinto tipo M ;trinário [112]  · [68]
Aquiles
588
65,049 ± 0,277 Trojan de Júpiter ( L 4 ) tipo DU [67]  · M
Lamberta
187
64,938 ± 1,217 1,8 ± 0,85 asteróide do cinto tipo C [67]  · [68]
Carlova
360
360Carlova (Lightcurve Inversion).png
64,563 ± 1,416 asteróide do cinto tipo C [67]  · M
Klymene
104
64.495±1.901 belt asteroid type C [67] · M
Ornamenta
350
350Ornamenta (Lightcurve Inversion).png
64.365±0.599 belt asteroid type C [67] · M
Polyxo
308
64.289±0.779 belt asteroid type T [67] · M
Dynamene
200
64.151±0.973 ≈ 1.07±0.16 belt asteroid type C [67] · [68]
Desiderata
344
62.985±0.689 1.39±0.48 belt asteroid type C [71] · [68]
Panopaea
70
63.956±0.373 4.33±1.09 belt asteroid type C; Eunomia family [67] · [68]
Thule
279
63.295±1.85 belt asteroid type D [81] · M
Tanete
772
772Tanete 20171021 (Multichord Occultation).jpg
63.237±0.649 belt asteroid type C [67] · M
Ate
111
63.172±0.117 1.76±0.44 belt asteroid type C [67] · [68]
Borasisi
66652
Borasisi-pabu hst.jpg
63+12.5
−25.5
3.433±0.027 cubewano; binary [26] · [113]
Ino
173
62.911±0.745 4.79±3.11 belt asteroid type X [67] · [68]
Charybdis
388
62.877±0.944 belt asteroid type C [67] · M
Aemilia
159
62.618±0.596 belt asteroid type C [67] · M
Pompeja
203
62.296±0.539 belt asteroid type DCX [70] · M
Aurelia
419
62.235±1.54 1.72±0.34 belt asteroid type F [68] · [68]
Hestia
46
62.07±1.7 3.5 belt asteroid type P/type Xc [81] · [114]
Boliviana
712
62.063±0.632 belt asteroid type C/type X [70] · M
2006 SQ372
308933
308933-2006sq372 hst.jpg
≈ 62 extended centaur [5] · M
Argentina
469
61.555±0.825 4.53±1.76 belt asteroid type X; Cybele asteroid [77] · [68]
S/2000 (1998 WW31) 1
1998 WW31 I
2000 (1998 WW31) 1.jpg
≈ 61.5 secondary of 1998 WW31 [107] · M
Gudrun
328
61.295±1.86 3.16±0.46 belt asteroid type S [68] · [68]
Leto
68
68Leto (Lightcurve Inversion).png
61.255±1.569 3.28±1.9 belt asteroid type S [67] · [68]
2001 QG298
139775
≈ 61 plutino; contact binary [115] · M
Elfriede
618
60.77±0.795 belt asteroid type C [77] · M
Hippo
426
60.645±1.125 belt asteroid type F [77] · M
Undina
92
60.465±0.85 4.43±0.25 belt asteroid type X [77] · [68]
Bellona
28
28Bell-LB1-mag12.jpg
60.45±1.9 2.62±0.15 belt asteroid type S [116] · [68]
Diana
78
60.3±1.35 1.27±0.13 belt asteroid type C [117] · [68]
Myrrha
381
60.29±1.35 ≈ 9.18±0.8 outer belt asteroid type C [81] · [68]
Anchises
1173
60.245±1.455 Jupiter trojan (L5) type P [77] · M
Armida
514
60.047±0.395 belt asteroid type XC [118] · M
Antigone
129
129Antigone (Lightcurve Inversion).png
59.72±1.955 2.65±0.89 belt asteroid type M [68] · [68]
Nuwa
150
59.564±0.935 1.62±0.2 belt asteroid type C [119] · [68]
Veritas
490
59.402±0.915 5.99±2.23 belt asteroid type C; Veritas family [120] · [68]
Paris
3317
59.395±0.588 Jupiter trojan (L5) type T [121] · M
Galatea
74
59.355±1.4 6.13±5.36 belt asteroid type C [122] · [68]
Deiphobus
1867
59.11±0.808 Jupiter trojan (L5) type D [123] · M
Äneas
1172
59.01±0.403 Jupiter trojan (L5) type D [124] · M
Diomedes
1437
58.893±0.59 Jupiter trojan (L4) type D [125] · M
Terpsichore
81
58.864±0.367 6.19±5.31 belt asteroid type C [126] · [68]
Ani
791
58.433±0.512 belt asteroid type C [127] · M
Freda
1093
58.365±1.45 belt asteroid type C [128] · M
Ulla
909
58.22±1.2 belt asteroid type X; Ulla family [129] · M
Zelinda
654
58.151±1.189 1.35±0.14 belt asteroid type C [67] · [68]
Chloris
410
58.123±0.422 ≈ 6.24±0.3 belt asteroid type C [67] · [68]
Epimetheus
Saturn XI
PIA09813 Epimetheus S. polar region.jpg
58.1±1.8 5.266±0.006 moon of Saturn [6] · [6]
Johanna
127
127Johanna (Lightcurve Inversion).png
58.07±1.965 3.08±1.35 belt asteroid type C [130] · [68]
Circe
34
34Circe (Lightcurve Inversion).png
57.745±0.989 ≈ 3.66±0.03 belt asteroid type C [67] · [68]
Leda
38
38Leda (Lightcurve Inversion).png
57.705±0.665 5.71±5.47 belt asteroid type C [68] · [68]
Eucharis
181
57.692±0.732 belt asteroid type S/type Xk [131] · M
Victoria
12
12Victoria (Lightcurve Inversion).png
57.544±0.599 2.45±0.46 belt asteroid type S [132] · [68]
Adelheid
276
276Adelheid (Lightcurve Inversion).png
57.362±1.638 belt asteroid type X [133] · M
Odysseus
1143
57.312±0.296 Jupiter trojan (L4) type D [134] · M
Alcathous
2241
56.841±0.858 Jupiter trojan (L5) type D [135] · M
Melete
56
56Melete (Lightcurve Inversion).png
56.62±0.85 4.61 belt asteroid type P [81] · [68]
Messalina
545
56.316±0.612 belt asteroid type C [136] · M
Mnemosyne
57
56.295±1.4 ≈ 12.6±2.4 belt asteroid type S [137] · [68]
Nestor
659
56.16±0.925 Jupiter trojan (L4) type XC [138] · M
Sophrosyne
134
≈ 56.094 belt asteroid type C [111] · M
Gǃòʼé ǃHú
Gǃkúnǁʼhòmdímà I
2007 UK126 Hubble (crop).png
56±38 moon of 229762 Gǃkúnǁʼhòmdímà [139] · M
Makhaon
3063
55.828±0.772 Jupiter trojan (L4) type D [140] · M
Atalante
36
36Atalante (Lightcurve Inversion).png
55.27±0.785 4.32±3.8 belt asteroid type C [77] · [68]
Athamantis
230
230Athamantis (Lightcurve Inversion).png
55.666±0.616 1.89±0.19 belt asteroid type S [77] · [68]
Hohensteina
788
55.648±0.392 belt asteroid [67] · M
Harmonia
40
40Harmonia (Lightcurve Inversion).png
55.626±0.196 belt asteroid type S [141] · M
Marianna
602
55.222±1.517 10.2±0.5 belt asteroid type C [142] · [68]
Xanthippe
156
55.205 ≈ 6.49±3.71 belt asteroid type C [111] · [68]
Scheila
596
596 Scheila, 5 minute exposure, Dec. 12, 2010.jpg
55.204±0.997 belt asteroid type PCD/type T [143] · M
Semele
86
54.965±0.305 belt asteroid type C [67] · M
Eurterpe
27
27Euterpe (Lightcurve Inversion).png
54.895±0.77 1.67±1.01 belt asteroid type S [77] · [68]
Siwa
140
54.895±1.5 belt asteroid type P/type Xc [81] · M
Helio
895
54.784±0.994 9.87±6.05 outer belt asteroid type B [67] · [68]
Thia
405
54.447±0.156 1.38±0.14 belt asteroid type C [67] · [68]
Antilochus
1583
54.421±0.272 Jupiter trojan (L4) type D [67] · M
Fides
37
37Fides (Lightcurve Inversion).png
54.175±0.95 belt asteroid type S [144] · M
Gerlinde
663
53.898±0.786 belt asteroid type X [145] · M
Thalia
23
23Thalia (Lightcurve Inversion).png
53.765±1.1 1.96±0.09 belt asteroid type S [146] · [68]
Brixia
521
53.614±0.247 belt asteroid type C [147] · M
Iduna
176
53.488±0.54 belt asteroid type G [148] · M
Erato
62
62Erato (Lightcurve Inversion).png
53.461±0.329 belt asteroid type BU/type Ch; Themis family [149] · M
Astraea
5
5Astraea (Lightcurve Inversion).png
53.349±1.57 2.9 belt asteroid type S [150] · [114]
Ianthe
98
98Ianthe (Lightcurve Inversion).png
53.08±1.88 0.893±0.199 belt asteroid type C [68] · [68]
Ninina
357
53.05±1.1 belt asteroid type CX [81] · M
Albion
15760
≈ 53 cubewano; classification name derived from its former designation 1992 QB1 [5] · M
Marion
506
52.97±1.3 belt asteroid type XC [151] · M
Adelinda
229
52.956±0.889 belt asteroid type BCU [152] · M
Ophelia
171
52.507±1.772 belt asteroid type C; Themis family [67] · M
Pabu
Borasisi I
Borasisi-pabu hst.jpg
52.5+10
−21
secondary of 66652 Borasisi [26] · M
Rollandia
1269
52.447±0.521 outer belt asteroid type D [153] · M
Mandeville
739
52.259±0.809 1.16±1.07 belt asteroid type X [154] · [68]
Corduba
365
52.255±1.21 ≈ 5.84±0.95 belt asteroid type X/type C [68] · [68]
Eos
221
51.76±2.8 ≈ 5.87±0.34 belt asteroid type S/type K [68] · [68]
Aegina
91
51.701±0.242 belt asteroid type C [155] · M
Leukothea
35
35Leukothea (Lightcurve Inversion).png
51.528±0.601 belt asteroid type C [156] · M
Menoetius
Patroclus I
617 Patroclus Hubble.jpg
51.4±0.25 secondary of 617 Patroclus [157] · M
Isis
42
42Isis (Lightcurve Inversion).png
51.365±1.365 1.58±0.52 belt asteroid type S [68] · [68]
Tauris
814
51.115±1.069 belt asteroid type C [158] · M
Helga
522
50.61±1.75 belt asteroid type X; Cybele asteroid [159] · M
Flammario
1021
50.383±0.804 5.14±0.12 belt asteroid type F [67] · [68]
Klotho
97
97Klotho (Lightcurve Inversion).png
50.359±0.321 1.33±0.13 belt asteroid type M [67] · [68]
Aquitania
387
50.255±1.45 1.8 belt asteroid type S [160] · [114]
Troilus
1208
50.239±0.549 Jupiter trojan (L5) type FCU [161] · M
Eva
164
50.127±0.469 0.929±0.776 belt asteroid type CX/type X[162] [162] · [68]

From 20 to 49 km

This list contains a few examples because there are about 589 asteroids in the asteroid belt with a measured radius between 20 and 49 km.[163] Many thousands of objects of this size range have yet to be discovered in the trans-Neptunian region. The number of digits is not an endorsement of significant figures. The table switches from ×1018 kg to ×1015 kg (Eg). Most mass values of asteroids are assumed.[68][49]

Body[note 1] Image Radius[note 2]
(km)
Mass
(1015 kg)
Type – notes Refs[note 6]
r · M
Asterope
233
49.836±0.573 belt asteroid type T/type K [164] · M
Pholus
5145
49.5+7.5
−7
centaur [90] · M
Nausikaa
192
192Nausikaa (Lightcurve Inversion).png
49.388±0.619 1790±420 belt asteroid type S [165] · [68]
Thebe
Jupiter XIV
Thebe.jpg
49.3±2 moon of Jupiter [102] · M
Lutetia
21
Rosetta triumphs at asteroid Lutetia.jpg
49±1 1700±17 belt asteroid type M [166] · [167]
Luscinia
713
48.984±0.438 outer belt asteroid type C [168] · M
Kalypso
53
53Kalypso (Lightcurve Inversion).png
48.631±13.299 ≈ 5630±5000 belt asteroid type XC [169] · [68]
Laurentia
162
162Laurentia (Lightcurve Inversion).png
48.511±0.247 belt asteroid type STU/type Ch[170] [170] · M
Tercidina
345
345Tercidina (Lightcurve Inversion).png
48.4325±0.4905 2680±1180 belt asteroid type C [67] · [68]
Notburga
626
48.42±2.335 3240±1300 belt asteroid type CX/type Xc [68] · [68]
Henrietta
225
47.967±0.625 belt asteroid type F; Cybele asteroid [171] · M
Abastumani
1390
47.925±1.142 outer belt asteroid type P [172] · M
Euforbo
4063
47.809±0.339 Jupiter trojan (L4) type D [173] · M
Tisiphone
466
47.748±0.175 belt asteroid type C [174] · M
Adria
143
47.689±0.349 belt asteroid type C [175] · M
Arsinoë
404
47.485±0.476 3420±3030 belt asteroid type C [176] · [68]
Artemis
105
47.432±11.611 1540±540 belt asteroid type C [177] · [68]
Proserpina
26
A713.M1189.shape.png
47.4±0.85 748±895 belt asteroid type S [178] · [68]
Philosophia
227
47.318±1.278 belt asteroid [67] · M
Kolga
191
47.268±0.217 belt asteroid type XC/type Cb [179] · M
Andromache
175
47.266±0.542 belt asteroid type C [180] · M
Kassandra
114
47.089±0.477 belt asteroid type T [181] · M
Juliet
Uranus XI
Julietmoon.png
46.8±4 moon of Uranus [3] · M
Urania
30
30Urania (Lightcurve Inversion).png
46.394±1.02 1740±490 belt asteroid type S [182] · [68]
Thorondor
Manwë I
Manwe-thorondor hst.jpg
46+7
−13
moon of 385446 Manwë [105] · M
Irmintraud
773
45.836±0.45 belt asteroid type D/type T [183] · M
Ausonia
63
63Ausonia (Lightcurve Inversion).png
45.816±2.181 1530±150 belt asteroid type S [67] · [68]
Polyxena
595
595Polyxena (Lightcurve Inversion).png
45.324±0.724 outer belt asteroid [184] · M
Beatrix
83
44.819±1.326 belt asteroid type X [67] · M
Concordia
58
44.806±0.419 belt asteroid type C [67] · M
Teucer
2797
44.715±0.378 Jupiter trojan (L4) type D [185] · M
Echidna
Typhon I
Typhon-echidna hst.jpg
44.5±3 moon of 42355 Typhon [109] · M
Alkeste
124
124Alkeste 20030624 (MultichordOccultation).jpg
44.324±0.826 belt asteroid type S [186] · M
Automedon
2920
44.287±0.898 Jupiter trojan (L4) type D [187] · M
Vanadis
240
43.964±0.808 1100±920 belt asteroid type C [188] · [68]
Ottilia
401
43.902±0.218 belt asteroid type C [189] · M
90 Antiope
90 Antiope.gif
43.9±0.5 828±22 belt asteroid type C; binary [190] · [190]
Kythera
570
43.743±0.392 outer belt asteroid type T [191] · M
Hermentaria
346
43.224±0.963 6330±180 belt asteroid type S [192] · [68]
Prometheus
Saturn XVI
Prometheus 12-26-09a.jpg
43.1±2.7 159.5±1.5 moon of Saturn [6] · [6]
Lydia
110
110Lydia (Lightcurve Inversion).png
43.045±1 belt asteroid type M/type X [193] · M
Elara
Jupiter VII
Elara2-LB1-mag17.jpg
≈ 43 moon of Jupiter [3] · M
Danaë
61
42.969±1.076 2890±2780 belt asteroid type S [194] · [68]
Hekate
100
42.867±0.981 belt asteroid type S [195] · M
Thetis
17
17Thetis-LB1.jpg
42.449±1.014 1200 belt asteroid type S [196] · [49]
Pandora
55
55Pandora (Lightcurve Inversion).png
42.397±1.251 belt asteroid type M [197] · M
Huenna
379
42.394±0.779 383±19 belt asteroid type B/type C; binary [198] · [95]
Virginia
50
42.037±0.121 2310±700 belt asteroid type X/type Ch [199] · [68]
Feronia
72
41.975±2.01 ≈ 3320±8490 belt asteroid type TDG [68] · [68]
Hera
103
41.954±1.046 belt asteroid type S [200] · M
S/2000 (90) 1
Antiope I
90 Antiope.gif
41.9±0.5 secondary of 90 Antiope [190] · M
Miriam
102
41.298±0.2 belt asteroid type P/type C [201] · M
Felicitas
109
41.294±0.308 belt asteroid type GC/type Ch[202] [202] · M
Poulydamas
4348
41.016±0.313 Jupiter trojan (L5) type C [203] · M
Logos
58534
41±9 458±6.9 cubewano; binary [204] · [204]
Pandora
Saturn XVII
Pandora PIA07632.jpg
40.7±1.5 137.1±1.9 moon of Saturn [6] · [6]
Thalassa
Neptune IV
Neptune Trio.jpg
40.7±2.8 moon of Neptune [91] · M
S/2007 (119979) 1
2002 WC19 I
≈ 40.5 moon of (119979) 2002 WC19 [66] · M
Gallia
148
40.435±0.52 ≈ 4890±1670 belt asteroid type GU/type S [77] · [68]
Niobe
71
71Niobe (Lightcurve Inversion).png
40.43±0.4 belt asteroid type S [77] · M
Asbolus
8405
40.415 centaur [205] · M
Pomona
32
32Pomona (Lightcurve Inversion).png
40.38±0.8 belt asteroid type S [206] · M
Belinda
Uranus XIV
Belinda.gif
40.3±8 moon of Uranus [3] · M
Thyra
115
115Thyra (Lightcurve Inversion).png
39.915±0.7 belt asteroid type S [207] · M
Cressida
Uranus IX
Cressida.png
39.8±2 moon of Uranus [3] · M
Hertha
135
135Hertha (Lightcurve Inversion).png
39.62±1 belt asteroid type M [208] · M
Amycus
55576
38.15±6.25 centaur [58] · M
Hylonome
10370
10370 Hylonome Hubble.jpg
37.545 centaur [209] · M
Gaussia
1001
36.356±0.149 outer belt asteroid type PC [210] · M
Klio
84
39.16±0.48 belt asteroid type G/type Ch [77] · M
1974 FV1
3708
37.831±0.404 Jupiter trojan (L5) type C [67] · M
Nysa
44
44Nysa (Lightcurve Inversion).png
37.83±0.37 belt asteroid type E [77] · M
Hecuba
108
37.749±0.946 belt asteroid type S [211] · M
Cyrene
133
36.088±0.466 belt asteroid type S [212] · M
Rosalind
Uranus XIII
Rosalindmoon.png
36±6 moon of Uranus [3] · M
Caliban
Uranus XVI
Caliban feat.png
≈ 36 moon of Uranus [3] · M
Maja
66
A737.M1234.shape(1).png
35.895±0.46 belt asteroid type C [77] · M
Sirona
116
35.85±2.9 belt asteroid type S [213] · M
Ariadne
43
43Ariadne (Lightcurve Inversion).png
35.67±0.627 ≈ 1210±220 belt asteroid type S [214] · [68]
Iphigenia
112
35.535±0.26 ≈ 1970±6780 belt asteroid type C [68] · [68]
Gerda
122
35.338±0.456 belt asteroid type ST/type L[215] [215] · M
Sappho
80
80Sappho (Lightcurve Inversion).png
34.282±0.517 belt asteroid type S [216] · M
Dike
99
99Dike (Lightcurve Inversion).png
33.677±0.208 belt asteroid type C [217] · M
Zoe
Logos I
≈ 33.5 moon of 58534 Logos [204] · M
Desdemona
Uranus X
Desdemonamoon.png
32±4 moon of Uranus [3] · M
Helena
101
32.92±0.65 belt asteroid type S [218] · M
Echeclus
60558 or 174P
32.3±0.8 centaur [90] · M
Eurybates
3548
3548 Eurybates Hubble.jpg
31.943±0.149 Jupiter trojan (L4) type CP [67] · M
Eurynome
79
79Eurynome (Lightcurve Inversion).png
31.739±0.476 belt asteroid type S [219] · M
Eurydike
75
31.189±0.802 belt asteroid type M [220] · M
Thereus
5145
31±3 centaur [90] · M
Halimede
Neptune IX
Halimede.jpg
≈ 31 moon of Neptune [3] · M
Crantor
82982
30.795 centaur [221] · M
Frigga
77
77Frigga 20180411(TripleChordOccultation).png
30.695±0.089 ≈ 1740±680 belt asteroid type MU/type Xe[222] [222] · [68]
Phocaea
25
25Phocaea (Lightcurve Inversion).png
30.527±1.232 599±60 belt asteroid type S [67] · [68]
Naiad
Neptune III
Naiad Voyager.png
30.2±3.2 moon of Neptune [91] · M
Schwassmann–
Wachmann 1
29P
29P Schwassmann Wachmann.jpg
30.2±3.7 comet [223] · M
Hale–Bopp
C/1995 O1
Comet Hale-Bopp 1995O1.jpg
30±10 comet [224] · M
Neso
Neptune XIII
≈ 30 moon of Neptune [3] · M
Angelina
64
60Echo (Lightcurve Inversion).png
29.146±0.541 belt asteroid type E [225] · M
Alkmene
82
82Alkmene (Lightcurve Inversion).png
28.811±0.357 belt asteroid type S [226] · M
Althaea
119
119Althaea (Lightcurve Inversion).png
28.65±0.55 belt asteroid type S [227] · M
Nessus
7066
7066 Nessus Hubble.jpg
28.5±8.5 centaur [90] · M
Asia
67
28.155±0.198 ≈ 1030±100 belt asteroid type S [228] · [68]
Polana
142
27.406±0.139 belt asteroid type F [229] · M
Bianca
Uranus VIII
Biancamoon.png
27±2 moon of Uranus [3] · M
Tolosa
138
26.453±0.524 493±259 belt asteroid type S [230] · [68]
Mathilde
253
(253) mathilde crop.jpg
26.4 103.3±4.4 belt asteroid type C [231] · [232]
Hidalgo
944
Hidalgoanimation2003.gif
26.225±1.8 centaur, first to be discovered in 1920; historically called asteroid. [77] · M
Piazzia
1000
25.775±0.43 belt asteroid type C [77] · M
Orus
21900
21900 Orus Hubble.jpg
25.405±0.405 Jupiter trojan (L4) type C/type D [67] · M
Amalthea
113
25.069±0.633 belt asteroid type S; Flora family; binary [67] · M
Prospero
Uranus XVIII
Prospero discovery image.gif
≈ 25 moon of Uranus [3] · M
Liberatrix
125
125Liberatrix (Lightcurve Inversion).png
24.209±0.267 belt asteroid type M [67] · M
Setebos
Uranus XIX
Uranus - Setebos image.jpg
≈ 24 moon of Uranus [3] · M
Carme
Jupiter XI
Carmé.jpg
≈ 23 130 moon of Jupiter [3] · M
Elatus
31824
31824 Elatus Hubble.jpg
22.935 centaur [233] · M
Brunhild
123
22.605±0.942 belt asteroid type S [234] · M
Velleda
126
≈ 22.41±0.65 belt asteroid type S [235] · M
Klytia
73
73Klytia (Lightcurve Inversion).png
22.295±0.471 belt asteroid type S [236] · M
Sao
Neptune XI
≈ 22 moon of Neptune [3] · M
Echo
60
60Echo (Lightcurve Inversion).png
21.609±0.286 315±32 belt asteroid type S [237] · [68]
Metis
Jupiter XVI
Metis.jpg
21.5±2 ≈ 119.893 moon of Jupiter [102] · [238]
Aethra
132
132Aethra (Lightcurve Inversion).png
21.435±0.8 ≈ 410±2710 belt asteroid type M [239] · [68]
Ophelia
Uranus VII
Opheliamoon.png
21.4±4 moon of Uranus [3] · M
Laomedeia
Neptune XII
≈ 21 moon of Neptune [3] · M
Peitho
118
20.106±0.246 belt asteroid type S [240] · M
Cordelia
Uranus VI
Cordeliamoon.png
20.1±3 moon of Uranus [3] · M
Lacrimosa
208
208Lacrimosa (Lightcurve Inversion).png
20.028±0.297 belt asteroid type S; Koronis family [241] · M
Pasiphae
Jupiter VIII
Pasiphaé.jpg
≈ 20 moon of Jupiter [3] · M
Siarnaq
Saturn XXIX
≈ 20 moon of Saturn [3] · M
Psamathe
Neptune X
Psmathe feat.jpg
≈ 20 moon of Neptune [3] · M

From 1 to 19 km

This list contains some examples of Solar System objects between 1 and 19 km in radius. This is a common size for asteroids, comets, and moons.

Body[note 1] Image Radius[note 2]
(km)
Mass
(1015 kg)
Type – notes Refs[note 6]
r · M
Urda
167
167Urda (Lightcurve Inversion).png
19.968±0.132 belt asteroid type S; Koronis family [242] · M
Hydra
Pluto III
Hydra Enhanced Color.jpg
19.65 48±42 moon of Pluto [243] · [244]
Koronis
158
158Koronis (Lightcurve Inversion).png
19.513±0.231 belt asteroid type S; Koronis family [245] · M
Nix
Pluto II
Nix best view.jpg
19.017 45±40 moon of Pluto [243] · [244]
Sinope
Jupiter IX
Sinopé.jpg
≈ 19 moon of Jupiter [3] · M
Ganymed
1036
18.838±0.199 ≈ 167±318 Amor asteroid type S [67] · [68]
Austria
136
18.447±0.259 belt asteroid type M [246] · M
Okyrhoe
52872
18±0.6 centaur [247] · M
Lysithea
Jupiter X
Lysithea2.jpg
≈ 18 moon of Jupiter [3] · M
Helene
Saturn XII
Helene over Saturn.jpg
17.6±0.4 moon of Saturn; Dione trojan (L4) [6] · M
Hippocamp
Neptune XIV
S-2004 N1 Hubble montage.jpg
17.4 ≈ 50 moon of Neptune [91] · [91]
Leucus
11351
11351 Leucus Hubble.jpg
17.078±0.323 Jupiter trojan (L4) type D [67] · M
Albiorix
Saturn XXVI
≈ 16 moon of Saturn [3] · M
Stephano
Uranus XX
Stephano - Uranus moon.jpg
≈ 16 moon of Uranus [3] · M
S/2002 (121) 1
Hermione I
≈ 16 asteroid moon of 121 Hermione [94] · M
2014 MU69
486958
UltimaThule CA06 color 20190516.png
15.85±0.25 cubewano; contact binary; New Horizons flyby [248] · M
Weringia
226
15.747±0.155 belt asteroid type S [249] · M
Ida
243
243 Ida large.jpg
15.7 42±6 belt asteroid type S; Koronis family; binary; Galileo flyby [250] · [251]
Vala
131
15.669±0.152 belt asteroid type SU/type Xc[235] [252] · M
Comas Solà
1655
15.3±1.1 belt asteroid type B [253] · M
Beethoven
1815
15.299±0.084 belt asteroid type F [67] · M
Atlas
Saturn XV
Atlas 2017-04-12 raw preview.jpg
15.1±0.9 6.6 moon of Saturn [6] · [6]
Pan
Saturn XVIII
Pan by Cassini, March 2017.jpg
14.1±1.3 4.95 moon of Saturn [6] · [254]
Linus
Kalliope I
14±1 ≈ 60 asteroid moon of 22 Kalliope [101] · [255]
Dioretsa
20461
14±3 centaur; damocloid [256] · M
Ananke
Jupiter XII
Ananké.jpg
≈ 14 moon of Jupiter [3] · M
Perdita
Uranus XXV
13±1 moon of Uranus [3] · M
Telesto
Saturn XIII
Telesto cassini closeup.jpg
12.4±0.4 moon of Saturn; Tethys trojan (L4) [6] · M
Mab
Uranus XXVI
Mabmoon.png
12±1 moon of Uranus [3] · M
Medusa
149
11.859±0.134 belt asteroid type S [257] · M
Phobos
Mars I
Phobos colour 2008.jpg
11.267 10.659 moon of Mars [258] · [259]
Paaliaq
Saturn XX
≈ 11 moon of Saturn [3] · M
Francisco
Uranus XXII
≈ 11 moon of Uranus [3] · M
Calypso
Saturn XIV
N00151485 Calypso crop.jpg
10.7±0.7 moons of Saturn; Tethys trojan (L5) [6] · M
Polymele
15094
15094 Polymele Hubble.jpg
10.548±0.068 Jupiter trojan (L4) type P [81] · M
Leda
Jupiter XIII
≈ 10 moon of Jupiter [3] · M
Margaret
Uranus XXIII
≈ 10 moon of Uranus [3] · M
Ferdinand
Uranus XXIV
≈ 10 moon of Uranus [3] · M
Euler
2002
9.887±0.029 belt asteroid type S [260] · M
S/2000 (762) 1
Pulcova I
762Pulcova-SwRI.gif
9.5±3.5 asteroid moon of 762 Pulcova [108] · M
Cupid
Uranus XXVII
Cupidmoon.png
9±1 moon of Uranus [3] · M
Ymir
Saturn XIX
≈ 9 moon of Saturn [3] · M
Trinculo
Uranus XXI
≈ 9 moon of Uranus [3] · M
Romulus
Sylvia I
CMSylvia.png
≈ 9 93.19+207
−83
asteroid moon of 87 Sylvia [261] · [261]
Eros
433
Eros - PIA02923 (color).jpg
8.42±0.02 6.687±0.003 Amor asteroid type S; NEAR Shoemaker orbited and landed [262] · [262]
Adrastea
Jupiter XV
Adrastea.jpg
8.2±2 moon of Jupiter [3] · M
Kiviuq
Saturn XXIV
≈ 8 moon of Saturn [3] · M
S/2001 (107) 1
Camilla I
8±3 asteroid moon of 107 Camilla [263] · M
Tarvos
Saturn XXI
Tarvos from Cassini.jpg
≈ 7.5 moon of Saturn [3] · M
Herschel
2000
7.384 belt asteroid [67] · M
2002 RP120
65407
7.3±1.4 damocloid [264] · M
Kerberos
Pluto IV
Kerberos (moon).jpg
≈ 6.333 16±9 moon of Pluto [265] · [266]
Gaspra
951
951 Gaspra.jpg
6.266 20–30 belt asteroid type S; Galileo flyby [267] · [268]
Deimos
Mars II
Deimos-MRO.jpg
6.2±0.18 1.476 moon of Mars [3] · [269]
Skamandrios
Hektor I
6±1.5 asteroid moon of 624 Hektor [79] · M
Ijiraq
Saturn XXII
Ijiraq discovery.gif
≈ 6 moon of Saturn [3] · M
Halley’s Comet
1P
Lspn comet halley.jpg
5.75 22 comet [270] · [271]
Styx
Pluto V
Styx (moon).jpg
≈ 5.5 ≈ 7.65 moon of Pluto [265] · [266]
Masursky
2685
Asteroid 2685Masurky.png
5.372±0.085 belt asteroid type S; Cassini flyby [272] · M
Damocles
5335
≈ 5 centaur; damocloid [22] · M
Erriapus
Saturn XXVIII
≈ 5 moon of Saturn [3] · M
Alexhelios
Kleopatra I
4.45±0.8 asteroid moon of 216 Kleopatra [273] · M
Callirrhoe
Jupiter XVII
S1999j1.jpg
≈ 4.3 moon of Jupiter [3] · M
Comas Solà
32P
4.2 Jupiter-family comet [274] · M
Esclangona
1509
4.085±0.3 inner belt asteroid type S; binary [275] · M
Misterrogers
26858
4.035±0.085 Mars crosser type S [77] · M
Themisto
Jupiter XVIII
S 2000 J 1.jpg
≈ 4 moon of Jupiter [3] · M
Daphnis
Saturn XXXV
Daphnis (Saturn's Moon).jpg
3.8±0.8 0.077±0.015 moon of Saturn [6] · [6]
Petit-Prince
Eugenia I
3.5±1 asteroid moon of 45 Eugenia [89] · M
S/2003 (130) 1
Elektra I
S-2014 (130) 1 by SPHERE-VLT 2014.jpg
3.5±1.5 asteroid moon of 130 Elektra [276] · M
Bestla
Saturn XXXIX
≈ 3.5 moon of Saturn [3] · M
Remus
Sylvia II
CMSylvia.png
≈ 3.5 73.3+47
−23
asteroid moon of 87 Sylvia [261] · [261]
Cleoselene
Kleopatra II
3.45±0.8 asteroid moon of 216 Kleopatra [273] · M
S/2019 (31) 1
Euphrosyne I
3.35±1.2 asteroid moon of 31 Euphrosyne [277] · M
Tempel 1
9P
Tempel 1 (PIA02127).jpg
3±0.1 Jupiter-family comet; Deep Impact flyby and impacted [278] · M
S/2006 S 1
(Lost moon)
3 0.15 Moon of Saturn [279]  · M
S/2006 S 3
(Lost moon)
3 0.15 Moon of Saturn [280]  · M
S/2004 S 13
(Lost moon)
3 0.15 Moon of Saturn [281]  · M
S/2007 S 2
(Lost moon)
3 0.15 Moon of Saturn [282]  · M
S/2004 S 7
(Lost moon)
3 0.15 Moon of Saturn [283]  · M
Phaethon
3200
PIA22185.gif
2.9 Apollo asteroid type F [284] · M
S/2003 (379) 1
Huenna I
2.9±0.6 asteroid moon of 379 Huenna [285] · M
1999 JM8
53319
Asteroid 1999 JM8.gif
2.7±0.6 Apollo asteroid type X [286] · M
Borrelly
19P
Comet Borrelly Nucleus.jpg
2.66 Jupiter-family comet [287] · M
S/2014 (130) 1
Elektra II
S-2014 (130) 1 by SPHERE-VLT 2014.jpg
2.6±0.6 asteroid moon of 130 Elektra [276] · M
Šteins
2867
2867 Šteins by Rosetta (reprocessed).png
2.58±0.084 belt asteroid type E; Rosetta flyby [67] · M
S/2004 (45) 1
Eugenia II
2.5±1 asteroid moon of 45 Eugenia [89] · M
S/2004 S 12
(Lost moon)
2.5 0.09 Moon of Saturn [288]  · M
S/2007 S 3
(Lost moon)
2.5 0.09 Moon of Saturn [289]  · M
Atira
163693
Atira.20jan17.u2.s1p0.gif
2.4±0.25 Atira asteroid type S; binary [290] · M
Annefrank
5535
Stardust - Annefrank.jpg
2.4 belt asteroid type S Stardust flyby [291] · M
Encke
2P
Comet Encke.jpg
≈ 2.4 comet [292] · M
Comet Hyakutake
C/1996 B2
Comet Hyakutake from Hubble.jpg
≈ 2.4 comet [293] · M
Balam
3749
2.332±0.107 0.51±0.02 belt asteroid type S; trinary [294] · [295]
Pallene
Saturn XXXIII
Pallene N1665945513 1.jpg
2.22±0.07 moon of Saturn [296] · M
Florence
3122
Triple asteroid 3122 Florence.gif
2.201±0.015 0.079±0.002 Amor asteroid type S; trinary [71] · [297]
Wild 2
81P
Wild2 3.jpg
2.133 Jupiter family comet; Stardust flyby [298] · M
Litva
2577
2.115 Mars-crosser type EU; Hungaria family; trinary [299] · M
Hal
9000
2.055 Inner belt asteroid type S; Flora family [300] · M
Littlewood
26993
2.0035 Main Belt Asteroid [301] · M
Churyumov–Gerasimenko
67P
Comet 67P on 19 September 2014 NavCam mosaic.jpg
2 0.00998 Jupiter-family comet [302] · [303]
Eirene
Jupiter LVII
2 0.09 Moon of Jupiter [304] · M
S/2004 S 17
(Lost moon)
2 0.05 Moon of Saturn [305]  · M
Donaldjohanson
52246
1.948±0.007 belt asteroid type C [306] · M
Toro
1685
1.905±0.025 Apollo asteroid type S [71] · M
Cuno
4183
4183 cuno.jpg
1.826±0.051 Apollo asteroid type S/type Q [307] · M
Aegis
Minerva I
1.8±0.5 asteroid moon of 93 Minerva [308] · M
S/2016 (107) 1
Camilla II
1.75±0.25 asteroid moon of 107 Camilla [263] · M
LINEAR
118401 or 176P
1.75±0.05 belt asteroid; comet; Themis family [309] · M
Holmes
17P
17pHolmes 071104 eder vga.jpg
≈ 1.71 Jupiter-family comet [310] · M
Gorgoneion
Minerva II
1.6±0.45 asteroid moon of 93 Minerva [308] · M
1986 DA
6178
1.575 Amor asteroid type M [311] · M
Pichi üñëm
Alauda I
1.55±0.45 asteroid moon of 702 Alauda [312] · M
Toutatis
4179
Toutatis.jpg
1.516 0.0505 Apollo asteroid type S; Chang’e 2 flyby [313] · [313]
Kaʻepaokaʻawela
514107
≈ 1.5 retrograde Jupiter co-orbital [314] · M
S/2016 J 1
Jupiter LIV
1.5 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Methone
Saturn XXXII
Methone PIA14633.jpg
1.45±0.03 moon of Saturn [296] · M
1998 QE2
285263
(285263) 1998 QE2, Goldstone, May 30, 2013.jpg
1.375 Amor asteroid type S; binary [315] · M
Polydeuces
Saturn XXXIV
Polydeuces.jpg
1.3±0.4 moon of Saturn; Dione trojan (L5) [6] · M
2001 SN263
153591
2001sn263 arecibo.png
1.315±0.2 0.00951±0.00013 Amor asteroid type C; trinary [316] · [317]
S/2003 (1509) 1
Esclangona I
≈ 1.285 asteroid moon of 1509 Esclangona [318] · M
APL
132524
132524 APL New Horizons.jpg
≈ 1.25 belt asteroid type S; New Horizons flyby [319] · M
Magellan
4055
CCD image of asteroid 4055 Magellan.png
1.245 Amor asteroid type V [320] · M
Camillo
3752
1.153±0.044 Apollo asteroid type S [71] · M
2002 VU94
90075
1.117±0.042 Apollo asteroid type S [321] · M
Cruithne
3753
Cruithne.jpg
1.036±0.053 Aten asteroid type Q; quasi-satellite of Earth [322] · M
Zephyr
12923
1.03±0.007 Apollo asteroid type S [71] · M
Ersa
Jupiter LXXI
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Pandia
Jupiter LXV
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 7
Jupiter LXVIII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 6
Jupiter LXVII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 3
Jupiter LXIV
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 5
Jupiter LXVI
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 2
Jupiter LXIII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 1
Jupiter LIX
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2017 J 9
Jupiter LXX
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2010 J 1
Jupiter LI
1 Moon of Jupiter [304] · M
Eupheme
Jupiter LX
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 18
Jupiter LV
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 19
Jupiter LXI
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Philophrosyne
Jupiter LVIII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 2
(Lost moon)
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 4
(Lost moon)
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 23
(Lost moon)
CENTER 1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 10
(Lost moon)
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 16
(Lost moon)
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Euporie
Jupiter XXXIV
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Thelxinoe
Jupiter XLII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Mneme
Jupiter XL
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Herse
Jupiter L
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Kale
Jupiter XXXVII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Kallichore
Jupiter XLIV
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Pasithee
Jupiter XXXVIII
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M
Kore
Jupiter XLIX
1 0.015 Moon of Jupiter [304] · M

Below 1 km

This list contains examples of objects below 1 km in radius. That means that irregular bodies can have a longer chord in some directions, hence the mean radius averages out.

In the asteroid belt alone there are estimated to be between 1.1 and 1.9 million objects with a radius above 0.5 km,[323] many of which are in the range 0.5–1.0 km. Countless more have a radius below 0.5 km.

Very few objects in this size range have been explored or even imaged. The exceptions are objects that have been visited by a probe, or have passed close enough to Earth to be imaged. Radius is by mean geometric radius. Number of digits not an endorsement of significant figures. Mass scale shifts from × 1015 to 109 kg, which is equivalent to one billion kg or 1012 grams (Teragram – Tg).

Currently most of the objects of mass between 109 kg to 1012 kg (less than 1000 teragrams (Tg)) listed here are near-Earth asteroids (NEAs). The Aten asteroid 1994 WR12 has less mass than the Great Pyramid of Giza, 5.9 × 109 kg.

For more about very small objects in the Solar System, see meteoroid, micrometeoroid, and interplanetary dust cloud. (See also Visited/imaged bodies.)

Body[note 1] Image Radius[note 2]
(m)
Mass
(109 kg)
Type – notes Refs[note 6]
r · M
Ra-Shalom
2100
2100Ra-Shalom (Lightcurve Inversion).png
990±25 Aten asteroid type C [77] · M
Geographos
1620
Geographos.jpg
980±30 Apollo asteroid type S [67] · M
Midas
1981
975±35 Apollo asteroid type S [77] · M
Mithra
4486
924.5±11 Apollo asteroid type S [71] · M
S/2002 (3749) 1
Balam I
≈ 920 asteroid moon of 3749 Balam [295] · M
1998 OH
12538
831.5±164.5 Apollo asteroid type S [71] · M
S/2008 (3749) 1
Balam II
≈ 830 asteroid moon of 3749 Balam [295] · M
Tantalus
2102
1862Apollo (Lightcurve Inversion).png
824.5±22.5 Apollo asteroid type Q [324] · M
Braille
9969
Braille3.jpg
820 Mars-crosser type Q; Deep Space 1 flyby [325] · M
2005 GO21
308242
2005GO21-20120617.jpg
780 Aten asteroid type S [326] · M
Apollo
1862
1862Apollo (Lightcurve Inversion).png
≈ 750 Apollo asteroid type Q [327] · M
1999 JD6
85989
Asteroid 1999 JD6.jpg
731±10.5 Aten asteroid type K; contact binary [328] · M
Icarus
1566
730 Apollo asteroid type S [329] · M
Dactyl
Ida I
Dactyl-HiRes.jpg
700 asteroid moon of 243 Ida [330] · M
Castalia
4769
≈ 700 Apollo asteroid type S; contact binary [331] · M
S/2009 (2577) 1
Litva I
≈ 700 asteroid moon of 2577 Litva [332] · M
2007 PA8
214869
Pa8radar.jpg
675±70 Apollo asteroid type Q [333] · M
Moshup
66391
1999kw4 vlt-eso1910.jpg
658.5±20 2490±54 Aten asteroid type S; binary [334] · [335]
1950 DA
29075
1950 DA (color).png
653 ≈ 2000 Apollo asteroid type S [336] · [337]
2006 HY51
394130
609±114 Apollo asteroid [338] · M
Wirtanen
46P
Comet 46P Wirtanen STSCI-H-p1863.png
≈ 600 Jupiter-family comet [339] · M
S/2012 (2577) 1
Litva II
≈ 600 asteroid moon of 2577 Litva [332] · M
Hartley 2
103P
Comet Hartley 2 (super crop).jpg
570±80 ≈ 300 Jupiter-family comet; Deep Impact flyby [340] · [340]
S/2008 (153591) 1
2001 SN263 I
2001sn263 arecibo.png
≈ 530 asteroid moon of (153591) 2001 SN263 [317] · M
2003 SD220
163899
PIA20279.jpg
515 Aten asteroid type S [341] · M
Nyx
3908
3908 nyx-s02.jpg
500±75 Amor asteroid type V [342] · M
S/2017 (163693) 1
Atira I
Atira.20jan17.u2.s1p0.gif
500±150 asteroid moon of 163693 Atira [290] · M
Valetudo
Jupiter LXII
Valetudo moon of Jupiter.jpg
≈ 500 moon of Jupiter [343] · M
S/2017 J 8
Jupiter LXIX
≈ 500 moon of Jupiter [343] · M
S/2010 J 2
Jupiter LII
≈ 500 moon of Jupiter [343] · M
S/2003 J 12
(Lost moon)
500 1500 Moon of Jupiter [304] · M
S/2011 J 1
Jupiter LXXII
500 1500 Moon of Jupiter [304] · M
S/2011 J 2
Jupiter LVI
500 1500 Moon of Jupiter [304] · M
S/2003 J 9
(Lost moon)
500 1500 Moon of Jupiter [304] · M
2001 WN5
153814
466±5.5 Apollo asteroid [344] · M
1989 JA
7335
466±76.5 Apollo asteroid type S [71] · M
2017 YE5
PIA22559.gif
450±25 Apollo asteroid type S; binary [345] · M
Verenia
3551
≈ 450 Amor asteroid type V [346] · M
Ryugu
162173
432.5±7.5 ≈ 450 Apollo asteroid type Cg; visited by Hayabusa2 [347] · [348]
1997 AE12
162058
Asteroid 1997 AE12.gif
423.5±6.5 Amor asteroid type S [349] · M
2014 JO25
PIA21597 - New Radar Images of Asteroid 2014 JO25 (cropped).gif
409 Apollo asteroid type S; contact binary [350] · M
Hermes
69230
Hermes planetoid.jpg
400±50 Apollo asteroid type Sq [351] · M
1998 RO1
66063
400±75 447 Aten asteroid type S; binary [352] · [352]
Didymos
65803
Didymos-Arecibo-radar-images.png
390±4 527 Apollo asteroid type Xk; binary [353] · [354]
Aten
2062
365±15 Aten asteroid type S [67] · M
Aegaeon
Saturn LIII
N1643264379 1.jpg
330±60 moon of Saturn [296] · M
2015 TB145
Skull2015-TB145.jpg
325±15 Apollo asteroid type S [355] · M
1994 CC
136617
1994CC-with-moons.gif
310±30 266±32.9 Apollo asteroid type Sq; trinary [356] · [357]
2001 WR1
172034
315.5±9 Amor asteroid type S [358] · M
1992 FE
5604
≈ 275 Aten asteroid type V [359] · M
1989 VA
99907
≈ 273.5 Aten asteroid type Sq [360] · M
Golevka
6489
Asteroid-golevka.jpeg
265±15 Apollo asteroid type Q [361] · M
Bennu
101955
BennuAsteroid.jpg
262.5±37.5 78±9 Apollo asteroid type B; visited by OSIRIS-REx [362] · [363]
2004 UL
374158
≈ 258 Apollo asteroid type S [364] · M
2000 WO107
153201
255±41.5 Aten asteroid type X [365] · M
2002 CU11
163132
230±8.5 Apollo asteroid [366] · M
S/2008 (153591) 2
2001 SN263 II
2001sn263 arecibo.png
≈ 230 asteroid moon of (153591) 2001 SN263 [317] · M
Squannit
1999 KW4 I
1999kw4 vlt-eso1910.jpg
225.5±13.5 asteroid moon of 66391 Moshup [335] · M
1998 WT24
33342
(33342) 1998 WT24 bistatic radar image.gif
≈ 205 Aten asteroid type E/type S [367] · M
2014 HQ124
PIA18412-Asteroid2014HQ124-20140608.jpg
204.5±84 Aten asteroid type S [67] · M
2013 YP139 201±13 Apollo asteroid [359] · M
2008 EV5
341843
Asteroid-2008EV5-ShapeModel-20111006.gif
200±7 Aten asteroid type X/type C [71] · M
2006 DP14
388188
Asteroid2006DP14.jpg
≈ 200 Apollo asteroid type S; contact binary [368] · M
1988 EG
6037
199.5±1.35 Apollo asteroid type S [369] · M
S/2001 (66063) 1
1998 RO1 I
190±40 asteroid moon of (66063) 1998 RO1 [352] · M
2010 TK7
PIA14405-full crop.jpg
189.5±61.5 Aten asteroid; Earth trojan (L4) [370] · M
2006 HY51
394130
609±114 Apollo asteroid [338] · M
2006 SU49
292220
≈ 188.5 ≈ 73 Apollo asteroid [371] · [371]
2005 YU55
308635
2005YU55-20111107.jpg
180±20 Apollo asteroid type C [372] · M
2010 SO16 178.5±63 Apollo asteroid; co-orbital with Earth [359] · M
Itokawa
25143
173 35.1±1.05 Apollo asteroid type S; visited by Hayabusa [373] · [373]
Nereus
4660
Nereus.jpg
≈ 165 Apollo asteroid type Xe [374] · M
Apophis
99942
99942 Apophis shape.png
162.5±7.5 ≈ 61 Aten asteroid type Sq [375] · [376]
S/2009 S 1
PIA11665 moonlet in B Ring cropped.jpg
≈ 150 moon of Saturn [377] · M
S/2017 (3122) 2
Florence II
3122 Florence with moons.jpg
≈ 150 asteroid moon of 3122 Florence [297] · M
2005 WK4
Radar Goldstone (277475) 2005 WK4.jpg
≈ 142 Apollo asteroid type S [378] · M
2004 BL86
357439
Radar images of 2004 BL86 and its moon 2.gif
131.5±13 Apollo asteroid type V; binary [379] · M
2007 TU24
2007 TU24 radar image 20080128.jpg
≈ 125 Apollo asteroid type S [380] · M
2002 VE68 ≈ 118 Aten asteroid type X; co-orbital with Venus [381] · M
2011 UW158
436724
2011UW158.jul14.p05us.p27Hz(1).gif
110±20 Apollo asteroid type S [382] · M
S/2017 (3122) 1
Florence I
3122 Florence with moons.jpg
≈ 100 asteroid moon of 3122 Florence [297] · M
S/2003 (65803) 1
Didymos I
Didymos-Arecibo-radar-images.png
85±15 asteroid moon of 65803 Didymos [354] · M
2009 FD
410777
2009 FD.png
≈ 80 ≈ 3.2 Apollo asteroid type C; binary [383] · [383]
2017 BQ6
2017 BQ6 radar rotation.gif
78 Apollo asteroid type S [384] · M
1994 WR12 ≈ 65 ≈ 2.9 Aten asteroid [385] · [385]
YORP
54509
54509 YORP image radar and 3D model.gif
61.833 Apollo asteroid type S [386] · M
S/2009 (136617) 1
1994 CC I
1994CC-with-moons.gif
56.5±15 asteroid moon of (136617) 1994 CC [357] · M
S/2015 (357439) 1
2004 BL86 I
Radar images of 2004 BL86 and its moon 2.gif
≈ 45 asteroid moon of (357439) 2004 BL86 [387] · M
S/2015 (410777) 1
2009 FD I
2009 FD.png
45±15 asteroid moon of (410777) 2009 FD [388] · M
2011 XC2 ≈ 42.5 ≈ 0.84 Apollo asteroid [389] · [389]
Kamoʻoalewa
469219
41 Apollo asteroid type S; quasi-satellite of Earth [390] · M
S/2009 (136617) 2
1994 CC II
1994CC-with-moons.gif
40±15 asteroid moon of (136617) 1994 CC [357] · M
2002 MN ≈ 36.5 ≈ 0.54 Apollo asteroid [391] · [391]
2015 HM10 ≈ 28.5 Apollo asteroid/Amor asteroid type S [392] · M
2000 SG344
Asteroid 2000 SG344.gif
≈ 20 ≈ 0.071 Aten asteroid [393] · [393]
2016 CW30 ≈ 16 Apollo asteroid [394] · M
Duende
367943
Radar-2012DA14-Goldstone.jpg
15 Aten asteroid/Atira asteroid type L [395] · M
1998 KY26
Asteroid 1998 KY26.faces model.jpg
≈ 15 Apollo asteroid type X [396] · M
2010 AL30
2010al30-18frame-Goldstone.png
≈ 15 Apollo asteroid [397] · M
2011 YQ1 ≈ 15 Apollo asteroid [398] · M
2015 XA378 ≈ 14 Apollo asteroid [399] · M
2009 RR ≈ 13 ≈ 0.024 Apollo asteroid [400] · [400]
2012 TC4
2012 TC4 radar animation before closest approach.gif
11.5 Apollo asteroid type E/type Xe [401] · M
2010 GA6
2010GA6 in April 8 2010.jpg
≈ 11 Apollo asteroid [402] · M
2004 FH
Asteroid 2004 FH.gif
≈ 11 Aten asteroid type S [403] · M
2014 RC
Asteroid 1997 AE12.gif
≈ 11 Apollo asteroid type Sq [404] · M
2004 OD4 ≈ 8.5 Apollo asteroid [405] · M
2009 TM8 ≈ 4.5 Apollo asteroid [406] · M
2006 JY26 ≈ 3.5 ≈ 0.00052 Apollo asteroid [407] · [407]
2010 RF12 ≈ 3.5 ≈ 0.0005 Apollo asteroid [408] · [408]
2011 MD
PIA18453-Asteroid2011MD-SpitzerSpaceTelescope-IRAC-Feb2014.jpg
3+2
−1
Apollo asteroid/Amor asteroid type S [409] · M
2015 TC25 ≈ 2.5 ≈ 0.00012 Apollo asteroid type E [410] · [410]
2008 TC3
2008 TC3 Tumbling (reduced).gif
2.05 0.00008 Apollo asteroid type F/type M; impacted Earth in 2008 [411] · [411]
2019 AS5
2019 AS5-flyby.png
≈ 0.76 Apollo asteroid [412] · M
2011 CQ1 ≈ 0.5 Aten asteroid [413] · M
2008 TS26 ≈ 0.49 Apollo asteroid [414] · M

Arquivo: EightTNOs.png